Gustafsson cita ‘experiência e gás’ para vencer Cormier ou Jones: ‘Não vou mais morrer na praia’; confira

    Após sua derrota por nocaute para Anthony Johnson, em 2015, Alexander Gustafsson disse que tirou muitas lições daquele embate. Em entrevista coletiva depois de vencer Glover Teixeira no UFC Fight Night 109,  realizado no último domingo (28) em Estocolmo, na Suécia, “The Mauler” revelou que precisa “atacar primeiro” e que tem “gás” para encarar Daniel Cormier, atual dono do cinturão dos meio-pesados, ou Jon Jones, ex-campeão e seu algoz em  setembro de 2013, no UFC 165.

    11
    Gustafsson deverá ser o próximo desafiante ao título nos meio-pesados do UFC (Foto Getty Images)

    “Aprendi muito naquele confronto contra Anthony Johnson. Aquele não foi o meu dia. Não dou desculpas. Anthony Johnson é um nocauteador clássico, e eu fui muito lento. Contra o Glover, eu fui quase perfeito, que também disputou o cinturão e deu trabalho ao Jon Jones. Eu tenho que atacar primeiro, tenho que estar na luta. O nível aqui é muito alto, e não posso deixar meu oponente tomar a iniciativa e me agredir primeiro. Não tenho que levar um golpe para começar a lutar – esse golpe pode acabar com a sua noite. Tenho que entrar na luta e ser agressivo desde o início. Aprendi essa lição contra Anthony Johnson. Meu problema era com os últimos rounds. Cheguei muito perto de vencer Jon Jones e Daniel Cormier, mas caí de rendimento no fim. Não vou mais morrer na praia, isso não vai acontecer. Ontem (domingo) eu poderia ter lutado dez rounds, e vou estar pronto para dez rounds quando enfrentar Jones ou Cormier novamente”, apontou o sueco Gustafsson.

    Quando foi indagado para quem iria torcer no confronto entre “DC” e “Bones”, marcado para o main event do UFC 214, no dia 29 de julho, na Califórnia (EUA), Gustafsson foi bem claro ao mostrar sua admiração por Jones, mas enfatizou que o americano é seu “inimigo” e Cormier tem a sua torcida.

    “Jon Jones é o meu maior inimigo. Eu não gosto dele. Acho que ele é o melhor lutador de todos os tempos e o melhor peso-por-peso do mundo. Todos temos conhecimento que ele ainda não foi derrotado e que derrotou todos os seus adversários. Mas como pessoa e como campeão, ele não é o campeão e nem uma boa pessoa no meu modo de ver. Não escondo a minha torcida por Cormier, porque gosto dele. Ele é um campeão de verdade, diferente do Jones”, encerrou Alexander.

    RESULTADOS COMPLETOS:

    UFC Fight Night 109
    Estocolmo, na Suécia
    Domingo, 28 de maio de 2017

    Card principal

    Alexander Gustafsson derrotou Glover Teixeira por nocaute técnico no 5R
    Volkan Oezdemir derrotou Misha Cirkunov por nocaute técnico no 1R
    Peter Sobotta derrotou Ben Saunders por nocaute técnico no 2R
    Omari Akhmedov derrotou Abdul Razak Alhassan por decisão dividida dos jurados
    Nordine Taleb derrotou Oliver Enkamp por decisão unânime dos jurados
    Jack Hermansson derrotou Alex Nicholson por nocaute técnico no 1R

    Card preliminar

    Pedro Munhoz derrotou Damian Stasiak por decisão unânime dos jurados
    Trevor Smith derrotou Chris Camozzi por decisão unânime dos jurados
    Netto BJJ derrotou Reza Madadi por decisão dividida dos jurados
    Bojan Velickovic derrotou Nico Musoke por nocaute técnico no 3R
    Darren Till derrotou Jessin Ayari por decisão unânime dos jurados
    Damir Hadzovic derrotou Marcin Held por nocaute no 3R

    2 COMENTÁRIOS

    1. O mauler fez a luta certa, tem que ter a iniciativa mesmo, quem quer ser campeão tem que cair pra dentro, sem medo de ser feliz. Quanto ao JJones ser o melhor de todos os tempos, isso é exagero. Vamos ver como o JJones se sai nos pesados, por exemplo, JJones vs Caim Velasquez, JJones vs Mioci, JJones vs Negnnou,. Tem outros pesados russos que não estão no UFC, estão invictos e não sei como o UFC ainda não contratou. Se o JJones bater todos eles, aí sim poderá ser considerado o melhor de todos os tempos.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome