Em sua primeira luta internacional, brasileira exalta disputa de título no LFA: ‘Mais um passo rumo ao UFC’

Publicado em 15/11/2018 por: Mateus Machado
Em sua primeira luta internacional, brasileira exalta disputa de título no LFA: ‘Mais um passo rumo ao UFC’ Com sete vitórias no MMA, Carol nutre o sonho de lutar no UFC futuramente (Foto Wagner Santana)

publicidade

Por Mateus Machado

Faixa-preta de Jiu-Jitsu e faixa-roxa de Sanda, Carol Yariwaki deu seu pontapé inicial no MMA profissional há apenas dois anos. O começo, como não poderia ser diferente, foi repleto de dificuldades até se adaptar à modalidade. Desde então, a paraense contabilizou sete vitórias e duas derrotas em seu cartel, e nesta sexta-feira (16), a casca-grossa tem a maior oportunidade de sua carreira no esporte lutando pelo Legacy Fighting Alliance.

Carol faz sua primeira luta internacional em disputa cheia de responsabilidades. A brasileira tem pela frente a campeã peso-mosca Sabina Mazo no duelo principal do LFA 54, que acontece na Califórnia, Estados Unidos. Ciente da difícil missão pela frente, a lutadora mostrou tranquilidade ao falar sobre o importante combate e afastou qualquer pressão.

“Toda luta encaro como se fosse apenas mais um dia de trabalho, mais um passo que estou dando rumo ao UFC. Sei da grandeza e importância do LFA para a carreira de qualquer atleta. Estou bem confiante na estratégia que toda minha equipe está montando para a luta”, disse a brasileira, de 31 anos de idade, em entrevista exclusiva à TATAME.

Confira a entrevista na íntegra com Carol Yariwaki:

– Chance de fazer a primeira luta internacional

Essa oportunidade surgiu do meu empresário. Eu mandei uma mensagem para ele, querendo tirar umas dúvidas que eu tinha sobre eventos, daí ele acabou falando que tinha surgido uma oportunidade de lutar o LFA e que tinha me indicado, então ele acabou fechando essa grande oportunidade, que é fazer o duelo pelo cinturão. As expectativas são grandes e são boas, porque sabemos o peso do evento e da luta para a minha carreira.

– Análise da carreira no MMA e sua evolução

Comecei a lutar profissionalmente em 2016, passando por altos e baixos, como todo atleta. Cheguei a perder duas lutas por não ter me achado ainda no MMA, não ter uma estratégia definida, entre outras coisas. Hoje em dia eu já estou com outra cabeça, com outros tipos de treinos. Precisei viajar por alguns lugares, fazer parte de algumas equipes de renome para me aprimorar cada vez mais e, atualmente, creio que estou preparada mentalmente e fisicamente para um grande desafio como esse que surgiu de fazer a luta principal no LFA.

– Análise da sua rival e campeã Sabina Mazo

Sim, trata-se de uma grande atleta, já vi algumas lutas dela. Tem bons nocautes e é uma boa striker. Tenho aprimorado bastante a minha trocação, tenho mais experiência de lutas, pois fiz muitas lutas duras contra boas adversárias e acredito que ela não enfrentou alguém ainda como eu. Sei que ela é boa também de Jiu-Jitsu, mas acredito que meu Jiu-Jitsu é melhor para anular o jogo dela de trocação, então, vamos definir isso no cage.

Carol Yariwaki disputará o cinturão diante da campeã Sabina Mazo (Foto Wagner Santana)

– Maiores inspirações dentro do MMA feminino

Jéssica Bate-Estaca, Rose Namajunas, Joanna Jedrzejczyk e Amanda Lemos. Rose e Joanna porque, apesar de não conhecer pessoalmente, são grandes lutadoras de MMA, com um jogo sólido e, do pouco que conheço, guerreiras. Jéssica e Amanda eu já pude conhecer pessoalmente e convivo com a Amanda diariamente nos treinos. São grandes exemplos em meio a dificuldade do nosso país, que conseguem se destacar e fazer um ótimo trabalho.

– Estilo de luta e sonho de chegr ao Ultimate

Gosto de estar o tempo todo treinando em alto rendimento, sempre aprimorando minha trocação, o meu Jiu-Jitsu, meu Wrestling, assistindo lutas para aprender e me envolver cada vez mais com o MMA. Meu plano no MMA é lutar no UFC e ser uma grande representante do Brasil no MMA. Se Deus quiser, também ser a dona do cinturão do UFC.

– Pressão de disputar um título internacional

Toda luta encaro como se fosse apenas mais um dia de trabalho, mais um passo que estou dando rumo ao UFC. Sei da grandeza e importância do LFA para a carreira de qualquer atleta. Estou bem confiante na estratégia que toda minha equipe está montando pra luta.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade