Tanquinho exalta ACB JJ e ressalta importância de título: ‘Me deu um gás’

    Augusto Tanquinho conseguiu provar inocência e voltará ao MMA lutando pelo ACA (Foto ACB JJ)

    Por Yago Rédua

    No início deste mês de dezembro, em Moscou, na Rússia, aconteceu o ACB Jiu-Jitsu 9, liderado pelos GPs No-Gi nas divisões até 60kg e 95kg. Enquanto Felipe Preguiça foi o grande campeão na categoria mais pesada, Augusto Tanquinho, peso-galo do UFC, foi quem brilhou entre os “levinhos” e atropelou os seus adversários sem o quimono.

    Ainda buscando embalar no UFC, onde tem duas derrotas e uma vitória em três lutas, o brasileiro segue se aventurando no Jiu-Jitsu, onde soma diversas conquistas. Em entrevista à TATAME, Tanquinho celebrou o título do ACB JJ e ressaltou a força que tira da arte suave.

    “Foi um título muito importante pra mim. Acho que estava precisando um pouco mais disso, de lutar um campeonato desse porte, de projeção, que tivesse disputa de cinturão. Foi uma experiência muito boa e que me deu um gás legal para o ano que vem, 2018”.

    Tanquinho, na campanha vitoriosa, começou com uma finalização relâmpago contra Milton Bastos. Depois, passou por João Miyao na semifinal e, na grande decisão, nova finalização, desta vez com uma ajustada guilhotina contra o também casca-grossa Samir Chantre.

    Confira a entrevista com o faixa-preta Tanquinho abaixo:

    – Luta mais difícil entre as três do Grand Prix

    A semifinal e a final foram bem difíceis. A semi foi contra o João Miyao, que é o campeão com quimono, muita gente o considerava como favorito. Foi uma luta muito disputada, ganhei dois rounds e empatamos um. Muito equilíbrio. E a final é aquilo, você já está mais cansado, desgastado, e eu peguei o Samir (Chantre), que é um cara muito bom. Foi uma luta pra frente, com os dois buscando a vitória. É difícil escolher a mais difícil, porque cada uma teve seu momento de dificuldade e ambas foram bem aguerridas, com certeza.

    – Participação nas próximas edições do ACB JJ

    Com certeza (irei participar de mais edições em 2018). Vou defender esse cinturão sem quimono na divisão até 60kg em alguma época do ano que vem. Tenho contrato com eles de fazer superluta também. Estamos negociando agora essa questão. Tenho grande chance de participar no card em janeiro, até 65kg com quimono, que será aqui no Brasil.

    Tanquinho promete voltar embalado para o ano que vem após fechar 2017 com título na arte suave (Foto ACB JJ)

    – Crescimento do ACB JJ e planos no evento

    Quando eles me convidaram, eu comprei a ideia de participar do GP, porque acreditava no potencial do evento. Sabia que iria se tornar um dos maiores eventos de Jiu-Jitsu, como é hoje, e, daqui a pouco, será o maior evento de Jiu-Jitsu do mundo, pela remuneração que eles pagam e toda a estrutura. Eu já fiz frente com todos esses caras e pra mim não é um atrativo a mais isso. Já conheço e lutei com todos, mas eu quero ser o campeão e, em cima de pessoas com nome, melhor ainda. Estou ansioso para ver como vão acontecer as superlutas ano que vem. A minha ideia é defender o cinturão. Como eu já tenho o título, tenho que defendê-lo e tenho a chance de ganhar o cinturão de quimono também.

    – Importância do título para o próximo ano

    Foi um título muito importante pra mim. Acho que estava precisando um pouco mais disso, de lutar um campeonato desse porte, de projeção, que tivesse disputa de cinturão. Foi uma experiência muito boa e que me deu um gás legal para o ano que vem, sem dúvidas.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome