Nome histórico do Judô nacional, Sensei Georges Mehdi morre no Rio de Janeiro aos 84 anos de idade

Sensei Georges Mehdi morreu aos 84 anos no Rio de Janeiro após dedicar sua vida ao Judô (Foto divulgação)

Na última terça-feira (6), o Sensei Georges Mehdi, 9º Dan de Judô, faleceu no Rio de Janeiro, aos 84 anos. O francês naturalizado brasileiro chegou ao país na década de 1950 e dedicou 75 anos de sua vida ao aprendizado, aperfeiçoamento e ensinamento da arte.

O faixa-vermelha foi o criador da tradicional academia Mehdi Judô, localizada no Rio de Janeiro, e também morou no Japão por dez anos, onde foi para evoluir suas habilidades. Nos Jogos Pan-Americanos de São Paulo, em 1963, e Winnipeg (CAN), em 1967, na classe absoluta, conquistou as medalhas de prata e bronze, respectivamente, lutando pelo Brasil.

Além disso, o Sensei ainda atuou como técnico da Seleção Brasileira de Judô em entre 1960 e 1970. Depois, participou da formação de atletas como Flávio Canto, medalhista olímpico em Atenas 2004, e Sebastian Pereira, bronze no Mundial de Birmingham, 1999.

Nomes importantes do Judô dividiram o tatame com o Sensei Mehdi, casos de Masahiko Kimura, Isao Okano e Anton Geesink. Em 1950, o Sensei teve seu primeiro contato com a família Gracie. Posteriormente, treinou com Rickson Gracie, Sylvio Behring, entre outros.

2 COMENTÁRIOS

  1. Homenagem a Medhi…
    Recordo-me de nossos Shiais que fazíamos no Ginásio Portuário, onde eramos 3° Dan e em sua Academia em Ipanema, onde foram realizados encontros de conhecimentos técnicos e curso de atualização de Judô, após o seu retorno do Japão, da casa do prof. Okano. Fomos muito amigos, e treinávamos muito na Academia do prof. Augusto Cordeiro, em Copacabana.
    Medhi deixa-nos recordações dos tempos que não voltam mais…
    Aqui deixo meus nobres sentimentos à familia e saudades eternas de seu amigo.
    Mestre Antônio Vieira.

  2. Para mim uma homenagem ao nosso Shihan do Brasil!!
    É com imenso orgulho e pesar que expresso meus sentimentos a essa pessoa ícone de nosso esporte, tendo dedicado sua vida a “Doutrina da Suavidade”, feito nenhum outro no Brasil. Sua dedicação era incomparável, sua técnica tanto na parte de Nague e Ne-Waza era comparável a um Maestro em sua Orquestra. George Medhi estava em um patamar bem acima de seus contemporâneos, logicamente não desmerecendo nenhum outro Grande Mestre. Conheci Grandes Mestre de sua Geração e um pouco dos anteriores a ele, como: Mestres Augusto de Oliveira Cordeiro, Antônio Alves, Antonio Kroff, Marujo, além dos japoneses: Nagashima, Oguino e de nome: Katayama e o Grande Ogawa, entre outros. Foi através de um Grande amigo Oswaldo de Sá Leitão (amigo de toda família Gracie), que tive o prazer de conhecer os Mestre da Academia Cordeiro, com a morte do meu primeiro Prof. Mestre Marujo. Mas todos nós sabiamos que George Mehdi erá único. Seu Dojô era mais limpo que uma cama, seu código de ética eram comparável aos japoneses e por fim seu conhecimento era a de uma enciclopédia, Doutor Judô, assim o chamava carinhosamente. Meus sentimentos a todos que conviveram com ele, e que esteja na presença de DEUS, amém.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comente
Seu nome