Gabi fala sobre bullying e analisa casos de Cris e Tayane: ‘Só sabem julgar’; leia

    Gabi Garcia e Cris Cyborg precisam lidar com a questão do bullying já há alguns anos (Foto Rizin FF)

    Por Mateus Machado

    Utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos, praticado por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder, o bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa sequelas psicológicas na pessoa atingida.

    Tal ato é praticado em diversos setores da sociedade e, infelizmente, o mundo da luta não escapa desse problema. O bullying acontece, na maioria dos casos, através da internet, mais precisamente nas redes sociais, por meio de comentários em publicações ou até mesmo por mensagens diretas. Para comentar sobre o caso, a TATAME conversou com Gabi Garcia, multicampeã no Jiu-Jitsu e invicta no MMA. A lutadora, que vem sofrendo nos últimos anos com os ataques, falou abertamente da situação e também analisou os casos de Cris Cyborg, atual campeã peso-pena do UFC, e Tayane Porfírio, uma das grandes estrelas do Jiu-Jitsu atualmente, que são suas amigas pessoais e também precisam “lidar” com o bullying.

    “Sou uma pessoa que pode falar com autoridade sobre isso. Eu fui a pessoa que mais sofreu bullying na história do Jiu-Jitsu. Eu escutei tanta vaia na minha vida que eu não desejo nem para os meus inimigos, as vaias que escutei. Mas por outro lado, eu fui a pessoa mais aplaudida da história do Jiu-Jitsu, no Europeu. Então, existem dois lados do bullying… Você se esconder atrás dele e pensar: ‘Ah, eu sou um coitado (a), e ninguém gosta de mim’, ou você olhar e falar: ‘Eu vou treinar muito e vou mostrar para essas pessoas que fazem bullying comigo que eu não sou aquilo que elas pensam que eu sou, que eu sou mais que elas’. Hoje eu olho para essas pessoas que fazem bullying com os outros, ou comigo, e penso: quem é essa pessoa? Porque, na verdade, o bullying nada mais é do que uma pessoa que não gosta dela mesma. Porque uma pessoa que perde tempo em rede social para xingar a outra, ela tem tempo sobrando. Então, às vezes, eu não tenho tempo nem para comer, imagina se vou entrar em uma rede social para xingar uma pessoa.

    Uma das coisas que eu tenho que mudar é levantar o humor, porque eu mudei de esporte, entrei em um mundo que é completamente diferente do Jiu-Jitsu, politicamente falando, e também de treinos, de cobrança. E as pessoas, na minha primeira luta, acharam que eu ia entrar dentro do ringue e fazer uma super luta, que o meu Boxe ia ser perfeito. Só que eu sabia que não ia ser bom. Eu, Gabi, sabia que não ia boxear bem, sabia que não ia ser boa de Muay Thai e de Wrestling. Eu sabia disso. Eu demorei 16 anos para ganhar a minha primeira medalha de ouro no Jiu-Jitsu, não ia ser em um ano que eu ia entrar num ringue para 40 mil pessoas no Saitama e fazer uma luta igual a Cris Cyborg faz hoje em dia, eu não poderia pensar assim.

    Eu fui muito julgada. E quando você entra entra no perfil dessas pessoas que fazem bullying pela internet, você vê o quanto essas pessoas são tristes, porque elas gostariam de estar no seu lugar. É difícil as pessoas fazerem isso, terem a coragem de treinar com dor, de dormir com dor, acordar com dor, de não saber o dia de amanhã, se você vai ter uma luta marcada ou não. As pessoas só sabem julgar. Uma frase que falei uma vez no Mundial e que continua na minha cabeça é a seguinte: ‘Fácil é ser a pedra, difícil é ser a vidraça’. Então, assim, você jogar a pedra é muito mais fácil, então o que mais tem hoje são os lutadores de internet. O cara acha que sabe tudo de luta e vai ficar dando a opinião dele. Só que por um outro lado, eu entendi uma coisa que o meu ‘padrinho’, Wanderlei Silva, falou. Eu perguntei a ele o que achava das pessoas que falavam mal dele. Ele respondeu: ‘Gabi, você tem que entender que nós somos artistas marciais. Então o que é um artista marcial? É a mesma coisa que um palhaço. As pessoas vão num circo, pagam para rir de um cara fantasiado de palhaço. Se o cara ficar bravo porque estão rindo dele por estar com um nariz de palhaço, ele não vai fazer o trabalho dele e não vai existir o palhaço’. Então, tem que existir as pessoas que gostam da gente, porque as pessoas pagam a TV, pagam o ingresso, elas tem o direito de falar o que querem, bem ou mal. Elas estão assistindo… É mais fácil assistir o atleta do que ser o atleta. A gente é artista marcial, então, eu me considero uma artista e falem o que quiser. Bem ou mal, eles estão pagando a minha bolsa (risos), então continuem falando.

    O que não pode é passar do limite, ofender os outros, a família dos outros. Eu nem ligo para o que falam, as pessoas falam do meu corpo, dos meus músculos… Parem para pensar um pouquinho. Eu amo os músculos que eu tenho, se eu não quisesse eles, eu não treinaria do jeito que eu treino. Só que eu acho que as pessoas passam do limite ao ofender os outros. Como o caso da Tayane Porfírio, da Cris Cyborg, o meu caso também. Só que a gente não é afetada com isso, eu não sou afetada, eu não sofro com o bullying, porque eu tenho dó das pessoas que praticam isso. Porque eu vou passar por essa vida sendo lembrada por tantos títulos mundiais, por ter ido para o MMA, por ter feito tanta coisa que fiz pelas mulheres, por ser treinadora no TUF. Eu fiz muitas coisas e as pessoas vão lembrar de mim. Mas as pessoas que fazem bullying gostariam de ser lembradas no futuro e não vão ser, porque ninguém vai lembrar. Você é o que você lança para o universo. As pessoas precisam entender que os outros tem família… Quem sofre é a mãe, o pai, o irmão. Eu vejo a família dos meus amigos sofrerem, eu sei que a minha família sofre, mas não me falam, e aí eu penso assim: eu fui criada com muito amor dentro da minha casa, então quem faz o bullying é a pessoa que não teve educação, que não teve amor do pai, da mãe, da família. Porque o bullying nada mais é que a falta de amor, então sempre me deram muito amor, e não me importa se a pessoa é branca, negra, homossexual, heterossexual, nós somos todos iguais e com capacidades iguais. Me ensinaram a me amar do jeito que eu sou. Eu me amo, me acho a mulher mais linda do mundo, a mais sinistra do mundo, me acho mesmo e isso me dá uma confiança total. Você entrar na internet para falar mal dos outros é uma falta de autoconfiança total, porque essa pessoa não tem coragem de falar isso na sua cara. Atrás do teclado, qualquer gatinho vira leão. O que deve ser feito é ignorar. Alguns casos, lógico, não dá… Eu sou uma pessoa que tenho alguns processos no Brasil ainda rolando, de crimes virtuais, e algumas pessoas precisam pagar por isso, não pode passar impune. Mas a maioria das pessoas eu nem ligo, eu bloqueio e segue a vida (risos)”, disse Gabi Garcia, que ainda falou sobre Tayane Porfírio.

    “Sobre a Tayane, eu lembro da primeira vez que fizeram uma montagem minha e dela. Eu já era faixa-preta, ela era azul, e fizeram uma montagem dizendo que ela seria a nova Gabi Garcia, na época que ela não era nem da Alliance ainda. Ela escrevia para mim, e desde a faixa-azul, ela ia para a minha casa, lá em São Paulo. Eu comecei a emagrecer e as minhas roupas, da minha irmã, ela ia pegando, tanto que quando ela chega aqui em casa na minha casa hoje (nos Estados Unidos), ela pega algumas coisas e usa (risos). A Tayane é uma menina que eu acho que não deveria sofrer o bullying que ela sofre. Eu merecia sofrer em uma época o bullying que eu sofria, porque eu não era boa de Jiu-Jitsu, então as pessoas julgavam o meu Jiu-Jitsu, e aí tudo bem. Só que a Tayane é muito boa de Jiu-Jitsu, ela tem um Jiu-Jitsu para frente, é flexível… Apesar do peso dela, chega a espantar o jeito que ela luta. Ela faz guarda, passa guarda, ela tem muitas coisas que eu não tinha, na época que eu estava no Jiu-Jitsu, lutando sempre. Eu não acho que ela vai ser a nova rainha do Jiu-Jitsu, ela já é. A Tayane vem ganhando de meninas que tão na faixa-preta com mais de 20 pontos de vantagem, vem pegando, finalizando, vem dando um show de Jiu-Jitsu. A Tayane vai incomodar muita gente, e se ela tiver a cabeça boa, que eu sei que ela tem, vai seguir brilhando muito. Ela vem para minha casa, fica aqui comigo… As pessoas ficam falando para a gente lutar uma contra a outra, mas ela é minha amiga, fica na minha casa, eu gosto muito dela. Ela tem tudo para ser ainda mais incrível, se ela tiver a cabeça certa, treinar certo, ela vai ganhar muito mais títulos que eu. Torço muito por ela, pela pessoa que é. Ela é muito humilde, é uma menina muito querida. Ela tem a característica do campeão. O campeão não é só subir no pódio e ganhar medalha, tem que dar o exemplo, e o maior exemplo que ela dá é de humildade”, concluiu.

    Gabi também falou sobre Tayane Porfírio, que também recebe ofensas por meio das redes sociais (Foto: Reprodução)
    Gabi também falou sobre Tayane, que também recebe ofensas por meio das redes sociais (Foto: Reprodução)

    17 COMENTÁRIOS

    1. Depois da foto novelesca não tem credibilidade para nada.marca logo uma luta com a Palmirinha e continue sua medíocre carreira no mma

    2. É uma grande atleta, porém tem que arrumar lutas melhores no MMA, lutando com mulheres de 53 anos não existe…

    3. Bom dia! Eu não tenho nada contra a Gabi, até pq não a conheço pessoalmente. Entretanto é ridículo aceitar uma luta com uma atleta praticamente de terceira idade e com uma diferença de peso gritante. FALTA UM ORIENTADOR A ELA, ALGUÉM QUE DIGA O QUE NÃO FAZER. A carreira dela acaba fácil em razão de escolhas ruins. BOA SORTE GABI GARCIA, DE CORAÇÃO. ESCOLHA MELHOR AS SUAS ADVERSÁRIA PARA NÃO PASSAR POR RIDÍCULO.

    4. A Tayane é linda, simpática, técnica. Sou fã dela. Se eu fosse solteiro eu iria dar um jeito de conhece-la e conquista-la.

    5. Gostei das palavras do Wanderlei Silva. o lutador não pode mesmo se importar com o que dizem dele como atleta, porque em toda profissão fazem a mesma coisa.

    6. Gabi e sua tradicional foto de biquinho de patinha, se achando! “As pessoas adoram julgar”, ridiculo!!! Quer ser “estrela” mas não quer criticas, ainda que “destrutivas”, mas são nessas críticas que se deve prestar atenção de rever seus conceitos! Credibilidade Zero Gabi

    7. Sinceramente, não entendo toda essa ira direcionada para a Gabi Garcia.
      Falam tanto das adversárias dela, seja pela idade ou diferença de peso, entretanto, quero ver alguém conseguir listar ao menos 05 lutadoras de alto nível da mesma categoria da Gabi Garcia.
      Se houve lutadoras com peso mais baixo ou idade mais avançada, que aceitaram o desafio de lutar com ela…mérito dessas guerreiras, que independente de idade ou peso estão “botando a cara na lata”.
      A Gabi é uma vencedora incontestável nos tatames e está apenas começando no MMA.
      As pessoas a julgam e criticam como se o MMA fosse um esporte isento de coisas negativas como doping, manipulação de resultados, eventos sem estruturas, remunerações de merda e apenas as falhas cometidas por Gabi Garcia fossem o lado negativo do MMA.

      • Compreendo, realmente não tenho em memória nenhuma lutadora com o biotipo HIPERMESOMORFO. Talvez com as contantes mudanças que observamos no cenário exportivo, a exemplo do vôlei, poderiam encontrar uma atleta semelhante a Tiffany Abreu.

    8. Gabi é muito grande, pesada, difícil achar adversárias….Se tá aparecendo mulheres com idade avançada e tão pagando uma boa bolsa tem q lutar sim, não é demérito nenhum…

    9. Sou faixa preta de jiu jitsu e fã da Gabi e da Tayane. A internet tá cheia de pseudos lutadores que só falam merda. Suas apresentações no mma realmente ainda não estão a contento. Mas ela treina mma não faz nem dois anos. Ela é persistente e vai conseguir provar seu valor dentro do mma.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome