Destaque do UFC Rio, Warlley Alves revela conversa ‘chave’ com treinador para conquistar nocaute; confira

por: TATAME | @tatameofficial
Publicado em 27/05/2019

publicidade

Por Diogo Santarém

Warlley Alves foi um dos principais destaques da última edição do UFC Rio, realizada no dia 11 de maio. O lutador nocauteou o compatriota Serginho Moraes no terceiro round e saiu com US$ 50 mil de bônus pela sua performance. À TATAME, o peso-meio-médio revelou uma conversa exclusiva que teve com seu treinador para acelerar e encerrar a luta.

“Foi um conjunto de coisas, mas o que mais me marcou para aquela decisão (ir em busca do nocaute) foi o meu treinador. A luta estava praticamente ganha, faltavam 40 segundos para acabar. Se eu corresse 40s ele não ia conseguir me botar no chão e finalizar. Então, eu tinha duas opções: terminar antes dos três rounds ou aguardar. Mas o meu treinador, Guilherme Pinheiro, teve uma conversa comigo muito séria”, disse Warlley, que seguiu:

“Ninguém sabe disso… Ele falou assim: ‘Warlley, se você quiser ser mais um no UFC, você vai ganhar as lutas por pontos, administrar e vencer com o regulamento. Agora, se você quiser fazer diferente, você tem que nocautear ou finalizar. Se vira e consegue, com a luta ganha ou não’. E faltando um minuto para a luta acabar eu tive esse pensamento, estava administrando. Então pensei comigo mesmo, vou partir pra cima desse cara e vou nocauteá-lo agora, foi quando eu dei a joelhada e aconteceu o uppercut”, apontou ele.

Warlley, que é natural de Minas Gerais, mas vive há anos no Rio de Janeiro, contou como foi ter uma recepção calorosa na arena do Parque Olímpico. Além disso, o lutador, que venceu três das suas últimas quatro lutas, quer seguir crescendo na divisão e revelou que gostaria de lutar no UFC Abu Dhabi, marcado para setembro, nos Emirados Árabes Unidos.

Confira o restante da entrevista com Warlley:

-Sensação de vencer lutando em casa com apoio da torcida

Eu vibrei muito. Foi uma sensação indescritível. Estava no quintal de casa, né, moro a 2km de distância, então meus amigos que cresceram comigo, família, estavam todos presentes. Foi uma luta sensacional, estou muito feliz, sem dúvida vai ficar marcado pra mim.

-Moral para os próximos desafios no peso-meio-médio

Com certeza (essa vitória dá moral). Acho que me credencia a pegar um Top 20 e, passando dessa luta, pegar um Top 15 e começar minha escalada. A vida inteira eu treinei para isso e estou mais motivado do que nunca para tornar esse objetivo uma realidade.

-Recuperação pós-luta e planos para volta ao octógono

Eu tive algumas lesões no pé devido aos chutes que eu dei. Três chutes pegaram na guarda do Serginho e acabaram me rendendo fraturas no pé, mas foram microfraturas, então isso melhora em cerca de um mês com descanso e fisioterapia, e aí já volto a treinar. Voltando a treinar eu gostaria muito de lutar no card do UFC Abu Dhabi, em setembro, ou em novembro no próximo evento no Brasil. Mas a minha vontade, se o UFC e meus treinadores permitirem, queria mesmo lutar em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.

Veja também

publicidade

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade