Jandiroba celebra cinturão do Invicta, elogia organização e projeta UFC: ‘Sonho de todo atleta’

Publicado em 09/04/2018 por: Yago Redua
Jandiroba celebra cinturão do Invicta, elogia organização e projeta UFC: ‘Sonho de todo atleta’ Virna Jandiroba conquistou o cinturão do Invicta e sonha com uma oportunidade no UFC (Foto: Invicta FC)

publicidade

Por Yago Rédua

No último dia 24, Virna Jandiroba conquistou o cinturão peso-palha do Invicta FC, ao vencer Mizuki Inoue por decisão dividida dos árbitros. A brasileira conversou com à TATAME e fez uma análise sobre a batalha de cinco rounds na edição 28 do evento – que é exclusivo para mulheres. A “Carcará” ainda comentou o clima amistoso com a adversária, que chegou a render uma foto após o confronto, nos bastidores da arena em Utah (EUA).

“Acho que foi uma luta digna de cinturão. Mizuki é uma menina muito dura, já fez frente a varias atletas bem ranqueadas. Eu consegui domina-la durante os cinco rounds, apesar da surpresa com a decisão dividida. Acho que legitimou mais a minha vitória. Então, nós já havíamos nos cumprimentado antes da luta e durante toda promoção nos respeitamos. Apesar de não falarmos a mesma língua, expressamos o nosso respeito dentro e fora do cage”, comentou a brasileira, que fez uma projeção sobre o UFC, mas elogiou a estrutura do Invicta e espera defender o cinturão quantas vezes for necessário.

“O UFC é o sonho de todo atleta, espero um dia está entre as atletas da organização. Não sei se será agora. Independente disso, defenderei o cinturão quantas vezes forem precisas. O Invicta é um evento fantástico, acho que elas respeitam muito a personalidade e expressão das meninas. Acho que a habilidade das meninas é o verdadeiro critério de admissão e promoção. E isso é muito justo”, comentou a brasileira.

Faltando menos de um mês para o evento, Janaísa Morandin, que também é brasileira, iria enfrentar Jandiroba. Contudo, após uma lesão, a compatriota precisou deixar o card e abrir espaço para a japonesa. A “Carcará” contou que o período para encontrar uma adversária gerou uma preocupação, mas seguiu os treinamentos forte.

“Gerou uma preocupação em relação a encontrar alguém que a substituísse. Quanto ao treinamento, não. Treinei com meninas striker, com meninas do grappling. Então, estava preparada”, encerrou a baiana, que tem 29 anos e está invicta no MMA profissional.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade