Alan Nuguette revela criação de ‘personagem’ para decolar no UFC em 2019: ‘No business, no money’

    Nuguette citou perfil de lutadores que são valorizado e prometeu criar um personagem (Foto: Getty Images)

    Por Yago Rédua

    Há cinco anos no UFC, Alan Nuguette viu no último mês de outubro, no UFC 229, a sequência de três vitórias seguidas ser interrompida após ser nocauteado por Scott Holtzman. Ainda sem um adversário em mente para o próximo compromisso, o manauara promete um “personagem” a partir de 2019 para explodir dentro da organização.

    “Hoje em dia, o que vende não é o cara ser legal e gente boa. É o cara ser bad boy, falar bastante besteira e resolver as coisas lá no octógono rápido. Espero que na nova roupagem do Nuguette em 2019, quem me conhece sabe quem eu sou, mas vou fazer o meu personagem e vamos chegar nas cabeças. As matérias vão ser bem mais picantes (risos), mas é o trabalho. Fazer o que? ‘No business, no money'”, revelou à TATAME.

    Nuguette, que atualmente mora nos Estados Unidos e treina na X-Fusion com Ronaldo Jacaré, disse que tem aproveitado o período no Brasil para visitar diversas academias. O faixa-preta de Jiu-Jitsu afirmou que quer voltar mais “perigoso” no próximo embate.

    “Eu estou voltando as minhas raízes, ao Jiu-Jitsu. Estou visitando a Tata Fighting Team, já fui na Nova União, na Gardênia, Niterói. Estou dando essa rodada, pegando um pouquinho de experiência em cada lugar para voltar e impor o meu jogo novamente. Quero voltar com o Nuguette perigoso, indo para cima e botando para baixo. Tentando ser mais agressivo”.

    Polêmica do UFC 229

    A histórica rivalidade entre Khabib Nurmagomedov e Conor McGregor no UFC 229, realizado em outubro deste ano, teve momentos caóticos na T-Mobile Arena, em Las Vegas (EUA). Após derrotar o “Notorious”, “The Eagle” pulou do octógono para agredir Dillon Danis, treinador de Jiu-Jitsu do irlandês, e deu início a uma confusão generalizada. Nuguette, presente no card, saiu em defesa do russo, atual campeão dos leves.

    “O Khabib foi um gentleman, na verdade, porque ele aguentou muita coisa, para estourar só final. Tem muita coisa nos bastidores, que muitas pessoas não sabem. Só a gente que estava ali, que sabe mesmo. O cara (Dillon Danis) tinha o provocado, depois foi fazer uma graça. O Khabib estava no limite, ele é um ser humano e estamos propensos a acertar e errar. Não vou dizer que ele acertou ou errou, mas o Khabib teve atitude de homem. Eu sou homem também. Quer brincar com homem?”, encerrou Alan Nuguette.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome