Embalado, Rani Yahya aposta em combate com Simon no UFC 234 indo para o chão e diz: ‘Luta boa pra mim’

    Rani Yahya vem de três vitórias seguidas no UFC e todas usando o Jiu-Jitsu (Foto: Getty Images)

    Por Diogo Santarém e Yago Rédua

    Em alta no Ultimate com três vitórias seguidas, Rani Yahya encara o primeiro desafio em 2019 neste sábado (9), pelo UFC 234, na Austrália. O compromisso do faixa-preta de Jiu-Jitsu será Ricky Simon, que é ex-campeão do LFA, no entanto, irá apenas para a terceira luta dentro da franquia. Em bate-papo com a TATAME, o lutador fez uma análise do rival.

    “Ele é um wrestler que gosta da trocação. Não é um wrestler de calibre muito alto. Eu já treinei com atletas do Wrestling de nível mais alto e consegui derrubar, cair por cima e desenvolver o meu jogo. A tendência é que essa luta vá para o chão, que é a área que eu me sinto confortável. E na trocação estou muito afiado. Provavelmente, ele tente se manter em pé, apesar de acreditar que ele não vá fugir das características dele, que ele faz em todas as suas lutas, que é tentar derrubar e ir para o chão. Mas ele pode querer usar essa estratégia de se manter em pé. Mas eu me vejo me dando bem, porque é um casamento de luta muito bom pra mim”, analisou o brasileiro, que finalizou as três últimas lutas.

    Além disso, Rani, atualmente na 15ª posição do ranking dos galos, disse que esperava um adversário ranqueado, porém, valorizou o fato de Simon ser ex-campeão do LFA – que revela diversos atletas para o próprio UFC. O brasileiro comentou sobre o camp na ATT, a chance de lutar no mesmo card que Anderson Silva e qual lutador gostaria de desafiar.

    Confira a entrevista na íntegra abaixo:

    – Jogo de trocação mais afiado

    Eu fiz somente um treino aqui na Austrália, com o Peter Hatton, mas ele me deu uns toques bons. Na verdade, eu tô treinando trocação há bastante tempo. Treino numa equipe de Kickboxing lá em Brasília, na RKT, que tem excelentes atletas de Kickboxing do Glory. Aí, eu fui para American Top Team fazer meu camp como eu sempre faço. Lá, eu tenho excelentes treinadores na trocação, como o Anderson França, que é treinador da Amanda (Nunes) e do Edson (Barboza), o Macarrão, Katel… Todo esse pessoal é muito bom. Eles estão me ajudando, então, eu tô pronto para surpreender na trocação também.

    – Chance de vencer por finalização

    Eu sempre entro sabendo da possibilidade de finalizar. Mas, muitas vezes, eu também vou disposto a acertar golpes fortes para nocautear o meu adversário. E, geralmente, quando eu acerto esses golpes, a coisa naturalmente acaba indo para o chão de uma forma que eu acabe buscando finalizar a luta da forma mais rápida possível. É uma coisa natural, mas eu treino muito mais a trocação do que a luta de chão. O Jiu-Jitsu no MMA é uma coisa muito importante, é a coluna dorsal do combate. E torna o lutador muito mais perigoso, porque a qualquer momento ele pode finalizar a luta.

    – Preferia um ranqueado, mas prega respeito

    Eu estava contando que viesse alguém ranqueado, eu até questionei um pouco isso no começo, mas depois eu dei uma analisada na carreira dele. Vi que é um ex-campeão do LFA, que é um evento grande no Estados Unidos. Vai ser um excelente desafio para mim.

    Yahya quer desafiar Sterling ou Rivera, que se enfrentam e confronto também na divisão dos galos (Foto: Getty Images)

    – 100% em 2018 e busca por evolução

    O meu objetivo é manter o 100% de aproveitamento novamente e a obtendo as melhores performances que eu possa ter. Fui muito feliz em 2018, consegui fazer as duas lutas e finalizando ambas. Espero repetir isso e quero que seja melhor ainda. Eu não espero nem que seja igual, eu tô trabalhando para fazer tudo melhor. Eu quero evoluir de um camp para o outro. Nesse camp, eu notei que foi até melhor.

    – Próximos passos e sonho com title shot

    Eu quero ir para cima do TJ Dillashaw (campeão peso-galo). É um objetivo realmente lutar com ele. Agora, semana que vem, terá Sterling contra Rivera… Enfrentar alguém dessa luta, seria interessante também. Uma vitória sobre o meu oponente, em um card grande, em um evento de pay-per-view, vai me dar mais notoriedade. Venho de três vitórias por finalização e uma quarta seguida, também finalizando, me coloca em uma boa posição na categoria. Então, uma boa performance contra ele vai me colocar perto de uma disputa.

    – Lutar no mesmo card que Anderson Silva

    É uma honra tá ao lado do Anderson e fazer a luta que antecede a dele. É grandioso para mim, com certeza. A visibilidade também é excelente. Eu estou bem animado com isso.

    CARD COMPLETO:

    UFC 234
    Melbourne, na Austrália
    Sábado, 9 de fevereiro de 2019

    Card principal
    Peso-médio: Robert Whittaker x Kelvin Gastelum
    Peso-médio: Israel Adesanya x Anderson Silva
    Peso-galo: Rani Yahya x Ricky Simón
    Peso-mosca: Montana de la Rosa x Nadia Kassem
    Peso-meio-pesado: Jim Crute x Sam Alvey

    Card preliminar
    Peso-leve: Devonte Smith x Ma Dong Hyun
    Peso-pena: Austin Arnett x Shane Young
    Peso-mosca: Kai Kara-France x Raulian Paiva
    Peso-galo: Teruto Ishihara x Kyung Ho Kang
    Peso-leve: Lando Vannata x Marcos Rosa
    Peso-leve: Jalin Turner x Callan Potter
    Peso-galo: Wuliji Buren x Jonathan Martinez

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome