Atual campeão europeu, Honório detalha seu ‘acrobático’ jogo de passagem de guarda: ‘É natural’

    Honório Já vem preparando seu afiado jogo de guarda de olho no Mundial (Foto Vitor Freitas)

    Aos 24 anos, o carioca Victor Honório reside há dois anos em Doha, no Catar e ajuda a propagar o Jiu-Jitsu no país do Oriente Médio. Além de ensinar o esporte para as forças armadas, o faixa-preta ainda mantém seus treinos em alto nível para competir pela IBJJF.

    No mês de janeiro, por exemplo, Honório provou que tem uma passagem de guarda letal, ao transpor a guarda dos três adversários que enfrentou para pegar a medalha de ouro no pesadíssimo do Europeu de Jiu-Jitsu, em Portugal. Em sequência, o jovem campeão enfileirou Renan Marcel, Seif Houmine e, por fim, o cascudo Tanner Rice na grande decisão.

    Qual seria o segredo para uma passagem de guarda tão justa, que contém até pulos acrobáticos? O próprio Victor explicou, detalhando alguns segredos dos seus treinamentos.

    “Quando criança, eu sempre fiz vários esportes em paralelo ao Jiu-Jitsu, como Muay Thai, Boxe e Judô. Meu pai era proprietário de academia e puxava o treino de Jiu-Jitsu, mas depois do treino principal do meu pai eu praticava outras coisas, já que ficava o dia inteiro na academia. Uma das modalidades que teve na academia foi a Capoeira, que eu fiz três anos e tinha bastante acrobacia. Depois, já com 16 anos, comecei no Wrestling, onde sempre tem saltos e cambalhotas junto com acrobacias no aquecimento, o que acabou ajudando a moldar meu modo de passar a guarda. Faço essas passagens desde a faixa amarela e fui só ajustando com o tempo, ajustando as pegadas e sabendo pesar certinho. O segredo para passar bem é ter boas pegadas, matar o quadril do guardeiro e saber pesar. Hoje em dia, eu já passo pulando no instinto, nem penso se pode dar errado. É natural”, comentou Honório, que tem a passagem de guarda como seu ponto forte.

    “Perto da competição, gosto de fazer treino funcional voltado pro Jiu-Jitsu e trabalho de agilidade, com escadinha e corridas curtas. Longe da competição, faço força, gosto bastante. Para ter uma boa base, procuro fazer o básico: colocar o guardeiro de costas no chão. Eu não o deixo fazer pegada e tento sempre ficar um passo à frente nos movimentos. Vou matando a guarda passo a passo: pernas, quadril e tronco”, completou.

    Para 2019, o filho do casca-grossa e faixa-preta, José Honório, já tem o seu maior objetivo traçado. Ele quer alcançar o topo no Mundial da IBJJF, agendado para junho, na Califórnia.

    “Eu estou muito feliz de como minha caminhada está sendo. Quando era faixa colorida sempre me vi campeão mundial no meu primeiro ano de faixa-preta, mas infelizmente tive alguns contratempos: lesão e falta de grana. Eu mudei de país… Mas hoje vejo que isso me tornou uma pessoa e um atleta melhor, mais experiente. Sou novo, tenho 24 anos e sei que minha hora vai chegar. Todo planejamento da minha vida é voltado para esse objetivo e venho competindo desde os 4 anos de idade. Fui campeão em todas as categorias de idade e faixa… Sei que na faixa preta não vai ser diferente, vou chegar”, encerrou Victor.

    1 COMENTÁRIO

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome