Por Stéfane Dias

Desde o primeiro evento do UFC, em 1993, o MMA (Mixed Martial Arts), antes chamado de “Vale-Tudo”, vem crescendo e tornando-se um esporte em expansão pelo mundo, com um número significativo de fãs que possibilitou transmissões em grandes redes da televisão, como a ESPN, junto com outros esportes já difundidos como o Futebol, Basquete, etc.

A combinação e integração de técnicas de luta e esportes de combate como Boxe, Muay Thai, Judô, Wrestling, Jiu-Jitsu e etc, tornou-se, no entanto, como sendo propriamente um esporte novo, que é o MMA; o que possibilita encontrar um número cada vez maior de protocolos e estudos científicos para a formação específica desses lutadores.

Para criar um protocolo de treinamento específico para qualquer esporte deve-se identificar as necessidades específicas do esporte, incluindo estar ciente das principais tendências dentro da cultura do esporte para melhor prever onde e como a preparação física pode melhorar o desempenho atlético e resultados no treinamento dos seus participantes.

O MMA é um esporte intermitente, ou seja, existem ações de alta e baixa intensidade. A pesquisa de Ovretveit (2018) mostrou que esportes de combate como o MMA requerem força máxima e resistência muscular, e esses números se elevam juntamente com o nível de qualificação dos atletas. Assim sendo, atletas avançados apresentam os maiores resultados de força e resistência muscular, consequentemente, em pesquisas.

Andrade e colaboradores em 2019, em sua revisão sistemática encontraram a proporção de 6:1 a 9:1 (esforço:pausa), ou seja, durante uma luta de MMA, a partir dessa relação estabelecida, nota-se que todos os sistemas energéticos (oxidativo, glicolítico e fosfagênio) são fundamentais para o atleta, devendo ser estimulados para atender às demandas da luta. Também concluíram que os principais componentes na aptidão atlética devem ser abordados durante a preparação são força, capacidade aeróbia, flexibilidade e coordenação. Sem esquecer da importância da composição corporal, haja visto a perda acentuada de peso na preparação, o que pode representar riscos à saúde e performance.

A realização de novas pesquisas tem sido uma constante com atletas de MMA, assim, há de surgir novas tendências que possibilitem treinadores e técnicos a melhorarem suas sessões de treinamento, corrigindo e otimizando as performances de seus atletas. Por exemplo, Gochioco et al., (2011) identificaram que é benéfico para os atletas de MMA incluírem exercícios de força de preensão manual em sua rotina de treinamento, o que beneficia o controle de seu oponente, assim como treinamento pliométrico e exercícios de alta velocidade, refletindo em bons resultados nos movimentos de potência. Após compararem atletas de MMA com atletas de alto nível em outras modalidades, mostraram que atletas de MMA possuem menor nível de gordura corporal quando comparados a atletas de Futebol e de Basquete, assim como quando comparado a capacidade de flexão do tronco e VO2max. No entanto, quando comparado a força relativa no exercício supino, atletas de MMA têm sua capacidade superior em relação aos de basquetebol, porém, inferiores aos níveis do Futebol Americano, mesma situação nas capacidades de salto vertical e agachamento, assim como a força de preensão manual quando comparados aos de Beisebol.

Conclusão:

O programa de preparação física para atletas de MMA deve proporcionar melhorias para todos os sistemas energéticos com o intuito de estimular a adaptação física ideal para a performance esportiva. Todos os grupos musculares devem ser estimulados de modo que não fiquem desproporcionais ou desequilibrados muscularmente. Potência e melhora no condicionamento aeróbio demonstraram ser fundamentais para melhorar o desempenho atlético, evidenciando, assim, pela pesquisa de Andrade et al., (2019) que o treinamento de forma sistematizada e periodizada contribuiu significativamente para atletas de elite.

É possível notar uma tendência no aumento do volume do treinamento para atletas de MMA (muitas vezes treinando demais), o que pode aumentar a ocorrência de lesões. Por outro lado, há também um aumento na intensidade do treinamento perto da competição, acompanhado de uma restrição calórica. Nesse momento, ainda não há provas científicas de qual a melhor estratégia para diminuir o risco para a saúde do atleta no que diz respeito às restrições calóricas e perda abrupta de peso, mas, deve-se evitar a desidratação. 

Observação:

Recomendamos a ajuda de um profissional de Educação Física registrado no – CREF para desenvolver um programa de treinamento individualizado.

Na elaboração deste artigo tivemos a participação de Rokaya Mikhailenko, ACSM-CPT.

Referências:

ANDRADE, A. FLORES, M., ANDREATO, L., COIMBRA, D. Physical and training characteristics of mixed martial arts athletes: systematic review. Strength and Conditioning Journal, 41(1)51-63. 2019.

FRANCHINI, E., CORNACK, S., TARITO, M. Effects of high-intensity interval training on Olympic combat sports athletes’ performance and physiological adaptations: systematic review. Journal of Strength and Conditioning Research, 33(1)/245-252. 2019.

GOCHIOCO, M., BROWN, L., COBURN, J., BEAM, W., SCHICK, E., DABBS, N., KHAMOUI, A., TRAN, T., MUNOZ, C. A comparison of the physiological profiles of mixed martial artists and football, basketball, and baseball players. Journal of Strength and Conditioning Research, 3(25) 55-56. Doi: 10.1087/01. JSC. 000395665.90152.20. 2011.

OVRETVEIT, K. Anthropometric and Physiological Characteristcs of Brazilian Jiu-Jitsu athletes. Journal of Strength and Conditioning Research 32(4)/977-1004. 2018.

VIOLA JR. B. The history of MMA, Mixed Martial Arts; Who Invented MMA? Retrieved March 31, 2019 from: https://mmahistory.org/mma-start

Colunistas:

Stéfane Dias: PhD em Treinamento Desportivo – Rússia e Professor da Keiser University – USA/ e-mail: [email protected]/ Instagram: https://www.instagram.com/dr.stefanedias/

Fábio Vieira: PhD em Ciências do Movimento Humano e Professor do Centro Universitário UNIVAG – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/fabiosfvieira/

Diego Lacerda: Mestre em Treinamento Desportivo – Rússia – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/diegolacerdatkd/

Pavel Pashkin: Mestre em Treinamento Desportivo e Treinador Profissional de Sambo – Rússia – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/pashkinpavel