Com irmãos Miyao representando o Brasil, Mundial de Grappling começa nesta quinta-feira (6); saiba mais

Publicado em 06/09/2018 por: Mateus Machado
Com irmãos Miyao representando o Brasil, Mundial de Grappling começa nesta quinta-feira (6); saiba mais Estrelas do Jiu-Jitsu, irmãos Miyao representarão o Brasil no Mundial de Grappling (Foto reprodução Instagram)

publicidade

Por Diogo Santarém

Marcado para acontecer entre os dias 6 e 9 de setembro, em Astana, no Cazaquistão, o Campeonato Mundial de Grappling, organizado pela United World Wrestling (UWW), é um evento de marca internacional que reúne disputas com e sem quimono, divididas em categorias de peso. Além disso, em 2018, coloca russos, americanos, brasileiros e atletas de outros países, como o anfitrião, em duelos eliminatórios. Para a edição atual, o Brasil conta com a presença de peso dos irmãos Paulo e João Miyao, estrelas do Jiu-Jitsu.

Além de João e Paulo, que competem nas divisões até 62kg e 66kg, Gi e No-Gi, respectivamente, o Brasil também está representando pela faixa-preta Caroline de Lazzer Cardoso, que entre as mulheres, vai entrar em ação na categoria acima de 71kg. Ao todo, 23 países diferentes vão marcar presença no campeonato, que começa nesta quinta-feira.

Saiba como acompanhar o Mundial de Grappling, aqui
Confira todas as chaves e os lutadores inscritos, aqui

Pouco conhecido entre o público que é fã da luta agarrada, o Mundial de Grappling conta com bons atletas de países da Europa e da Ásia Central. As regras do torneio são muito semelhantes às que você encontra na maioria dos torneios da modalidade, no entanto, com algumas pequenas diferenças. Possivelmente, a maior delas é que os ataques na perna não são penalizados. Com isso, golpes como chave de joelho, chave de pé, raspagens, entre outros, são permitidos, apenas com a chave de calcanhar sendo proibida nos combates.

Marcos Santa Cruz fala sobre o Mundial 

Com uma história repleta de grandes feitos e títulos no Jiu-Jitsu e no MMA, Marcos Santa Cruz hoje se dedica a espalhar seu conhecimento pelo mundo e, ao receber o convite para ensinar luta agarrada em Abu Dhabi, sua vida mudou. O experiente faixa-preta passou a dar aulas de Jiu-Jitsu e Wrestling na capital dos Emirados Árabes, tornando-se referência.

Além da conquista de inúmeros torneios da UAEJJF, “Marcão” segue diretamente envolvido com as artes marciais. Fora dos tatames, Santa Cruz vem rodando o mundo para divulgar, através da sua experiência, o grappling. Tal trabalho o levou também para uma área mais política e, recentemente, o brasileiro passou a estar envolvido diretamente na Federação Internacional de Grappling, que vem com planos ambiciosos para a evolução da modalidade, inclusive com a intenção de organizar um Mundial de Grappling no Brasil.

“Esse ano, o Cazaquistão vem realizando os maiores torneios de grappling do mundo, como o Asiático e o Mundial. Eles vêm dando muito apoio ao esporte. Nos Estados Unidos, o National de grappling vem sendo muito disputado, já vem forte há alguns anos com o NAGA, Grappling Quest e o Arnold Classic. Aqui no Brasil, ano passado, tive algumas reuniões com o Ministro dos Esportes, junto com Rogério Sampaio e as deputadas federais Maria Helena e Laura Carneiro, para que possamos realizar o Campeonato Mundial de Grappling, em 2019, no Brasil”, disse o experiente faixa-preta em entrevista à TATAME.

“A estrutura vem acompanhando o padrão da Copa do Mundo de Wrestling, um verdadeiro show! As regras, basicamente, se assemelham muito com o nosso Jiu-Jitsu, sendo que se você puxar para a guarda, tem 30 segundos para raspar ou pegar, se isso não acontecer, fica como se você estivesse fugindo da luta em pé, e aí você toma dois pontos de punição”.

Campeão mundial de grappling em 2009 pela seleção brasileira e hoje membro do Comitê Internacional, “Marcão” encerrou citando a sua expectativa para o evento: “Estamos trabalhando há alguns anos para chegar nesse patamar, então temos grandes expectativas e esperamos que seja um grande show. Nosso objetivo final é a inclusão do grappling nos Jogos Olímpicos dos Estados Unidos ou França. Com isso, termos a tão sonhada oportunidade de vermos nossos grandes atletas do Jiu-Jitsu lutando nas Olimpíadas”.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade