Patrício Pitbull confirma defesa de cinturão no Bellator e garante: ‘Certo que a luta acaba rápido’; confira

Publicado em 17/08/2018 por: Mateus Machado
Patrício Pitbull confirma defesa de cinturão no Bellator e garante: ‘Certo que a luta acaba rápido’; confira Patrício Pitbull manteve o cinturão peso-pena em luta contra Emmanuel Sanchez (Foto reprodução Instagram)

publicidade

Por Mateus Machado

Atual campeão peso-pena do Bellator, Patrício Pitbull já tem definido o seu próximo adversário. O brasileiro vai enfrentar Emmanuel Sanchez no dia 15 de novembro, na cidade de Tel Aviv, em Israel. A informação foi confirmada pela TATAME com fontes próximas à situação. Com 31 anos e um cartel de 27 vitórias e apenas quatro derrotas no MMA, o potiguar vai para sua segunda defesa de título desde que recuperou o posto de detentor do cinturão, no ano passado, quando superou Daniel Straus no Bellator 178.

Vindo de triunfo sobre Daniel Weichel, no último dia 14 de julho, pelo Bellator 203, Patrício destacou o bom ritmo como fator importante para manter sua sequência positiva na organização. Além disso, o Pitbull afirmou que “devia” uma luta para o público israelense.

“A expectativa é a melhor de todas. Estou bem preparado, porque acabei de lutar e fazer essa luta agora vai ser bom, pois estarei no ritmo. Estou devendo essa luta para o público de Israel, porque eu ia lutar lá em novembro do ano passado, contra o Daniel Weichel e acabou que eu saí da luta, por conta de uma lesão, e esse duelo só aconteceu agora, em Roma. Então, eu pedi para o Bellator que, se possível, me colocasse para lutar em Israel e eles atenderam o meu pedido”, afirmou o campeão, em entrevista exclusiva à TATAME.

Adversário de Patrício, Sanchez contabiliza 17 resultados positivos e três reveses em sua carreira. O lutador, de 28 anos, vem de quatro vitórias consecutivas, a última delas sobre Sam Sicilia, em abril, pelo Bellator 198. Ao fazer a análise do oponente, o brasileiro destacou as qualidades de “El Matador”, porém, ressaltou sua superioridade e evolução.

“Ele me lembra um pouco o Tony Ferguson (lutador do UFC). É um cara elétrico, muito dinâmico em pé, tem muita vontade de bater e com um Jiu-Jitsu fino. Acho que vai ser uma luta boa, mas ele não consegue ser melhor do que eu em nada. Meu jogo está muito bem fechado e tem pouquíssimas brechas, olhe lá se tiver brechas… Estou sendo pouco acertado nas lutas e ainda estou aprimorando, evoluindo todos os dias. Acho que é certo dizer que essa luta acaba rápido”, concluiu o potiguar, líder da equipe Pitbull Brother.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade