Coluna Treinamento Desportivo: saiba mais sobre a rabdomiólise e entenda os seus perigos; confira

Tatame

31/03/2017 10:22

O corpo humano é composto, dentre outros biomateriais, por músculos, que por sua vez, são classificados em três tipos: cardíaco, liso e esquelético. A musculatura esquelética, responsável pela maioria das movimentações articulares, é o tipo de músculo que pode ser acometido da rabdomiólise.

Essa síndrome grave acontece devido a ocorrência de uma lesão muscular, que pode ser direta ou indireta, por meios físicos (traumáticos) ou químicos (reações celulares), e que tem como consequência o agravamento da lesão na fibra muscular. Quando isso acontece, existe a liberação de todo o conteúdo da fibra na corrente sanguínea, sobrecarregando os rins. Quando há quebra ou ruptura do tecido muscular esquelético, há também o desencadeamento da liberação de mioglobina (que tem como atribuição o armazenamento de oxigênio no músculo), eletrólitos e outros componentes sarcoplasmáticos na corrente sanguínea, que ao ser filtrada pelos rins, nesse processo, por se tratar de uma carga tóxica excessiva, pode ocasionar insuficiência renal.

621x413
Em seu novo artigo, Stéfane Dias fala sobre os perigos da Rabdomiólise (Foto divulgação)


Vasos sanguíneos bloqueados, convulsões, AVC’s são possíveis causadores da rabdomiólise. Em outras vezes pode estar relacionada também com problemas no metabolismo lipídico, de carboidratos, assim como as disfunções metabólicas, como hipotireoidismo ou diabetes. Porém, vale ressaltar que o treinamento como agente de indução a lesões musculares, se realizado de forma incoerente, pode ocasionar esse quadro.

Recentemente, nos Estados Unidos, foram reportados alguns casos de rabdomiólise em praticantes de Crossfit e Futebol Americano, devido a utilização de esforços físicos extremos e a falta de individualização do treino.

Em relação à rotina de atividades físicas, é importante ficar atento a sinais como falta de ar, letargia, fraqueza muscular, dores musculares e urina escurecida. Esses sinais podem indicar que tenha acontecido um dano que tenha sido excessivo e que esteja fora do controle, ocasionando inflamação, inchaço e fraqueza localizada.

Portanto, é importante frisar que os programas de exercícios físicos devem ser cuidadosamente planejados e acompanhados por profissionais, pois estes conseguem estabelecer avaliações, prescrição e controle de toda a complexidade que cercam as ciências do treinamento, evitando, desta maneira, que os danos musculares venham a causar a rabdomiólise. Sendo assim, antes de praticar qualquer tipo de treinamento, consulte profissionais da área da saúde para que a prática seja pautada nos limites do seu corpo e sem lesões.

Artigo escrito por: Dr. Fabio Vieira e Stéfane Dias.
Para maiores informações contatar: fabio.vieira@hotmail.com ou mestraoatt@hotmail.com