Coluna Treinamento Desportivo: saiba mais sobre concussão cerebral e suas precauções no MMA

Tatame

04/02/2017 12:00

Hoje, segundo a mídia, o MMA é um dos esportes em maior ascensão, mas, junto com esse fenômeno, vem também as críticas e outros comentários sobre possíveis lesões ou ocorrências, nem sempre agradáveis aos praticantes. É importante entender que, quando falamos em esportes nos quais o contato físico é inevitável (futebol, lutas, basquete, etc.), podem acontecer algumas fatalidades, como a concussão cerebral.

Uma forma de traumatismo crânio-encefálico ligeiro (entre 14 e 15 na Escala Glasglow), a concussão cerebral pode ser definida como um processo fisiopatológico complexo, induzida por forças de origem traumática, que afetam o cérebro. Pode ser provocada por impacto direto na cabeça (face, região cervical ou qualquer outro segmento corporal), chegando a uma determinada força resultante no cérebro, gerando uma perturbação súbita e transitória na função neurológica (sem lesão estrutural), podendo acarretar na perda de consciência.

620x412
Novo artigo de Stéfane Dias e Fabio Vieira trata da concussão cerebral no MMA (Foto UFC)


A concussão pode acontecer em qualquer atividade esportiva ou recreativa e apresenta uma frequência muito grande, onde somente nos EUA, representa entre 1.6 a 3.8 milhões de casos por ano. Porém, é mais comum em esportes de contato físico intenso e em competições, e sua ocorrência pode e deve ser verificada após um traumatismo quando o atleta vier a apresentar sintomas como cefaleia (dor de cabeça) e tontura (mais frequentes), desorientação, confusão mental, desequilíbrio, incoordenação, possível perda de consciência. Seja qual for o sintoma, é de suma importância a retirada imediata da área da atividade para um médico.

Grandes entidades esportivas de nível mundial adotam o SCAT2 (Sport Concussion Assessment Tool 2), que é uma bateria de testes neurológicos e cognitivos adequados para avaliação desses eventos, realizados imediatamente após o ocorrido. Porém, em certos casos, são necessários outros testes mais aprofundados com o passar do tempo e o aparecimento de outros sintomas. Muito se fala sobre o efeito acumulativo de concussões repetidas, golpes traumáticos e constantes nocautes que podem gerar esse quadro. Entretanto, existe a síndrome do segundo impacto, que ocorre quando o indivíduo sofre uma concussão cerebral e continua na atividade, na sequência, sofre um novo traumatismo, mesmo que discreto (podendo inclusive ser torácico ou cervical), mas, que se chegar a resultar em um movimento súbito ou brusco de flexão cervical, pode desencadear não a perda imediata da consciência, porém, sentir-se atordoado e, segundos ou minutos depois, desmaiar, podendo entrar em coma e chegar até a óbito, em casos mais extremos.

Embora não seja possível evitar totalmente a concussão cerebral, no MMA por exemplo, algumas precauções vêm sendo tomadas, como a utilização de aparatos que tendem a minimizar impactos, como por exemplo o uso de protetores bucais, luvas, protetores de cabeça com acolchoados, com a finalidade de amenizar tudo.

Então, é válido ressaltar a importância de se manter um equilíbrio entre a natureza competitiva e a emoção do espetáculo que a prática esportiva requer. Seja em um ambiente recreativo ou competitivo, a concussão pode estar presente, portanto, necessita de cuidados. No caso dessa ocorrência, recomenda-se o seguinte:

- Acompanhamento imediato de um especialista
- Uma boa noite de sono e um dia de repouso
- Evitar atividades de impacto
- Reduzir intensidade das atividades físicas
- Não ingerir álcool. O uso de álcool e outras drogas podem atrasar a recuperação

* Artigo por Dr. Fabio Vieira e Stéfane Dias. Para mais: fabio.vieira@hotmail.com ou mestraoatt@hotmail.com