Coluna da Arte Suave: a força cada vez maior das mulheres dentro do Jiu-Jitsu; confira o artigo e opine

    Em seu novo artigo, Luiz Dias fala sobre a força das mulheres no Jiu-Jitsu (Foto reprodução)

    Por Luiz Dias

    Já tem um tempo que as mulheres mostram sua força nos tatames, campeonatos e MMA, e sempre vejo com satisfação essa presença cada vez maior das mulheres nos tatames. Treinando forte, professoras dedicadas, lutadoras competitivas e com muita técnica na nossa arte suave. A garra com que lutam e a vontade de aprender novas técnicas inspiram.

    Progredir no Jiu-Jitsu sempre inspira a puxar uma aula cada vez melhor e, com esse aumento do número de praticantes mulheres na arte suave, até o mercado está se adaptando às exigências das lutadoras. Quimonos com uma diferenciação também nas lycras, são um exemplo. Creio que todos ganham, a aula fica mais leve, mas em nenhum momento o treino perde sua excelência na técnica. Cabe a nós, homens, quando formos treinar com elas, termos cuidados nas pegadas, equalizar nossa força a delas e respeitá-las, acima de tudo, como devemos respeitar a todos nos tatames, sem diferenciação.

    Vejo nelas, muitas vezes, a vontade de ganhar mais latente do que em muitos lutadores. A suavidade delas não abranda sua força e vontade de lutar para finalizar. Essa ideia que o Jiu-Jitsu tira a feminilidade das mulheres acho completamente equivocada. Nos tatames, sempre arranjam um tempinho para “ajeitar o cabelo”, dar uma blitz nas unhas. Mas quando escutam a palavra “combate”, ali estão as ninjas, mirando seu braço, pescoço, etc.

    Temos, como professores e praticantes, sempre que incentivar e ajudar a todas as mulheres que pisam nos tatames em busca de treinos. Vamos equalizar nossas forças com a delas, soltar o treino, treinar com elas, que geralmente tem uma maior elasticidade e sempre são excelentes treinos. Não vejo vantagem, nem acho certo, usar uma força desmedida com uma lutadora. Vamos treinar com atenção, se a finalização imposta por ela encaixar e você não consegue sair, bata sem problemas. Já vi lutadores ficarem incomodados por serem finalizados por lutadoras. Creio que o que finaliza é a técnica utilizada corretamente e não devemos colocar a questão se foi um homem ou uma mulher.

    Infelizmente, já presenciei lutador ficar alterado por ser finalizado por uma lutadora. Eu não gosto de ser finalizado, seja por lutador ou por uma lutadora, e creio que ninguém goste. Mas a partir desse ponto, ser grosseiro com uma lutadora é indesculpável. O erro ou a falha foi do lutador e não dela, pelo contrário. Vejo sempre com satisfação as minhas atletas das faixas branca a preta treinando forte, arriscando e se expondo em movimentos nas lutas. Ao serem finalizadas, voltam com mais foco ainda. Vamos sempre incentivar essas guerreiras. Que a presença das mulheres nos tatames seja algo cada vez maior.

    Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Boa semana, bons treinos e até a próxima!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome