Poucas horas antes de morrer no Rio, professor de Jiu-Jitsu sonhava com vaga para Abu Dhabi

    Professor morto no Rio de Janeiro nesta terça-feira participava de competições de Jiu-Jitsu (Foto: Focados no Tatame)

    Por Yago Rédua

    No fim da tarde desta terça-feira (14), Jean Rodrigo da Silva, professor de Jiu-Jitsu, foi morto com um tiro na cabeça no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Segundo relato de testemunhas, o tiro foi disparado pela Polícia Militar que teria confundido o professor com um banido. No entanto, ainda houve nenhuma confirmação oficial sobre quem efetuou o disparo. No local, inclusive, tiveram diversas trocas de tiro ao longo do dia.

    Jean dava aula no projeto social Maneco Team e tinha forte atuação entre jovens e crianças carentes da região. O professor era empenhando em ensinar a arte marcial e colocar as crianças nos campeonatos de Jiu-Jitsu. Na FJJD-Rio (Federação de Jiu-Jitsu Desportivo do Rio de Janeiro), ele tinha 44 atletas cadastrados ao todo.

    Na manhã desta terça, poucas horas antes de ser assassinado, Jean entrou em contato com Marcus Gavazza, membro da FJJD-Rio e CBJJD. O professor pedia ajuda para inscrever atletas no Brasileiro da CBJJD, que vai acontecer no fim deste mês de maio, no Parque Olímpico. A TATAME teve acesso aos áudios. O faixa-preta aparece elogiando o trabalho realizado pelas entidades e por dar oportunidade para as pessoas mais carentes.

    “Estou muito satisfeito com a FJJD-Rio. Que Deus ilumine vocês mais e mais. Sem palavras. Não tenho palavra para elogiar vocês, vocês são super. Vocês são tudo. Vocês estão trazendo para as crianças, para os adultos, os pobres, desculpe a forma de falar, para os favelados… As oportunidades que eles nunca tiveram na vida deles. Vocês são excepcionais. Todo o meu respeito a vocês da FJJD-Rio”, disse Jean, que seguiu no outro áudio, pedindo ajuda para inscrever mais atletas até o fim da semana.

    “Eu tô colocando, até o momento, 16 atletas. Sendo que eu estou com dois que a condição financeira é brabíssima. Queria saber se você me dá aquela condição que me deu no Estadual. E, então, eu vou patrocinar um ou dois. Vou pegar o meu (valor da inscrição) e dar para um deles. Até o final de semana, quero cadastrar mais três ou quatro”, relatou.

    Apesar de ser professor, Jean também competia. Em um outro áudio, para o mesmo dirigente da FJJD-Rio/CBJJD, o professor disse que estava se preparando para competir o Brasileiro. No fim, ainda afirmou que ia buscar o título do ranking, que é uma passagem para o World Pro (Mundial de Jiu-Jitsu) em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, embora na mensagem o faixa-preta tenha dito que é para Dubai, também nos Emirados.

    “Estou treinando pra caramba, correndo, segurando a lesão. Vou lutar. Estou treinando todo dia para fazer uma grande apresentação neste grande evento. Estou muito satisfeito. Muito obrigado por tudo. Eu arrumei até um ônibus para ir ao Brasileiro. Vamos com o maior ‘blocão’. Vamos levar até surdão para bater (risos). Tô brincando do surdão, mas vamos chegar em peso. Essa vaga para Dubai (sic) vai ser minha”, disse o professor.

    Nota da FJJD-Rio/CBJJD

    Em nota enviada à TATAME, a FJJD-Rio e a CBJJD lamentaram a morte do Jean. Confira:

    “A FJJD-RIO/CBJJD lamenta o falecimento de mais um inocente, o Instrutor de Jiu-Jitsu Jean Rodrigo da Silva Aldrovande, que trabalhava para resgatar crianças e jovens através do Jiu-Jitsu no Projeto Social Maneco Team. Estamos em luto e deixamos nossas mais sinceras condolências aos familiares e amigos por essa perda”.

    Confira abaixo os áudios:

    5 COMENTÁRIOS

    1. Se não sabe quem matou, não diga nada… só gera polemica desnecessária baseado em uma hipótese…
      Muito triste essa noticia, surreal.

    2. da vontade de chorar uma pessoa do coracao grande sempre ajudando os di menor a sair da miseria e serem campeoes um grande mestre que amava a vida sua e a dos outros que morte horrivel ninguem merece a crueldade nesse pais o porco fardado pensou que ele era vagabundo?? quer dizer que eles so de pensar ja pode chegar atirando??eu naum volto para porra de brazil nunca mais osssss

    3. Meus sinceros sentimentos a esta familia, à sociedade em que ele estava inserido e tanto ajudava. Pergunto: e agora? Quem vai pagar por isso? Com o mal exemplo dado pelo próprio governador witzel, que brinca de videogame atirando nos pobres, eu nao tenho esperança de justiça!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome