Jiu-Jitsu

Ouro duplo no American National, Lucas Hulk celebra dois anos na faixa-preta: ‘Muito a aprender’

No último domingo (9), Lucas “Hulk” Barbosa comemorou dois anos como faixa-preta de Jiu-Jitsu em Las Vegas, em seu lugar preferido: nos tatames de competição. Favorito, Lucas foi campeão com e sem quimono no American National da IBJJF, encerrado no último fim de semana.

Na divisão meio-pesado com quimono, o aluno de André Galvão venceu três oponentes – um deles por finalização no armlock invertido. Depois, brilhou também na divisão sem quimono, na mesma categoria, ao finalizar Lucas Rocha (Zé Radiola) no katagatame.

Lucas, que tem apenas 24 anos e um currículo extenso cheio de títulos, aproveitou para analisar e comentar o que aprendeu em dois anos atuando no mais alto nível do esporte competitivo.

Lucas Hulk faturou o ouro duplo no American National da IBJJF (Foto: IBJJF)
Lucas Hulk faturou duas medalhas de ouro na disputa do American National da IBJJF (Foto: IBJJF)

“Dois anos de faixa-preta e parece que é um tempo longo, mas não é. Ainda me sinto muito novo nessa faixa, tenho muito que aprender nessa graduação. Muita coisa ainda está por vir: batalhas, vitórias e aprendizado. Então, lutar e comemorar no American National foi irado, pois é um dos campeonatos mais disputados aqui. Na categoria, não foi nada fácil, com e sem quimono. Tive várias lutas duríssimas. A sensação de vitória é boa mesmo, só tenho a agradecer a Deus pelo trabalho duro que venho fazendo e a disposição que ele me dá. Dois anos de faixa-preta e dois ouros no campeonato”, contou Hulk, antes de explicar o que fez para vencer os adversários em sequência.

“A primeira lutei foi com o Igor Paiva e finalizei com um armlock invertido. O Igor é um atleta muito duro, joga muito bem com a guarda laçada. Depois, encarei o Manuel Ribamar e venci por 3 a 2. Consegui passar a guarda e depois ele me raspou na guarda 50/50, perto do fim. Já perdi as contas de quantas vezes lutei com o Ribamar, que também é um atleta muito duro. Mas, graças a Deus, saí com mais uma vitória. A final da categoria foi contra Valdir Junior, atleta da Fight Sports e que treina junto com o (Roberto) Cyborg. Foram 10 minutos de quedas, tentando derrubar. Apliquei umas cinco quedas, mas ele batia e voltava. A base dele é muito boa, porque vem do MMA. Porém, consegui derrubar. Ele já até fez final da seletiva do ADCC lá em São Paulo, contra o Murilo Santana. Ele é bem duro mesmo, foi uma guerra. O público presente viu, gostou e aplaudiu”.

Sem o tradicional paletó, Hulk foi vitorioso também e mostrou um jogo justo de quedas e finalizações. Para ficar com o ouro, precisou encarar e finalizar o duro Lucas Rocha. A seguir, ele destrincha como fez para sair vencedor.

“Foi uma luta dura com o Lucas Rocha, porém, fui capaz de finalizar. No início da luta, ele me puxou e tentou me raspar. Então, armei minhas posições e passei cruzando o joelho. Depois, encaixei uma kimura e quase finalizei no braço, mas ele escapou. Voltou em pé e ele puxou novamente. Eu consegui passar, montar e finalizei no katagatame”, finalizou Lucas, que tem dois títulos mundiais sem quimono da IBJJF na faixa-preta.

Deixe uma resposta