Coluna da Arte Suave: a importância de ter a mente aberta para aprender novas posições; confira

Tatame

07/03/2017 09:42

Em um treino, quando alguém mostra uma posição para todos ou até depois, de maneira informal, já com o treino terminado, mas com alguns amigos ainda no dojo, alguém mostra um movimento, uma raspagem ou finalização, por vezes escutamos ouvir uma frase do gênero: “Essa posição não funciona”, ou “Esse golpe não pega”. Essas frases são comuns de serem ouvidas nos tatames, e muitas vezes ditas por lutadores que sequer experimentaram fazer as posições, de imediato as condenam, dizendo ser ineficientes, ou por pré-julgarem que daquele tipo de posição, sabem uma melhor.

Esses pensamentos causam uma estagnação técnica aos lutadores que não treinam e estudam as posições, os movimentos demonstrados como deveriam, seja qual for o motivo. A repetição, a capacidade de “sentir” a posição e, assim, ver como melhor se ajeita o próprio corpo, creio ser o fator fundamental para que as frases iniciais não sejam ditas. Uma raspagem, movimento ou uma finalização vão se encaixando bem em nossa rotina, à medida que são praticadas repetidas vezes nos treinos e nas lutas.

586x479
Luiz Dias fala sobre a importância de estar sempre disposto a aprender (Foto Divulgação)


Infelizmente, existem lutadores que só querem “lutar”, e põem de lado o estudo das posições e a sua repetição, de modo que os movimentos possam acontecer na hora da luta de maneira natural, e que você tenha confiança adquirida para fazer quando quiser, na hora que perceber ser a ideal, fluindo, e não de maneira truncada.

Alguns lutadores parecem até achar improdutiva a repetição, e ficam conversando no dojo à espera do prosseguimento de outra etapa do treino. Já vi alunos que nem faziam o golpe para os dois lados, executavam apenas uma vez e pronto. Quando isso acontece na minha aula, percebo que a sua percepção e entendimento do Jiu-Jitsu ainda é limitada. Essa resistência à prática e a repetição faz com que o lutador perca a chance de experimentar outros movimentos, limitando o lutador tecnicamente, e até a oportunidade desse atleta em testar a posição e julgar se esse “novo movimento” poderá ser útil à sua rotina.

É importante ter sempre a mente aberta para aprender. O aprendizado é contínuo e beneficia tanto aquele que demonstra como aquele que aprende, até porque, ao demonstrar, você pensa no golpe, reflete sobre ele e muitos desses momentos em que se demonstram golpes surgem outras variações do mesmo golpe, fazendo um aprendizado coletivo.

Todo lutador deveria, obrigatoriamente, estar buscando sempre novas posições e movimentos, porque o Jiu-Jitsu tem que estar pleno na mente para poder ser expresso no corpo pelos movimentos e finalizações. Até mesmo a maneira diferente de se pegar no quimono pode ser um diferencial. Por vezes, essa resistência em estudar posições acontecem até em lutadores mais graduados, por acharem que não tem mais o que aprender, ou que suas posições são as melhores. Creio que ter a mente aberta para os estudos de novas posições ou novas possibilidades só melhoram o nosso nível técnico. O contrário para mim, deixam o lutador estagnado, sem evoluir. Pensar Jiu-Jitsu, praticar o Jiu-Jitsu mental potencializa o nosso treino, tanto dentro das academias como nos campeonatos.

Para mais informações sobre, acesse o meu Instagram pelo link https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Bons treinos e boa semana. Oss!