De casa nova, Nicolau analisa dispensa do UFC: ‘Foi uma péssima decisão deles’

por: TATAME | @tatameofficial
Publicado em 08/04/2019

publicidade

Por Mateus Machado

Mesmo com o bom retrospecto no UFC – três vitórias e apenas uma derrota – Matheus Nicolau foi um dos lutadores da categoria peso-mosca dispensados pela organização, que desde o ano passado, vem estipulando o fim da divisão na franquia, mesmo que ainda não tenha anunciado essa medida de forma efetiva.

Liberado de seu contrato com o Ultimate, Matheus, obviamente, ficou insatisfeito com a decisão tomada pela franquia. Em entrevista exclusiva à TATAME, o mineiro classificou a medida como “péssima” e ainda afirmou que a divisão dos moscas poderia oferecer mais competitividade após Demetrious Johnson – que reinou na categoria por anos – perder o título para Henry Cejudo.

“O UFC tomou a decisão de liberar atletas da categoria peso-mosca. Na minha opinião, foi uma péssima decisão, principalmente no momento em que a categoria estava começando a ficar ainda mais interessante, porque tinha acabado de trocar o campeão que reinou por muitos anos, o Demetrious Johnson, então a divisão ficaria mais emocionante. Era uma categoria animada, competitiva, então não achei uma decisão inteligente da parte deles, justamente pelo fato do cinturão ter mudado de posse. Pior decisão ainda foi ter me liberado sem ter me dado a chance de subir e lutar no peso-galo. Quem acompanha minha carreira sabe que já lutei na categoria de cima várias vezes, inclusive já era uma ideia que eu tinha, porque ficar batendo 57kg nos moscas estava ficando cada vez mais desgastante”, revelou o lutador, que seguiu falando sobre sua saída e, agora, a ida para o peso-galo.

“Eu ainda tinha o sonho de ser campeão no peso-mosca primeiro, porém, nem sempre as coisas acontecem como imaginamos e não depende só do nosso trabalho. O UFC tomou sua decisão, eu ainda não entendi, mas é uma empresa grande e que foca no lucro, então eles devem ter motivos. Com essa decisão tomada por eles, só antecipou minha vontade de lutar de peso-galo. Acho que vai ser muito boa essa subida, vou me desgastar menos, vou ter mais força, um poder de nocaute maior, maior agilidade. O UFC é o maior evento do mundo e eu vivo pela arte marcial. Por enquanto, eu ainda vejo o meu trabalho com as artes marciais dando o meu melhor e lutando. Pode ser que no futuro, eu foque em outras coisas, em abrir uma academia ou outra coisa, mas o meu foco está em ser campeão mundial. Agora tomei essa decisão de subir de categoria e projeto meu retorno ao UFC, porque tive um bom retrospecto, bons resultados e boas lutas lutando por lá, sempre recebi um feedback muito bom”.

Com 26 anos e um bom cartel de 13 vitórias e apenas duas derrotas, Matheus Nicolau ainda tem potencial a ser desenvolvido. Disposto a mostrar seu valor, o atleta assinou com o evento brasileiro Future FC e fará sua estreia no dia 24 de maio, em São Paulo. Seu adversário sairá da votação popular entre Alan Gomes e Vagner Lima, e faz parte do formato empregado pela organização, onde Nicolau é o único lutador garantido no card principal do evento. No entanto, seu oponente é escolhido através de uma votação realizada no aplicativo e website do Future, onde os fãs determinam os duelos da edição.

“Com essa decisão, na minha visão, péssima do UFC, foi bom para o Future, que agora vai ter o meu nome no card. Com certeza, eu vou trabalhar duro, mantendo o foco nos meus desafios. Ainda não tem a definição do meu adversário, vai ser através de uma votação, o que eu achei bem legal. Quem quer que seja, eu vou estar dando o meu melhor todos os dias para conseguir a vitória. Estou com sede de vitória e muito motivado. Podem esperar o melhor Matheus Nicolau no Future 5”, encerrou.

Veja também

publicidade

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade