Ouro duplo no master do World Pro, Marcão Oliveira revela segredo para longevidade no Jiu-Jitsu

Diogo Santarém

04/05/2016 10:00

O Abu Dhabi World Pro Jiu-Jitsu 2016, que foi realizado até o último dia 23 de abril, na capital dos Emirados Árabes Unidos, foi especial para Marcão Oliveira - entre outros atletas, como os campeões do absoluto adulto Tayane Porfírio e Felipe Preguiça. O faixa-preta da Al Wahda Club Jiu-Jitsu Academy garantiu o lugar mais alto do pódio na categoria +94kg e também no absoluto do master 1, ao derrotar Tarek Mohmed na final.

Com o resultado, o brasileiro agora soma dois ouros no peso e dois no absoluto na importante competição de arte suave. Em entrevista à TATAME, Marcão falou sobre a sensação de ter conquistado o ouro duplo em meio à disputa com grandes atletas e ressaltou que o fato de ser uma "zebra" o motivou ainda mais para triunfar.

* Finfou, Braulio Estima e Marcão Oliveira são destaques entre os masters no Abu Dhabi World Pro
* Mulheres dão show, e campeões na faixa-preta adulto são definidos no Abu Dhabi World Pro; veja

620x414
Marcão agora possui dois ouros no peso e dois no absoluto em Abu Dhabi (Foto Jude Abade)


"A sensação foi maravilhosa, até porque eu estava defendendo o título do absoluto, mas contando com a presença de grandes nomes do Jiu-Jitsu, eu acabei virando uma zebra. Isso se tornou um fator motivacional enorme, porque eu sempre acreditei que tinha totais condições de ganhar desses grandes nomes, e isso me puxou a treinar cada vez mais para alcançar o resultado que eu imaginava, e consegui", declarou Marcão.

Confira a entrevista com Marcão Oliveira na íntegra:

Como foi sua trajetória na competição desse ano? Quem foi o adversário mais difícil até o ouro duplo?

Por eu ter sido o campeão do último absoluto, o prêmio que eu ganhei foi pegar os lutadores mais duros logo de cara, e um deles era o Cavaca. Eu havia perdido para ele na nossa última luta, então estava bem apreensivo com o jogo dele, mas deu tudo certo. Outros dois nomes que posso destacar também foram o Peinado e o Rolles Gracie. No absoluto, eram todos grandes nomes, tinha que ser luta por luta, e nenhuma era fácil. No final deu tudo certo e consegui botar em prática o meu Jiu-Jitsu feijão com arroz para levar o ouro.

A que você atribui seus bons resultados? Qual o segredo para manter o alto nível apesar da idade?

Acredito que os resultados que eu venho obtendo, algum dos fatores é que tenho um sonho de poder representar e botar o meu jogo em prática. Vão fazer 30 anos que estou competindo em 2017 e nunca sofri graves lesões. Acredito que o corpo está bem, ainda resiste mais um pouco. Levo uma vida saudável, acabou que a idade e a família chegaram e eu consigo ter uma vida mais saudável, alimentação boa, vida regrada, e isso ajuda muito no treinamento. Mantenho a cabeça boa, fazer o bem, coisas boas. Não tem como você ser um filho da p*** e esperar que coisas boas ocorram. Esses são os grandes segredos para os meus resultados.

620x446
Marcão Oliveira, além do ouro duplo, também foi premiado no 'Oscar' do Jiu-Jitsu (Foto reprodução)


* Tayane Porfírio, Erberth e Meregali são destaques em 'Oscar do Jiu-Jitsu' no Abu Dhabi World Pro
* Vitor Shaolin, Pé de Pano e Alexandre Soca brilham em disputa do 'Legends' no Abu Dhabi World Pro

O que achou do Legends? Acha que os atletas mais experientes ainda têm muito para acrescentar?

Os duelos dos Legends eu achei uma jogada muito boa do evento. Esses caras tinham que pegar tudo o que está ocorrendo atualmente no Jiu-Jitsu. Nós devemos muito a essa galera responsável pelo grande “boom” da arte suave. Muito bom poder vê-los lutando, ainda mais em alto nível, acabaram que deram uma aula. Achei maravilhoso e acho que seria uma boa luta eu contra o Pé de Pano, espero que um segundo combate entre eu e ele ocorra. Nós lutamos no ADCC e o resultado foi, no mínimo, questionável. O Murilo Bustamante chegou a invadir o tatame, então seria uma boa nós dois botarmos o quimono e resolver isso. Adoro o Pé de Pano, o combate seria só para engrandecer o evento mesmo, dentro do tatame (risos). Seria uma honra pra mim.

Qual foi a sensação ao vencer o World Pro, que contou com vários outros masters de destaque?

A sensação foi maravilhosa, até porque eu estava defendendo o título do absoluto, mas contando com a presença de grandes nomes do Jiu-Jitsu, eu acabei virando uma zebra. Isso se tornou um fator motivacional enorme, porque eu sempre acreditei que tinha totais condições de ganhar desses grandes nomes, e isso me puxou a treinar cada vez mais para alcançar o resultado que eu imaginava, e no fim consegui chegar lá.