Tanquinho e mais três levam suspensão da USADA por suplemento contaminado

Publicado em 24/04/2019 por: Nilmon
Tanquinho e mais três levam suspensão da USADA por suplemento contaminado Tanquinho não emplacou no Ultimate e agora irá se aventurar no ACB MMA (Foto Getty Images / UFC)

publicidade

A USADA anunciou, na última terça-feira (23), quatro suspensões para atletas pelo mesmo motivo. De acordo com o comunicado oficial, os atletas Sean O’Malley, a ex-campeã peso mosca Nicco Montaño, o brasileiro Augusto Tanquinho e o italiano Marvin Vettori realizaram exames que detectaram uso de ostarine através de um suplemento contaminado, que culminou na suspensão de seis meses.

Ostarine é uma substância da categoria dos anabolizantes usada para ganho de massa muscular, geralmente utilizado por pacientes que possuem câncer. Entretanto, a substância também é bastante usada por fisiculturistas, pois além do aumento de massa muscular, aumenta a força do indivíduo e traz maior definição corporal.

O caso de Augusto Tanquinho já havia sido anunciado publicamente em 2018, mas só foi solucionado 13 meses depois. O brasileiro, faixa-preta de Jiu-Jitsu, foi pego em um exame realizado no dia 7 de março de 2018, com sua suspensão provisória começando no dia 20 do mesmo mês. Dos quatro lutadores, Tanquinho é o único lutador que não faz mais parte do plantel da organização, já que o mesmo pediu sua rescisão contratual em julho de 2018 e foi atendido.

Nicco Montaño foi pega em um exame realizado em período fora de competição no dia 25 de outubro de 2018, um mês depois de ter seu cinturão dos moscas retirado devido a sua inatividade. Ela foi suspensa de forma provisória no dia 15 de novembro, e como sua suspensão é retroativa desta data, ela estará liberada para lutar a partir do dia 15 de maio.

Aos 24 anos de idade, Sean O’Malley foi pego em dois exames diferentes, sendo o primeiro no dia 5 de setembro e outro no dia 8 de dezembro. Entretanto, ambos foram tratados como uma violação única, pois foi provado no segundo exame que a substância havia sido ingerida através do suplemento. A data retroativa para a liberação é do primeiro exame, portanto, o lutador já está liberado para retornar ao octógono.

A situação é idêntica ao do italiano Marvin Vettori, que foi pego em um exame no dia 24 de agosto, mas sua inocência foi provada através do mesmo suplemento contaminado. A pena de seis meses é retroativa a data do exame, portanto, ele também já pode lutar novamente no Ultimate.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade