Coluna da Arte Suave: a importância de estar sempre disposto ao ataque no Jiu-Jitsu; confira

    Em seu novo artigo, Luiz Dias fala sobre a importância de sempre atacar no Jiu-Jitsu (Foto reprodução)

    Por Luiz Dias

    “Não importam as circunstâncias, deve-se ter a vitória em mente. Você deve sempre ser o primeiro a atacar.” Sábias palavras de Yamamoto Tsunetomo, que no séc. 17 foi um samurai, monge budista e filósofo japonês. Os seus comentários sobre o Bushido foram compilados no livro Hagakure, um guia espiritual para os antigos samurais, considerado atualmente um dos mais importantes escritos sobre o pensamento nipônico da antiguidade. O livro Hagakure pode ser encontrado em livrarias e bibliotecas. É uma boa leitura.

    Mas essa frase tão positiva deve ser dita mentalmente sempre, assim penso eu. Por vezes, vejo alunos e amigos que, quando vão lutar com oponentes que sabem ou julgam que são superiores, mudam sua rotina, ficam quase que sempre na defensiva, apenas evitando ataques, nem pensam em atacar, encaixar um golpe ou evoluir o seu jogo pra frente.

    Eu penso ao contrário. Acredito que, se eu quero a vitória, eu devo buscá-la. Vencer ou ser derrotado são os dois lados da mesma moeda, então prefiro respirar fundo e buscar a vitória. Quando você apenas pensa em não perder, você já não pensa no “eu vou ganhar!”. Não é um jogo de palavras, é na verdade, ao meu ver, uma maneira diferente de pensar como lutar. Na minha academia, tenho amigos que treinam comigo, me passam o carro e quando visito outras academias, também tenho lutas que são guerras. Essas lutas, para mim, são as que mais me motivam, porque sei que preciso me superar de uma maneira”.

    Sempre quando vou lutar com eles, eu repito para mim mesmo: “Vou finalizar ele!”. Penso em estratégias diferentes, soluções para anular seus ataques. Mas nunca entro pensando, vou resistir ou não bater. Quando se pensa assim, não é visualizada nem a hipótese de uma chance de vencer. Quando sou derrotado, volto e fico pensando, remoendo onde errei, o que fazer, como agir. Creio que, quando o Samurai/monge Yamamoto diz: “Você deve ser o primeiro a atacar”, se refere no sentido de que parta de você a ação, a reação, a vontade de vencer, resistir e atacar, mesmo que as chances não estejam apontando para você, mas é a hora da luta, ali é só você e o seu oponente dentro do tatame.

    Não pense em nada, a não ser como você acha que pode vencer. Levo esse pensamento não somente nos ringues, como na vida pessoal também. Acredito que essa é a melhor maneira de pensarmos na hora da luta. Lutar para vencer, finalizar. Arriscar, ousar um ataque, são grandes motivadores, inspiração na hora da luta. Ficar sempre na zona de conforto ou com medo de perder é um atraso na caminhada na arte suave e pessoal.

    Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Boa semana, bons treinos e até a próxima!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome