Lyoto Machida analisa ‘clássico’ contra Belfort no UFC 224 e afirma: ‘O estilo dele é perfeito pra mim’

Publicado em 19/03/2018 por: Mateus Machado
Lyoto Machida analisa ‘clássico’ contra Belfort no UFC 224 e afirma: ‘O estilo dele é perfeito pra mim’ Lyoto Machida poderá ter Fedor Emelianenko como um dos adversários no Bellator (Foto Getty Images)

publicidade

Escalado para enfrentar Vitor Belfort no UFC 224, no dia 12 de maio, em combate que promete entrar para a história do MMA mundial, Lyoto Machida está empolgado. O carateca define como “perfeito” o casamento de estilo com o “Fenômeno”. Em entrevista ao Canal Encarada, o ex-campeão dos meio-pesados falou sobre o encontro com Vitor no octógono, que acontecerá no Rio, anos após a luta ser especulada pela primeira vez.

“O Vitor é um lutador explosivo, é um contragolpeador. Ele é um cara que não se expõe tanto, mas gosta de contragolpear. E acredito muito que é uma luta que casa bem para o meu jogo. Essa luta poderia ter acontecido no passado, mas não rolou. Muita gente sempre falou que seria boa pra mim e eu acho interessante. É uma luta que casa bem, para mim é perfeito. O Vitor gosta de lutar em pé, e eu gosto também”, analisou o baiano, de 39 anos.

Machida ainda avaliou as chances que tem de subir na categoria fazendo a luta com Belfort no mesmo evento do encontro entre os tops dos médios Ronaldo Jacaré e Kelvin Gastelum.

“Essa luta do Jacaré com o Gastelum é uma luta que está chamando bastante atenção. Pesa bastante no evento. Já treinei com o Gastelum, treino às vezes. É uma luta que todo mundo está esperando, o Kelvin vem de grande vitória. Jacaré é um cara que é brasileiro, está vindo forte novamente. Acredito que vai ser um clássico (com o Belfort) e botaram essa luta junta para movimentar mais a categoria dos médios. Vai movimentar mais a categoria e vai dar um ‘bololô’ para ver quem sai dali para brigar pelo cinturão”, projetou.

Confira outros trechos da entrevista:

– O que está esperando do combate contra Belfort no Rio de Janeiro?

Essa luta é um clássico, poderia ter acontecido no passado, mas por algum motivo, não aconteceu. Ela representa muito para mim. Respeito o Vitor como atleta e pessoa, mas como profissional, a gente precisa encarar isso. Será bom para o público, para o entretenimento e para nós. Sempre quis me testar, gosto de desafios. Vitor Belfort é sempre um desafio. Vamos conseguir fazer um grande show para todos, com certeza.

– De quem foi a ideia da luta? Como surgiu o casamento desse combate?

Na verdade, não pedi nada. Tinha desafiado o Michael Bisping, e até falei que preferiria lutar com alguém de fora, mas sei que esse confronto era inevitável. O UFC veio com a proposta de lutar com o Vitor e não gosto de recusar. Eu cheguei a pedir outro, falaram do Vitor, ele aceitou, então fechamos a luta. Não teve iniciativa da minha parte para isso.

– O que muda de 2013, quando a luta foi especulada, para agora?

Ao meu ver, acho que essa luta continua sendo uma luta que vai entreter muita gente. É perigosa para os dois lados, me sinto bem preparado. Venho treinando bastante, nunca parei. Me dedico muito como atleta e me vejo em grande forma. Espero o mesmo do Vitor. Sempre penso que vou enfrentar o melhor Vitor possível. Um cara mais perigoso. Muita gente, muitas vezes, o desmerece. Além do respeito que tenho pelos atletas, ele é um cara perigosíssimo, pode me dar um trabalho. A recompensa é dar o melhor Lyoto possível.

Confira a entrevista completa:

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade