Serginho ‘topa’ luta com Demian e avisa: ‘Se acontecer, vou treinar com o Gurgel’

Publicado em 04/10/2018 por: Yago Redua

publicidade

Por Diogo Santarém e Gabriel Carvalho

Dono de um Jiu-Jitsu extremamente afiado, Serginho Moraes teve uma atuação de gala no UFC São Paulo, realizado no último dia 22 de setembro, e fez explodir o Ginásio do Ibirapuera. Em coletiva de imprensa após o evento, o peso-meio-médio, que finalizou Ben Saunders, ao ser indagado se lutaria com Demian Maia, disse que seria uma “honra” e afirmou que iria para a capital paulista treinar com Fábio Gurgel, general da Alliance.

“São épocas diferentes, mas quem sabe. O UFC já protagonizou no TUF luta de atletas de épocas diferentes. Era eu e o (Delson) Pé de Chumbo. Ele bateu. Pra mim é uma honra lutar com o Demian. Se a luta for marcada, eu venho para São Paulo treinar com o Fábio Gurgel. Vai ser só chão. Vamos fazer um chão bem bonito (risos)”, destacou Serginho.

Entre os assuntos abordados durante a coletiva, o faixa-preta comentou sobre o fato do adversário, Ben Saunders, pedir explicação da finalização após a luta. Além disso, destacou a força que tem no jogo de chão e garantiu que merece lutar contra um top da categoria.

Confira abaixo a entrevista com Serginho Morares na íntegra:

– Versatilidade do jogo de chão

Eu fico meio chateado às vezes, porque as minhas lutas ficam em pé e todo mundo sabe que não é a minha modalidade principal. Mas eu venho treinando duro em Curitiba para isso. Eu luto em qualquer área. Eu já ganhei muito atleta que está no Top 5 e até finalizei. Quando um atleta faz a minha luta de chão, sou capaz de finalizar qualquer um. O Ben Saunders é um cara rodado e nunca foi finalizado. Opa! Hoje foi esse dia (risos).

– Evolução constante na trocação

Hoje em dia, eu sei que em muitas vezes a luta não vai para o chão. Eu tinha que mostrar uma melhora na parte em pé. Eu me cobrei isso. Eu perdi a final do TUF por não ter trocação. Eu brigava igual um maloqueiro, briga de escola, né (risos). Hoje, tenho consciência do que eu estou fazendo em pé. É diferente. Aprendi que tenho uma evolução na parte em pé, sou capaz de trocar com qualquer um, que são profissionais, strikers. Agora, eu quero ver quem é capaz de fazer um chão comigo também. Ah, quero ver.

– Conversa pós-luta com Ben

Ele é um atleta confiante no chão, mas há atletas de chão e de chão, né. Tem quem saber com quem ele luta. Se for comigo, vai perder. Eu não perco posição. Não sou um cara de ficar pontuando. Eu dei dois botes na luta. No primeiro, ele quase bateu, acabou o tempo. No segundo, ele bateu. Ele (Ben Saunders) falou: ‘Você é muito justo, não é à toa que você é três vezes campeão mundial’. Ainda disse que ia treinar comigo. Falei que poderia vir.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

VIVA O JIU-JITSU! Pela primeira vez finalizado em sua carreira no MMA, @bensaundersmma foi até @serginhoalliance depois da luta e pediu para o brasileiro lhe explicar a posição. O faixa-preta, tricampeão mundial, fez um passo a passo detalhado com o americano no chão. Parabéns aos atletas! Oss! (?️ @andredida) . ? www.tatame.com.br⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #UFC #Ultimate #UFC25Years #ufcfightnight #ufcfightnight137 #ufcnatatame #ufcsp #ufcsaopaulo #tatame #mma #mmalife #mmafighter #luta #fight #fighter #boxe #boxer #boxing #muaythai #muaythailife #muaythaifighter #jiujitsu #bjj #brazilianjiujitsu #blackbelt #jiujitsulife #jiujitsulifestyle #bjjlife #fighting

Uma publicação compartilhada por Revista TATAME – (@tatameoficial) em

– Chance de treinar com Saunders

Eu estou pegando o WhatsApp dele aí, eu não sei (risos). Estamos solteiros, pode ser que role (risos). Eu não curto muito essa troca, eu sou um cara que visto muito a camisa da minha equipe. O Corinthians não treina no Palmeiras, que não treina no São Paulo. Não faz sentido eu ter um time e treinar na sua casa. Acho que você confia naquilo que acredita. Eu não vou na academia dele treinar, se ele quiser ir na minha, eu acredito que o (André) Dida não abra espaço para camp. Ou ele se torna atleta da Evolução Thai ou não treina.

– Busca por um rival do Top 15

Espero lutar com um cara que esteja no ranking. Não estou aqui pedindo porque eu preciso, mas sim porque eu mereço. Sempre fiquei quieto, até quando fiz lutas que eu não gostei. Eu já lutei com um Top 5, o Neil Magny, que ia lutar com o Cowboy e eu finalizei. Eu só perdi uma vez. Tenho mais de dez lutas desde então, mereço estar entre os tops.

– Desprestigiado pelo Ultimate

Não me sinto desprestigiado. Mas eu sinto que o UFC gosta de atletas que lutam pra frente. Acho que foi a melhor maneira para eu provar isso. Não é que eu lute pra trás, mas eu saio da minha zona de conforto, para fazer a luta dos outros. Quero ver quem vai fazer a minha luta. Muitas vezes a luta vai para o chão e o atleta pede para levantar. Eu levanto, vou para cima e ganho a luta. Quem vai fazer chão comigo? Tem atletas que lutam por pontos e outros que lutam para ganhar. Quero que o UFC veja isso, que eu luto pra frente.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade