Presidente da AGLO exalta realização do Grand Slam no Rio: ‘O legado olímpico busca essas situações’

    Paulo Márcio, presidente da AGLO, com Tareq Al Bahri, diretor geral do Grand Slam, no Rio (Foto: Carlos Arthur Jr)

    A Arena Carioca 1, no Rio de Janeiro, recebe a etapa do Grand Slam da UAEJJF. Paulo Márcio Dias Melo, presidente da AGLO (Autoridade de Governança do Legado Olímpico), comentou sobre a oportunidade de, mais uma vez, sediar o evento internacional.

    “Ano passado já teve uma edição do Grand Slam, que foi muito bacana e um sucesso. Tenho certeza que essa será melhor ainda e a intenção é que a cada ano seja mais aperfeiçoado. Os eventos internacionais que tem acontecido aqui dentro do Parque Olímpico são de extrema importância, porque atraem um público muito grande. Acho que o objetivo é esse. O legado olímpico busca essas situações”, disse o presidente, que seguiu:

    “Quanto mais aumentarmos, principalmente com o Jiu-Jitsu, que é um esporte que esperamos ver nas Olimpíadas, temos um papel importante neste processo todo de divulgá-lo. Tivemos diversos eventos durante 2018 relacionados as lutas, que a gente sempre procura trazer pra cá. São modalidades distintas, temos aqui o Minotouro e o Minotauro, temos projetos com crianças carentes. Isso é muito legal”, apontou.

    É especulado que Ministério do Esportes seja fundido com as pastas da educação e cultura a partir de 2019. O presidente da AGLO discorda da atitude e espera que a decisão não siga adiante: “Eu acho que isso é um equívoco que estão fazendo. O esporte precisa ter um ministério, talvez entendam isso lá na frente, porque o esporte não pode ser prejudicado. O esporte avançou muito. Sou contra essa fusão, não é o ideal para o esporte. Mas eu tenho certeza que o futuro governo, lá na frente, tendo consciência que isso não evoluiu, volte atrás. Tenho esperança que seja mantido o Ministério do Esporte”, encerrou.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome