Com novo duelo marcado, Rafael Carvalho busca ‘redenção’ no Bellator: ‘Perder não é o fim do mundo’

por: TATAME | @tatameofficial
Publicado em 30/05/2019
Com novo duelo marcado, Rafael Carvalho busca ‘redenção’ no Bellator: ‘Perder não é o fim do mundo’ Rafael Carvalho vai em busca de recuperação contra o estreante Lyoto Machida (Foto Bellator)

publicidade

Por Mateus Machado

Ex-campeão peso-médio do Bellator, Rafael Carvalho dará mais um passo em busca de sua redenção na organização. Vindo de duas derrotas seguidas – para Gegard Mousasi e Lyoto Machida -, o lutador brasileiro vai encarar Chidi Njokuani na edição 224 da franquia, marcada para acontecer no dia 12 de julho, em Oklahoma, nos Estados Unidos.

Conhecido por seu estilo nocauteador – de 15 vitórias na carreira, 12 foram por nocaute -, o carioca vem se especializando cada vez mais no Jiu-Jitsu. Recentemente, Rafael foi graduado à faixa-marrom após ser campeão em sua categoria na disputa do Brasileiro de Jiu-Jitsu. Em entrevista à TATAME, ele falou sobre sua intenção de afiar o jogo na arte.

“Temos que buscar a evolução diariamente. Não ser especializado em apenas uma área. Acredito que o Jiu-Jitsu irá acrescentar muito na minha carreira como lutador de MMA. Também gosto de desafios, então saí da minha zona de conforto para me testar”, disse.

Confira a entrevista completa com Rafael Carvalho:

-Duelo marcado contra Chidi Njokuani

Fiquei sabendo há pouco tempo da luta. É uma luta que casa bem com o meu estilo. Somos dois strikers, então será uma luta bem interessante, assim como foi contra o Joe Schilling e contra o Melvin Mahoef. Conheço pouco do Chidi Njokuani, mas essa parte de estudar o atleta eu deixo com os meus treinadores, pois eles que irão traçar a estratégia adequada para que eu possa sair vitorioso desta luta, que é o meu objetivo.

-Participações em torneios de Jiu-Jitsu

Temos que buscar a evolução diariamente. Não ser especializado em apenas uma área. Acredito que o Jiu-Jitsu irá acrescentar muito na minha carreira como lutador de MMA. Também gosto de desafios, então saí da minha zona de conforto para me testar e desafiar.

-Análise da derrota para Lyoto Machida

Depois da derrota para o Lyoto (Machida), eu fiz uma avaliação e acho que eu poderia ter me entregado um pouco mais na luta. Mas por conta do estilo do Lyoto, não dava para ir com muita sede ao pote. Mas eu deveria ter apertado um pouco mais o ritmo, até porque ele vinha de um tempo inativo. Acho que faltou isso, ter um pouco mais de ímpeto.

-Duas derrotas seguidas no Bellator

Não gosto de perder, mas tenho que encarar isso como algo que pode acontecer. Não é o fim do mundo, e podemos tirar algumas lições disso. Você avalia onde errou, conserta esses erros, muda algo que estava ruim, e assim evolui para a próxima luta. E eu acredito que tudo isso aconteceu na hora que tinha que acontecer. Parei para analisar, vi o que posso melhorar, e estou buscando coisas novas, como melhorar o meu jogo de chão.

-Mais planos em relação ao Jiu-Jitsu

Meus planos no Jiu-Jitsu continuam os mesmos, que é continuar competindo, sempre me mantendo em alto nível. Tomei gosto pelos treinos e competições. Então, vou continuar, porque o Jiu-Jitsu só vai acrescentar ao meu jogo. Tenho que buscar constantemente a evolução dentro do esporte, e isso está sendo muito bom pra mim. Estou curtindo muito.

Veja também

publicidade

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade