Minotauro revela 'frio na barriga' com UAEJJF Petrópolis Pro e diz: 'É a profissionalização do Jiu-Jitsu'

Yago Rédua

11/10/2016 06:00

1280x853
Minotauro conversando com o prefeito de Petrópolis: evento na Cidade Imperial foi sucesso (Foto divulgação)

Ex-campeão do Ultimate e um dos maiores nomes do Jiu-Jitsu brasileiro, Rodrigo Minotauro marcou presença no UAEJJF Petrópolis Pro e foi recepcionado com aplausos pelos torcedores que lotaram o Centro Poliesportivo UCP, na cidade Imperial, durante o sábado (8). O ex-lutador, que hoje é membro da FBJJ, contou, em entrevista à TATAME, a importância de um evento bem organizado, estruturado, que valorize o atleta e, principalmente, ajude no crescimento do Jiu-Jitsu.

"É um evento diferenciado, muito organizado. É toda uma organização por trás, que chama atenção para o esporte. Eu estou participando dessa organização, sou vice-presidente da Federação (FJJB). O nosso sonho é o Jiu-Jitsu. Eu fiquei feliz. Eu fico olhando aqui, dá até um frio na barriga. É um trabalho diferenciado, quero agradecer a cidade por ter abraçado esse projeto. São várias cidades olhando com outros olhos para o Jiu-Jitsu. Ambiente diferente, tem o projeto social, que crianças de projetos não pagam. Eu estou feliz de fazer parte, é um marco. Essa cidade tem o DNA do Jiu-Jitsu por causa do Hélio Gracie", comentou Minotauro.

* Com alto nível técnico e ginásio lotado, UAEJJF Petrópolis Pro tem show de Jiu-Jitsu; saiba mais

Assim que chegou ao ginásio, Minotauro conversou com o prefeito de Petrópolis, Rubens Fonseca, com o empresário Ciro Eloy, da Granja Brasil, e atendeu aos pedidos de fãs por fotos e autógrafos. Para o ícone do esporte, quando era lutador de Jiu-Jitsu, um evento com tamanha organização era impossível de se imaginar.

"Por exemplo, eu lembro de disputar um campeonato em Miami (EUA), e fui lutar 2 horas da manhã. Eu estava inscrito para lutar às 21h (risos). Você ficava o dia inteiro para lutar. Era assim em vários locais. Quase não tinham premiações em dinheiro e sequer passagens para lutar em competições importantes. Então, isso que estamos fazendo é a profissionalização do Jiu-Jitsu", encerrou o faixa-preta, representante da FBJJ.