Malfacine destrincha futuro no Jiu-Jitsu e garante participação no Mundial 2018: ‘Prometi ao Gurgel’

Publicado em 04/12/2017 por: Mateus Machado
Malfacine destrincha futuro no Jiu-Jitsu e garante participação no Mundial 2018: ‘Prometi ao Gurgel’ Bruno Malfacine vai em busca do seu décimo título mundial de Jiu-Jitsu (Foto FloGrappling)

publicidade

Por Mateus Machado

Nove vezes campeão Mundial de Jiu-Jitsu pela IBJJF, Bruno Malfacine possui uma legião de admiradores por conta de seus grandes feitos na modalidade e também por sua conduta exemplar dentro e fora dos tatames. Com uma carreira consagrada na arte suave, o atleta da Alliance decidiu fazer sua transição para o MMA e fez sua estreia no esporte em agosto deste ano, quando venceu Romario Garcia com um armlock no primeiro round, em luta válida pelo Shooto Brasil 74.

Desta forma, muitos fãs do lutador questionam sobre o futuro de Malfacine na arte suave. Em entrevista exclusiva à TATAME, Bruno comentou que uma “promessa” feita ao mestre Fabio Gurgel para a conquista do décimo título mundial faz com que sua participação no próximo Mundial da IBJJF

“Talvez, se eu tivesse 7 ou 8 títulos mundiais, eu me aposentaria e me dedicaria apenas ao MMA. Mas não tem como parar com 9. O Fabio (Gurgel) sempre me disse que eu só poderia me aposentar depois de ganhar 10 mundiais. Quando ganhei esse ano, eu fui dar um abraço dele e prometi que voltaria no próximo (ano) para ganhar o décimo título”, disse o faixa-preta multicampeão.

– Cobrança de Gabi Garcia por ‘troféu’ a Malfacine por seus feitos no Jiu-Jitsu

Vi, sim. É sempre bom ver as pessoas reconhecerem o seu trabalho. Só nós atletas e as pessoas que estão envolvidas sabem o quanto é difícil ganhar um Mundial de Jiu-Jitsu. Eu ganhei nove vezes, o único na história a ganhar nove mundiais em uma categoria.

– Existe um reconhecimento menor pelo fato de você ser mais leve e não disputar o absoluto?

Com certeza. Antes de eu chegar na categoria, isso era ainda pior, porque a categoria sempre teve a alternância de campeões. Meu objetivo também era valorizar a categoria, e eu só vi uma alternativa, fazer a diferença, não ser apenas mais um campeão, e sabia que deveria fazer história quebrando recordes. A realidade é que chegou a um ponto que deixei de fazer pelos outros e comecei a fazer por mim, por realização pessoal. Encontrar felicidades das minhas conquistas, sem esperar reconhecimento. Foi o caminho que encontrei para lidar com isso.

– Acha o absoluto tão importante?

Cada categoria tem o seu brilho, e o absoluto tem algo a mais. É incrível ver os melhores do mundo, de categorias diferentes se enfrentando. É muito maneiro de ver. O nível é muito alto.

– Em relação à sua categoria, já se vê como principal nome de todos os tempos?

Sempre evitei responder essa pergunta e procurei mostrar com resultados. Mas hoje, acho que não há dúvidas depois de entrar para o Hall da Fama e me tornar um dos maiores ganhadores da história do esporte, com nove títulos mundiais.

Bruno Malfacine estreou no MMA com vitória por finalização no primeiro round (Foto: Natalino Werneck)

Bruno Malfacine estreou no MMA com vitória por finalização no primeiro round (Foto: Natalino Werneck)

– Podemos esperar você no Mundial 2018 também ou agora o foco é só no MMA?

Talvez, se eu tivesse 7 ou 8 títulos mundiais, eu me aposentaria e me dedicaria apenas ao MMA. Mas não tem como parar com 9. O Fabio (Gurgel) sempre me disse que eu só poderia me aposentar depois de ganhar 10 mundiais. Quando ganhei esse ano, eu fui dar um abraço dele e prometi que voltaria no próximo (ano) para ganhar o décimo título.

– Como fica o seu futuro na arte suave?

Tenho meus alunos em Orlando (nos Estados Unidos) e amo o Jiu-Jitsu. Estarei conectado com o Jiu-Jitsu diretamente até eu não conseguir mais conciliar com o MMA.

 

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade