Artigo: a neurociência e os benefícios da prática do Jiu-Jitsu para o cérebro humano; leia e opine

    Por Mônica de Paula Silva

    A capacidade que o cérebro humano tem de se adaptar à mudanças é extraordinária. Antes de começar a explicar os benefícios que este órgão humano recebe através das lutas marciais, vamos entender essas duas ciências: a neurociência é o estudo científico nervoso que permite entender como funciona o cérebro humano e a neuroplasticidade é a capacidade que o cérebro tem de se adaptar à mudanças. Todas as ciências humanas, sociais e da saúde que lidam com a natureza humana são afetadas, bem como todas as formas de treinamento. Por esse motivo, não podemos deixar de fora as artes marciais. Todas essas disciplinas terão de aceitar o fato de que o cérebro se transforma e que a arquitetura cerebral difere de uma pessoa para outra e se altera no decorrer da vida de cada indivíduo.

    Sabe-se que são inúmeros os benefícios do Jiu-Jitsu para o desenvolvimento humano, porém, a contribuição da neurociência e da neuroplasticidade nos traz um novo olhar. Como o cérebro do lutador reage a esses treinos?  Ao praticar os exercícios relacionados à modalidade, o cérebro secreta neurotransmissores como a dopamina e a acetilcolina, que ajudam a consolidar as mudanças no mapa cerebral, (a dopamina reforça a recompensa e a acetilcolina ajuda o cérebro a sintonizar e aguçar a memória, (Doidge pag.85), que promovem a reparação celular do cérebro, melhorando a memória (hipocampo), aumentando a concentração e gerando neurônios fundamentais para o processo de aprendizagem.

    Algumas das vantagens do Jiu-Jitsu são a atenção e os reflexos que são usados no momento do treino, como explica Merzenich (neurocientista) que prestar atenção é essencial para a mudança plástica de longo prazo e que essas mudanças são duradouras no cérebro humano e quando as atividades são realizadas automaticamente, sem prestar atenção, as mudanças não são duradouras. Por esse motivo, os estímulos que o Jiu-Jitsu nos oferece é de grande importância.

    O cérebro do lutador tem um dos processamentos mais admiráveis, Segundo, Spiegelman, especialista em ciência dos exercícios, um dos benefícios do Jiu-Jitsu para a mente é que ele exige concentração e equilíbrio absoluto. O professor de Jiu-Jitsu Wilson Franck afirma que durante vinte anos de carreira, percebe-se calmo e atento em várias situações conflitantes em seu cotidiano e conclui que, depois de cada treino, se sente menos ansioso e mais apto a tomar decisões em situações estressantes, pois os desafios ao treinar Jiu-Jitsu resultam em melhorias na área cerebral (Pré – frontal), responsável pela tomada de decisões, melhorando a capacidade na realização de várias tarefas. Sendo assim, os ganhos nas áreas cerebrais são inúmeros.

    Não podemos deixar de acrescentar a filosofia (espiritualidade) dos praticantes de Jiu-Jitsu, a tradição do Buda (Caminho das Artes Marciais), onde eles ouvem mensagens de cunho espiritual em seus meios, pois é inegável que as tradições espirituais sempre fizeram parte da cultura dos samurais, a máxima era: quanto mais Guerreiro, mais espiritualizado. E como o cérebro recebe esse estímulo? Inúmeras pesquisas mostram que budistas, por exemplo, tem a atividade dos lobos frontais aumentada. Essas áreas estão relacionadas com o aumento da atenção focada, habilidades de planejamento, capacidade de antecipar o futuro e a habilidade de construir argumentos complexos.

    Cientistas que fizeram várias descobertas nas últimas décadas, mostrando que, a cada atividade realizada, o cérebro muda a própria estrutura. Além de melhorar a autoestima, nos mostra que ganhar uma luta muda a química do cérebro, tornando-o mais focado, mais inteligente, mais confiante e mais agressivo, no bom sentido. O efeito é tão forte quanto o de uma droga. A desvantagem é que a vitória pode se tornar fisicamente viciante, afirma Ian Robertson, mas isso é tema para um próximo artigo.

    Mônica de Paula Silva

    Psicopedagoga e Neuropsicopedagoga

    ABpp 13024

    Referências:

    • Doidge, Norman. O cérebro que se transforma/Norman Doidge; tradução Ryta Vinagre, 11°edição – Rio de Janeiro: Record 2018.
    • Robertson, Ian. O efeito Vencedor, 2 ° edição – São Paulo: Editora Campus.
    • Franck, Wilson. Academia de Jiu-jítsu – Embu Guaçu – São Paulo, Instagram: @will_franck –  
    • Créditos de Imagens, autorizado pelo prof. Wilson Franck.

    Sites recomendáveis

    QUEM SOU EU?

    ESCRITORA: Mônica de Paula Silva, também conhecida como Monica Lambiasi, é graduada em Pedagogia desde 2004. Concursada pela Prefeitura de Embu Guaçu – SP atua há treze anos como psicopedagoga clínica, área na qual é pós-graduada desde 2006. Em 2008 concluiu pós-graduação em Didática Superior. 2009 concluiu pós-graduação em Educação Especial e Educação Inclusiva. Ano 2017 concluiu pós-graduação em neuropsicopedagoga, atualmente estuda psicanálise e neurociência.

    Também é autora dos artigos:

    IV – Simpósio Internacional de Psicopedagogia – Ano: 2016 – ARTIGO PUBLICADO “Oficina Psicopedagógica no tratamento do Dependente Químico”.

    XI Congresso Nacional Simpósio Internacional – Ano 2018 – ARTIGO PUBLICADO “A Psicopedagogia e a Contribuição da Neurociência no Atendimento do DEPENDENTE Químico”.

    OBRAS PUBLICADAS

    • SONHOS NÃO MORREM: PUBLICADO NO ANO 2012: GRÁFICA ANJOS PRODUÇÕES;   Encontra-se na AMAZON , versão E-BOOK
    • PARECEM OVELHAS, MAS, NO INTÍMO SÃO LOBOS MALDITO – PUBLICADO EM 2014 PELA EDITORA CHIADO.  Encontra-se na AMAZON, versão E-BOOK.
    • PESSOAS CONTROLADORAS E O MAL ESTAR DA CONVIVÊNCIA – PUBLICADA EM 2107 -EDITORA MUTIFOCO livro físico e E-BOOK na AMAZON.
    • CORRUPÇÃO, DESAMPARO E FÉ – PUBLICADA EM 2018, EDITORA MULTIFOCO, livro físico e E-BOOK na AMAZON.
    • AUTORA DO BLOG:  http://psiconeuropedagogia.blogspot.com.br  DESDE DO ANO DE 2011.

    Contatos: WhatsApp: (11) 99763-1603: Instagram: @lambiazi03


    36 COMENTÁRIOS

    1. Parabéns minha escritora favorita Mônica de Paula Silva.👏👏👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽❤😍🌹

      Sua matéria simplesmente sensacional e extraordinária.

      Ser escritora é ser alguém privilegiado, detentor de um presente divino doado a muitos, mas não a todos, e, para alguns, de forma muito especial, mais abrangente, mais criativa, mais útil, mais sensível, seja para a cultura, seja para a educação, seja para a alma. Você arrasa sempre.😏

      Vou começar a prática Jiu-Jitsu😊

      SUCESSO 🌹

    2. Parabéns ! O texto é fácil de compreensão e muito interessante. Estava pensando em começar a praticar o jiu-jitsu e depois de ler esse artigo incrível…vou começar ! Compartilhando a todas as amigas.

    3. Parabéns, por esse artigo,tenho um filho Auti sta de 14 anos e sua vida mudou depois da Arte Macia do Jiujstu. Estou fazendo uma Pós graduação em Psicomotricidade e o estudo de caso é ele.

      • Uns dos problemas do autista é a interação social e o contato físico, porém os autistas leves do qual eu atendo em clínica tem condições de treinar o jiu-jitsu. O professor de jiu-jitsu que tiver interesse de entender o cérebro do autista , posso garantir que não vão se arrepender. Será uma troca de conhecimentos enriquecedor entre eles.

    4. Além de melhorar a autoestima, melhora a concentração . Parabéns Mônica… Você está abrindo um leque de opções sobre o cérebro humano e artes marciais… Ansiosa para o próximo artigo… Parabéns a equipe da Tatame em publicar assuntos como esse.

    5. Parabéns Dra Monica e a Revista Tatame pelo artigo, muito interessante!
      O artigo abriu um leque de questionamentos, a senhora acredita que os treinos de jiu-jitsu podem ajudar a melhorar comportamentos agressivos na infância?

      • Olá Bruno! Sabemos que todos os seres humanos trazem consigo impulso agressivo, essa energia tem que ser canalizada para algo bom. A educação e artes marciais ajuda a minimizar esse comportamento prejudicial. O ideal é começar logo cedo a práticar artes marciais antes que o cérebro acostume a ser agressivo. O cérebro é um músculo e precisa de treinos. Abraços!

    6. Essa capacidade de mudança e adaptação é algo aplicado apenas na luta, nos treinos, ou no dia a dia ela também é presente na vida de quem luta ?

      Pergunto isso porque eu me interessei pelo esporte em função da matéria.

      • A neuroplasticidade explica as mudanças que ocorrem no cérebro quando aprendemos qualquer coisa nova, neste caso o jiu-jitsu. Porém Grafman neurocientista afirma que : Examinar as mesmas áreas cerebrais de diferentes pessoas, verá que essas áreas estão mais ou menos empenhadas em realizar as mesmas funções, uma vez que cada um de nós temos experiências diferentes.Quando começar a praticar o jiu-jitsu me escreva ! Abraços!

    7. Artigo interessante e muito bom! Gosto muito de artes marciais e a prática realmente muda nosso cérebro e comportamento. Parabéns e obrigado pela sua contribuição, Mônica! ❤️🌹

    8. Boa tarde….gostei muito de saber sobre a importância do jiu-jitsu. ..para a memória. ..Dra Mônica. ..a Neurociencia tem estudos para a terceira idade. Dentro dessa modalidade e com esse resultado? ! (A Melhora da memória )obrigada…

      • Bom dia! Adorei essa pergunta e em breve irei responder com fundamentação teoria e estudos de caso… Peço paciência! 😘 obrigada pela pergunta🌻

      • Para manter a mente viva, é preciso aprender alguma coisa nova e com grande concentração e o jiu-jitsu oferece esses benefícios. Cada professor de jiu-jitsu tem sua singularidade e seu jeito único de dar aulas e porque não fazer adaptações para atender a terceira idade! Parte do desafio dos professores de jiu-jitsu descobrir a forma mais eficiente de treino e ajudar esse público do qual cresce em nosso país.

      • O artigo trás um novo olhar sobre os benefícios das lutas marciais para o cérebro humano Como qualquer exercícios físicos…comprovado científicamente sim ! Poderia dar várias referências para o senhor ler ! Doidge, Norman. O cérebro que se transforma/Norman Doidge; tradução Ryta Vinagre, 11°edição – Rio de Janeiro: Record 2018. Depois da leitura voltamos a falar sobre o assunto..estou a disposição para tirar qualquer dúvida! Oss paz no coração!

        • Prezada Mônica, sua afirmativa …”benefícios das lutas marciais para o cérebro humano Como qualquer exercícios físicos”. É equivocada!
          1- generalizar que os benefícios, por exemplo, do exercício aeróbio ao SNC podem ser também esperados em outras atividades físicas como o Jiu-jitsu é um erro acadêmico.
          2 – você mencionou mecanismos adaptativos à nível celular que ainda não foram demonstrados em humanos como consequência do exercício físico.

          Ficarei grato se você conseguir enviar uma referência científica original (Artigo publicado em revistas científicas).

          Sou professor e pesquisador em neurociência e educação física, fico a disposição para dúvidas.

            • Sr. João eu ficaria muito grata se o senhor desse mais atenção na neuroplasticidade! Estou aguardando o teu e-mail. Vamos fazer uma reflexão juntos! Afinal tudo contribuí para o aprendizado… quero trocar experiências! Grata pelo comentário!

    9. Parabéns pela matéria fascinante saber como o cérebro se desenvolve com o esporte, precisamos de mais artigos nesta área principalmente para nossas crianças com achando com o sedentarismo e menos tempo em televisão e internet. Este esporte também ajudaria crianças déficit de atenção de atenção e autistas?

      • Déficit de atenção avaliação neurológica se for o caso. Quanto a praticar a modalidade jiu-jitsu do qual exige concentração os professores cobram essa atenção dos alunos, treinando esse cérebro a prestar atenção. Lembrando que qualquer coisa que exija atenção o cérebro muda a própria estrutura, aperfeiçoando seus circuitos de modo que fique mais apto a tarefa proposta.

    10. Parabéns pelo artigo Mônica e a revista Tatame. Os treinos de jiu-jitsu ajuda as crianças desenvolverem uma noção maior de como funciona o corpo, e criam uma autoconfiança em si, em uma visão pedagógica a senhora pode concluir em uma visão neuropsicopedagogica?

    11. Sim. Dentro da neuropsicopedagogia os treinos da luta jiu-jitsu aumenta a concentração, atenção e beneficia a memória ajudando em todos os tipos de aprendizagem, principalmente em fase escolar. Abraços!

    12. Parabéns Mônica pelo excelente trabalho e pesquisa em uma área tão carente de atenção e profissionais entendidos nesse assunto!!

    13. Parabéns a revista pelo espaço dado a uma escritora criativa e que trata diversos assuntos com muita propriedade.
      Mais um trabalho feito com excelência. Parabéns Mônica.

    14. Excelente artigo, além de abordar o jiu jitsu uma arte marcial muitas vezes mal compreendida e tida como violenta por pessoas que não conhecem, ainda explica os benefícios que a arte tráz a nossa saúde. Parabéns a revista pelo espaço dado para a matéria e parabéns a maravilhosa escritora.

    15. Parabéns, querida Mônica pelo artigo desenvolvido! Com certeza há presença de ciência em sua tese, uma vez que embasa seu conhecimento científico em autores difundidos na Neurociência. Essa especialidade, inclusive, deveria servir de base para qualquer estudioso em Saúde, Esporte e mesmo Educação, pois traz uma conhecimento vasto sobre a aplicabilidade do cérebro humano e de sua capacidade infinita, o qual muitas vezes desconhecemos. Adorei lê-lo! E que sua competência, enquanto profissional, escritora e cientista se multipliquem, pois é notável seu potência.

      Grande abraço!

      Dominique Wolff

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Comente
    Seu nome