Cara de Sapato chama Derek de ‘frouxo’ e revela conversa com Dana White; saiba

Publicado em 15/08/2018 por: Mateus Machado
Cara de Sapato chama Derek de ‘frouxo’ e revela conversa com Dana White; saiba Embalado, Antônio Cara de Sapato vem de cinco vitórias consecutivas no Ultimate (Foto Getty Images / UFC)

publicidade

Por Mateus Machado

Vindo de cinco vitórias consecutivas, tendo a segunda melhor sequência positiva na categoria peso-médio do UFC, atrás apenas do campeão Robert Whittaker, Antônio Cara de Sapato buscará seu sexto triunfo no próximo dia 22 de setembro, quando enfrentará Elias Theodorou no card do UFC São Paulo, no entanto, até ter seu confronto oficializado, o brasileiro passou por um momento de indecisão que envolveu Derek Brunson, lutador bem ranqueado na lista dos principais nomes da categoria, atualmente na sexta posição.

Cara de Sapato era o nome cotado para enfrentar Brunson no UFC 227, realizado no último dia 4 de agosto, no entanto, com uma lesão no olho, o americano deixou o card em questão. Logo depois, Brunson preteriu o brasileiro e agora vai enfrentar o invicto Israel Adesanya no UFC 230, marcado para o dia 3 de novembro. Apesar de também já ter seu oponente definido, o campeão do TUF Brasil 3 não escondeu sua insatisfação com o fato e, em entrevista exclusiva à TATAME, disparou contra Derek, se dizendo decepcionado.

“Para mim, o que aconteceu e o que ficou claro é que o Derek Brunson é um frouxo. Das últimas cinco lutas, ele perdeu três, a última luta foi uma derrota para o Ronaldo Jacaré e ele sabe que eu poderia complicar a vida dele na parte do grappling, que é o que ele tem de melhor. A gente sabe que ele tem uns nocautes, mas não é um cara técnico… Eu não vejo aquilo, na verdade, como um mérito dele, mas sim a sorte, de ter uma mão pesada e teve alguma sorte com aquela mão esquerda dele. Eu acho que ele viu essa oportunidade de lutar com o Israel Adesanya, que é um cara que não tem grappling, e achar esse espaço para pegar a vitória no duelo. Realmente, fiquei muito decepcionado”, disse o faixa-preta.

Confira a entrevista completa com Antônio Cara de Sapato:

– Indefinição para lutar com Brunson e duelo contra Theodorou

Para mim, o que aconteceu e o que ficou claro é que o Derek Brunson é um frouxo. Das últimas cinco lutas, ele perdeu três, a última luta foi uma derrota para o Ronaldo Jacaré e ele sabe que eu poderia complicar a vida dele na parte do grappling, que é o que ele tem de melhor. A gente sabe que ele tem uns nocautes, mas não é um cara técnico… Eu não vejo aquilo, na verdade, como um mérito dele, mas sim a sorte, de ter uma mão pesada e teve alguma sorte com aquela mão esquerda dele. Eu acho que ele viu essa oportunidade de lutar com o Israel Adesanya, que é um cara que não tem grappling, e achar esse espaço para pegar a vitória. Realmente, fiquei muito decepcionado com isso, porque eu queria lutar com alguém mais ranqueado que eu, até para crescer no ranking, na categoria. Queira ou não, isso influencia em muitas coisas na nossa carreira… Quem vai ser o próximo a lutar, quanto a gente vai fazer de dinheiro e em que lugar a gente vai estar posicionado no card. Eu esperava realmente lutar com um cara mais ranqueado que eu, mas eu também não queria deixar de lutar, e quando me ofereceram o Elias Theodorou, eu aceitei, porque eu queria realmente me manter ativo. Eu disse que aceitaria, mas fiquei triste com a situação de não ser um cara melhor ranqueado que eu. Mas vai ser mais um desafio e a gente vai vencer, esse é o pensamento agora. Cada vitória é importante.

– Injustiçado no Ultimate em relação à sua posição no ranking

O UFC é um business. Eu não sei a forma que eles veem isso, acredito que não seja nada pessoal, mas eu não entendo, até vim para uma reunião com o Dana White na última semana, para procurar entender um pouco mais e pedir um pouco mais de credibilidade nessas coisas, porque eu acredito que tenho muito a oferecer, tanto na parte do business do UFC, na parte de mídia, assim como também na parte do atleta, porque eu acho que tenho muito potencial para ser campeão, eu vou ter o cinturão, eu inclusive falei isso para o Dana, que cedo ou tarde ele vai me dar essa oportunidade. Eu não estou dentro do business de fato, estou ali como atleta, mas eu espero conquistar mais uma grande vitória, mais uma vitória convincente e que essas coisas também possam influenciar na decisão.

– Autoavaliação sobre o ato de se promover atualmente no UFC

Isso é importante. Como eu falei, faz parte do business essa parte da promoção, você saber se promover. De certa forma, você está chamando a atenção, você tem material na mídia. Eu também acredito que tenho potencial na mídia. Fui campeão do TUF Brasil no peso-pesado, sendo que sou peso-médio, nunca fui um pesado de fato. O carinho do público brasileiro também é enorme por mim, eu tenho uma nação por trás de mim, que sempre me apoia. Isso deveria ser relevante para eles (UFC), mas não sei porque não está sendo, não sei exatamente o que acontece no business do UFC, de fato. É um ano onde estão acontecendo muitas mudanças, a gente sabe que essa questão da promoção é importante e eu estou disposto a certas coisas, a estar envolvido e fazer o business do UFC crescer também. Porém, claro que eu jamais mudaria minha personalidade e seria outra pessoa, porque eu quero fazer história e deixar um legado. Quero ser um exemplo.

– Análise da luta contra Theodorou e confiança no jogo de chão

Eu acho que o Elias Theodorou é uma luta difícil para todo mundo pelo estilo de luta dele. É um estilo bem diferente, é um cara nada ortodoxo, soca com uma mão e chuta com o mesmo lado, do nada te agarra. Eu não duvido nada ele querer me agarrar, que é algo que a maioria dos meus adversários foge, ele eu acredito que não vai fugir, e isso, de certa forma, me favorece. Fica um pouco imprevisível e acho que esse é o ponto forte dele, ser imprevisível. Mas eu não vejo grande perigo, não vejo ele como um lutador técnico e nem com muitas habilidades. É um atleta completo, que faz de tudo um pouco, mas que deixa muitas brechas no jogo dele e eu vou usar isso para fazer o meu jogo. Eu quero sempre, em todas as minhas lutas, e eu vou fazer isso, colocar para baixo, ir para as costas e finalizar. Eu sei que estou pronto para fazer isso com qualquer oponente da categoria.

– Desejo por mais uma luta esse ano e ‘GP dos Médios’ no UFC 230

Depois desse combate, eu quero muito fazer mais uma luta esse ano. Eu não sei o que vai acontecer, porque na verdade, todos da minha categoria no Top 10 já estão escalados para um ‘GP’ no dia 3 de novembro, em Nova York, então fica um pouco difícil, de repente, de lutar com eles. Eu adoraria fazer uma luta, mas não sei exatamente o que vai acontecer. Quero ganhar esse duelo contra Theodorou e dia 3 eu quero estar lá vendo todos esses possíveis adversários, vendo o Derek Brunson, Israel Adesanya, David Branch, Chris Weidman, Luke Rockhold, Paulo Borrachinha… Todos esses nomes estão na minha lista, porque eu quero lutar contra um deles. Esse é o meu objetivo e, se não for esse ano, vai ser no ano que vem. Vamos sair com a vitória agora em setembro e vamos partir pra cima.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade