MMA UFC

Atual campeã peso-pena do Ultimate, De Randamie ‘recusa’ Cris Cyborg e projeta descida de divisão; saiba mais

Criada pelo Ultimate este ano, a categoria peso-pena feminino segue com uma indefinição em relação a Germaine de Randamie, atual campeã da divisão. A lutadora, que conquistou o título em fevereiro deste ano, ao derrotar Holly Holm, foi desafiada diversas vezes por Cris Cyborg para uma defesa de cinturão, todavia, ao que parece, tal confronto não será realizado. Isto porque, na última segunda-feira (29), Germaine procurou deixar claro que pretende voltar para a categoria dos galos.

germainederandamieufc
Germaine de Randamie declarou que sua intenção é retornar ao peso-galo (Foto Getty Images)

“Durante as negociações da luta com Holly Holm (que valeu o cinturão inaugural peso-pena), disse antecipadamente que depois da luta eu queria retornar à minha categoria de peso de origem, de 61 quilos (peso-galo). Minha missão ainda não foi concluída. O UFC me prometeu que isso não seria problema e que posso apenas voltar à minha categoria de peso”, declarou a atleta holandesa, que ainda revelou ter aceitado o confronto contra Cris Cyborg em uma primeira proposta de luta pelo título inaugural peso-pena feminino, mas que atualmente não faria o mesmo, citando a situação da lutadora brasileira com a USADA (Agência Antidoping dos Estados Unidos).

“O duelo entre mim e Cyborg foi oferecido em novembro do ano passado. Eu aceitei a luta na época. Cris Cyborg rejeitou porque não poderia bater os 66 quilos em 12 semanas. Um mês depois, ela foi visitada pela USADA e não passou no teste. O resto da história é conhecido. Minha razão para rejeitar a luta agora não tem nada a ver com medo. Acredito que, se você quiser fazer esportes, você faz isso sem qualquer interferência em sua massa muscular. Eu – como uma atleta de alto nível – sempre treinei, sempre cuidei da minha comida e coloquei 18 anos da minha vida nos esportes sem usar algo que não é permitido”, disse Germaine, em tom de cutucada a Cyborg.

Vale ressaltar que o caso citado por Germaine de Randamie em relação a Cris Cyborg foi resolvido em fevereiro deste ano, quando a brasileira foi absolvida após uma suspeita de violação da política antidoping pela USADA. Na ocasião, a curitibana provou que a substância, espironolactona, foi utilizada para um tratamento médico na recuperação de um corte de peso difícil em sua última luta.

2 comentários

Deixe uma resposta