Rudson projeta Mundial e relembra revés para Meregali: ‘Se eu pudesse voltar atrás, tentaria dar mais de mim’

por: TATAME | @tatameofficial
Publicado em 01/06/2019

publicidade

Por Diogo Santarém

Um dos grandes nomes da nova geração do Jiu-Jitsu, o faixa-preta Rudson Mateus é mais um casca-grossa confirmado no Mundial 2019 da IBJJF, que acontece nesta semana – de quinta-feira até domingo (2) -, na Califórnia (EUA). Escalado na divisão dos meio-pesados, o pupilo de Caio Terra chega ao campeonato nos Estados Unidos embalado pelo ouro conquistado na mesma categoria no Brasileiro de Jiu-Jitsu, realizado no início de maio.

Porém, apesar do título brasileiro, o torneio em São Paulo terminou de certa forma com “gosto amargo” para Rudson. Prata no absoluto, o manauara perdeu a final para o gaúcho Nicholas Meregali após ser desclassificado por excesso de punições (relembre aqui), e segundo o próprio revelou em entrevista à TATAME, ele poderia dar mais.

“Eu estava me sentindo muito bem, leve, sabe? Acho que eu poderia ter saído com o resultado positivo. Comecei muito bem a luta, mas errei na hora de tentar estabilizar os 100kg. Eu poderia tentar segurá-lo, mas ao invés disso pensei que ele daria as costas e girei antes do momento. Se eu pudesse voltar atrás, tentaria dar mais de mim, porque eu podia! Com certeza gostaria de enfrentá-lo (Meregali) de novo no futuro”, projetou.

Apesar do revés, Rudson comemorou o resultado no Brasileiro. Agora focado no Mundial, o lutador garante que está preparado para realizar seu sonho: ser campeão na faixa-preta.

“Eu me preparei muito bem para esse Mundial e acredito que posso sair com o resultado que eu espero, porque esse é meu sonho (ser campeão mundial na preta) e eu não gostaria de adiá-lo. Espero que Deus me abençoe”, pediu o atleta natural de Manacapuru.

https://www.instagram.com/p/ByEivaBhW9K/

Confira o restante da entrevista com Rudson Mateus:

-Análise do seu desempenho no Brasileiro

Meu desempenho no Brasileiro foi excelente, sai com o resultado esperado, mas eu também queria muito ter vencido o absoluto. Porém, infelizmente não deu dessa vez.

-Combate mais difícil durante a competição

Eu enfrentei muitos caras duros, mas o mais difícil foi o Duzão (Lopes). Ele não é só um cara pesado, é cara ágil também, então na hora de executar minhas posições, ele conseguia controlar. Mas felizmente tive uns bons ataques e consegui levar nas vantagens.

-Derrota no absoluto por desclassificação

Sobre as punições, eu achava que estava tudo igual e esperava que na última punição ele me puxasse pra guarda e eu tentasse algo diferente, porque eu não aguentava mais andar para frente. Estava sentindo um lado da minha perna super desgastado naquela hora.

-Lição com o revés e absoluto no Mundial

O Nicholas está em uma boa fase e acredito que aquela luta foi boa para ambos. Voltei para casa e vi onde eu mais errei para acertar. Sobre o absoluto (no Mundia), talvez eu até compita. Às vezes chega na hora e eu gosto de me inscrever, sentir como é.

-Apoio do Caio Terra antes do seu retorno

O Caio foi a pessoa que mais puxou nessas últimas semanas (do Brasileiro até o Mundial). O diferencial é que ele fez praticamente tudo junto comigo, então isso me motivou ainda mais. Estou muito feliz em poder lutar mais um Mundial ao lado dele, é uma honra.

Veja também

publicidade

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade