Da ‘vaquinha online’ ao vice-campeonato mundial de Kickboxing: conheça a história de Diego ‘Jones’

Publicado em 09/11/2018 por: Mateus Machado
Da ‘vaquinha online’ ao vice-campeonato mundial de Kickboxing: conheça a história de Diego ‘Jones’ Diego Jones fez grande campanha na Itália e foi vice-campeão mundial de Kickboxing (Foto arquivo pessoal)

publicidade

Por Mateus Machado

Superação, incertezas, tristezas, vitórias, títulos e a consagração. Não necessariamente nesta ordem, Diego Soares “Jones” passou por um misto de sentimentos e conquistas ao longo dos últimos anos. Com uma história de vida marcada por barreiras ultrapassadas, o carioca conquistou uma vaga para disputar o Mundial de Kickboxing ao ser campeão no evento WECL, que promoveu seletivas com vagas para o grandioso torneio da modalidade.

Com título e vaga conquistados, Diego, então, precisou superar mais uma barreira. De origem humilde, o lutador não tinha recursos necessários para viajar à Roma, na Itália, sede do Mundial. Desta forma, organizou uma vaquinha na internet que foi essencial para a realização do seu sonho, além de outros tipos de contribuição que recebeu como ajuda.

O sonho virou realidade e Diego Jones fez bonito. O lutador entrou em ação no último final de semana (dias 3 e 4) e tornou-se vice-campeão mundial, fazendo a melhor luta da noite em sua campanha, que foi até a grande final. Em entrevista à TATAME, o atleta falou sobre a emoção de disputar o torneio após tudo o que aconteceu e celebrou sua participação.

“Foi uma emoção muito grande. A minha ficha ainda não tinha caído, mesmo com as passagens, seguro viagem e passaporte em mãos. A minha ficha só foi cair quando eu cheguei no alojamento, deitei na cama e disse para mim mesmo: ‘eu estou em Roma, cara’ (risos)”, relatou Diego, que fez uma análise de sua participação no Mundial de 2018.

“Tive lutas muito duras, e enfrentei caras bem fortes. A minha grande dificuldade foi ao enfrentar os russos, que pareciam estar bem acima da minha categoria de tão fortes que eles são (risos). Não quero saber de enfrentar os russos por um bom tempo (risos). Acho que na final faltou um pouco de gás no fim do terceiro assalto, mas, ainda assim, fui até o final da luta, e ganhei a premiação de melhor luta da noite”, disse o carioca, que mostrou gratidão ao seu mestre, Baioneta, pelas lições aprendidas ao longo de sua trajetória.

“Meu mentor e mestre baioneta sempre me diz: ‘Seja lá qual for o tamanho do seu sonho, nunca deixe de tentar realizá-lo. Procure andar e confiar nas pessoas certas, faça o certo para que aconteçam coisas boas em sua vida e lembre-se, tenha sempre um sorriso no rosto’. É essa a lição que eu levo. Meu próximo passo é ser campeão mundial na França e depois voltar para a Itália e fazer mais uma disputa de cinturão”, concluiu a fera, que tem vaga garantida para a disputa do próximo Mundial da modalidade, no ano que vem.

Mestre de Diego explica origem da ‘vaquinha’

Diego foi campeão no evento WECL e recebeu a chance de disputar o Mundial  (Foto arquivo pessoal)

Professor de Diego Jones, José Aparecido Baioneta foi o responsável por incentivar o lutador a organizar uma vaquinha online para, assim, recolher recursos para a disputa do Mundial de Kickboxing. Com a ideia consolidada e com Diego, posteriormente, tendo êxito em sua meta, Baioneta explicou como surgiu a ideia do “projeto” para levar seu pupilo à Itália.

“Depois de procurar alternativas de angariar fundos para pagar a passagem aérea, surgiu a ideia da vaquinha pela internet. O Diego já estava no seu segundo cinturão conquistado nas seletivas do Mundial pela WECL, e não apareciam patrocinadores que pudessem ajudar a bancar os altos custos da viagem. Algumas pessoas se solidarizaram e contribuíram, o que foi muito bem-vindo. Fizemos um exame de graduação, cujo valor arrecadado foi entregue a ele, mas mesmo assim, ainda faltava bastante dinheiro, e eu convivia com essa ansiedade e frustração do Diego e, consequentemente, eu não poderia deixar de tentar ajudá-lo a realizar esse sonho. Com certeza, a vaquinha pela internet fez toda a diferença”, afirmou Baioneta, que fez elogios ao seu atleta.

“O Diego tem uma história de vida de grande superação. Ele é um sobrevivente, igual a tantos outros brasileiros que escolheram as artes marciais como meio de vida, treinando, lutando e dando aula, se afastando, assim, de um caminho ruim. O Diego é extremamente focado, trabalha sério, treina duro. Ele já vinha se preparando há alguns meses, não da forma ideal, pois ele dá aula o dia todo, para obter seu sustento. Mas eu tinha certeza que a performance dele seria muito boa. Ele foi para lutar Kickboxing, mas apareceu vaga para MMA, e ele se inscreveu. A primeira luta já pegou pela frente um ucraniano, e venceu por finalização, e os próximos oponentes foram russos, e todo mundo sabe a pedreira que os caras são, e foi assim até a final, sagrando-se vice-campeão mundial nas duas categorias, e ainda teve uma luta considerada a melhor da noite. Mas queria deixar registrado aqui o papel fundamental dos atletas/professores Marcelo (Team Mutaru) e Bruno Favela, que fizeram o corner do Diego, orientando e incentivando. Meus agradecimentos especiais ao mestre André Rouberte, que graças ao trabalho desenvolvido como representante da WECL no Brasil, abriu as portas para nossos atletas lutarem eventos desse nível”, encerrou.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade