Ouro duplo no Mundial No-Gi, Lucas Hulk quer ‘escrever o nome na história’; saiba

Publicado em 26/12/2017 por: Diogo Santarém
Ouro duplo no Mundial No-Gi, Lucas Hulk quer ‘escrever o nome na história’; saiba Lucas Hulk será uma das grandes atrações na disputa do ADCC 2019 (Foto divulgação)

publicidade

O faixa-preta Lucas Hulk ocupa, hoje, o posto de melhor atleta sem quimono da IBJJF, após duelar e finalizar cinco de seis oponentes durante o Mundial Sem Quimono, encerrado no penúltimo fim de semana, na Califórnia (EUA). Sob os olhares de André Galvão, que ficou com a missão de instruir o aluno durante as pelejas, Lucas garantiu duas medalhas de ouro. Primeiro, Hulk dominou as ações no superpesado, ao finalizar a pedreira João Assis na posição Norte-Sul. Antes disso, o jovem havia finalizado Eliot Kelly na kimura e James Brasco com o mesmo golpe que utilizou na final da categoria para garantir o título.

“João é um atleta muito duro, lutei com ele o Berkut uma semana atrás e foi uma guerra no Mundial. As duas lutas que fiz com ele foram uma guerra, mas graças a Deus consegui ser campeão. Tiro o chapéu pra ele mesmo, ele tem um nome, uma história incrível no Jiu-Jitsu. Fico feliz de ter lutado com ele e finalizado ele nas duas posições. Eu venho trabalhando muito aquele estrangulamento Norte-Sul. Acho que o detalhe é ajustar a posição ali no bíceps e jogar o quadril para o lado para poder ter uma finalização boa, tem que estar justo sempre ali”, contou Hulk, ao explicar como fez para dominar Assis.

Algumas horas depois, Hulk confirmou o nome no absoluto, uma divisão aberta para todos os pesos, e novamente foi o melhor atleta. A disputa do ouro absoluto o colocou frente a frente com o sempre perigoso João Gabriel Rocha. Com uma tática bem elaborada, Hulk derrubou João, controlou a luta e tornou-se o mais novo campeão absoluto. Diante da emoção e enxugando o suor que valeu ouro, Lucas comentou o sabor da vitória e falou do seu quarto título mundial sem quimono seguido, já que ele vence desde 2015.

“É difícil de acreditar que meu nome está lá, na história do Jiu-Jitsu, como campeão na categoria e no absoluto. Acho que é um título que todo lutador queria ter. Eu já estava feliz com meu título na categoria, mas o absoluto tem um gosto ainda maior. Ser campeão peso e absoluto de um dos maiores torneios do mundo é inacreditável mesmo. Estou muito feliz com esse título. Agora, olhando para trás e ver até onde eu cheguei é incrível. Para mim, isso representa bastante, porque todos esses anos dedicados a essa jornada posso ver que valeram a pena. Um cara de uma cidade pequena conquistar o maior torneio do mundo é bem gratificante. Espero me superar dessa forma e ter mais, continuar escrevendo meu nome na história, para que todos possam se lembrar do meu nome”, projetou Lucas.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade