Equipe Caarj brilha e conquista o primeiro lugar na Copa Nacional de Jiu-Jitsu da Advocacia; confira

    Copa Nacional entre advogados e estagiários de Jiu-Jitsu aconteceu no último fim de semana, no Rio (Foto Flávia Freitas)

    Entre as 29 equipes de diversas partes do Brasil, a da Caixa de Assistência dos Advogados do Rio de Janeiro (Caarj) foi a grande campeã da Copa Nacional de Jiu-Jitsu da Advocacia, realizada no último sábado (16), no Clube Municipal na Tijuca, Zona Norte do Rio. Os atletas da Caarj conquistaram ao todo 11 medalhas de ouro, seis de prata e seis de bronze. Em seguida ficaram as equipes GFTeam, Gracie Humaitá, Team Moraes e Gracie Barra, em segundo, terceiro, quarto e quinto lugares no quadro de medalhas, respectivamente.

    A competição, organizada pela Caarj em parceria com a Federação de Jiu-Jitsu Desportivo do Rio de Janeiro (FJJD-Rio) e com o apoio da Coordenação Nacional das Caixas de Assistência dos Advogados (Concad), da Faculdade UnyLeya e da Cultura Inglesa, reuniu participantes do Estado do Rio, da Bahia e da Paraíba, e além das competições, teve atrações voltadas ao público infantil, com atividades lúdicas para as crianças presentes.

    O torneio é uma evolução da Copa Caarj de Jiu-Jitsu da Advocacia, realizada em 2017, e vai entrar no calendário esportivo da cidade. Segundo o presidente da FJJD-Rio, Rogério Gavazza, o objetivo é manter a Copa pelos próximos anos. “O Jiu-Jitsu é uma modalidade que cresce em todos os setores e é muito gratificante ver que os advogados estão tirando os seus paletós e gravatas para colocar o quimono e entrar em ação”, disse Gavazza.

    O presidente da Caarj, Marcello Oliveira, ressaltou a importância de se praticar esporte para melhorar a qualidade de vida. “Existem outros caminhos para se melhorar a qualidade de vida. A gente encontra colegas que estão com depressão ou outras doenças psicológicas e, quando entram na luta, essa convivência com outros atletas e advogados ajuda muito”.

    Jiu-Jitsu para todas as idades

    Com competidores de diversas idades dividindo o tatame, o torneio reforçou mais uma vez que não há limite e nem momento certo para se iniciar em um esporte. Irene Uchoa começou a praticar Jiu-Jitsu por incentivo de colegas advogados participantes dos Núcleos de Jiu-Jitsu da Caarj. “Tenho 55 anos e estou nessa há apenas três meses. Entrei graças à Caarj, que incentiva o esporte para a advocacia independentemente da idade”, disse.

    Já o advogado Alexandre Lopes, recém-formado na faculdade, também comemorava a sua participação no evento. “É a primeira vez que participo e gostei bastante, principalmente pela fraternidade entre os advogados e atletas, além da questão física, é claro”, ressaltou.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome