Mayara Custódio relembra como ‘largou tudo’ para viver do Jiu-Jitsu e celebra: ‘Melhor momento da vida’

Publicado em 15/07/2019 por: Nilmon

publicidade

Por Mateus Machado

O momento de Mayara Custódio no Jiu-Jitsu é, de fato, excepcional. Ouro duplo no Brasileiro da CBJJ, a lutadora brilhou ao faturar o título absoluto no Mundial da IBJJF e, recentemente, ter conquistado mais um duplo ouro, desta vez no American National, da IBJJF. Recentemente graduada à faixa-marrom, a atleta tem evoluído constantemente na arte suave, no entanto, poucos sabem de sua história até chegar ao protagonismo na modalidade.

Com 32 anos, Mayara se divide entre torneios no Adulto e no Master. levando-se em conta seu começo tardio no esporte, aos 27. Formada no curso de Tecnologia em Logística, a paranaense era promotora de merchandising em uma multinacional, todavia, decidiu “largar tudo” para se dedicar ao Jiu-Jitsu. O início, como já era de se imaginar, foi difícil e repleto de desafios, mas a lutadora soube superá-los para viver seu grande sonho.

“Eu comecei muito tarde no Jiu-Jitsu, aos 27 anos. Antes disso, eu era promotora de merchandising em uma multinacional. Dei início no esporte apenas para cobrir um horário vago na minha agenda, assim que terminei a faculdade. Meu irmão mais novo praticava Jiu-Jitsu e ele quem me levou. Meu professor na época viu meu potencial para competir e me incentivou. Com o tempo, fui pegando gosto e cada vez me dedicando mais, até se tornar um sonho viver do Jiu-Jitsu”, relembrou, em entrevista à TATAME.

Confira a entrevista completa com Mayara Custódio:

-Títulos recentes e grande momento no Jiu-Jitsu

Acredito que estou vivendo o melhor momento da minha vida, sem dúvida alguma. Os bons resultados recentes são frutos do meu árduo trabalho que realizo diariamente. Às vezes, nem acredito que tudo isso esteja acontecendo comigo. É realmente como se fosse um sonho mesmo.

-Ouro absoluto no Mundial da IBJJF

Considero que tive um desempenho excelente nesse Mundial, fiquei muito contente com tudo o que foi feito. Eu vim muito bem preparada em todos os aspectos possíveis, fisicamente, tecnicamente e psicologicamente. No ano passado, eu perdi na minha primeira luta, então mudei de cidade e de equipe para buscar um bom resultado no ano seguinte e deu tudo muito certo. A satisfação é enorme.

-Diferença entre os duelos no adulto e no master

Na disputa dos campeonatos no adulto eu sinto que as meninas estão com mais gás, até por serem mais novas e lutarem e treinarem com mais frequência, são diversos torneios em disputa. No master eu vejo que as lutadoras são mais fortes e é necessário ter mais experiência.

-Sonhos em relação ao Jiu-Jitsu

Meu sonho com o Jiu-Jitsu é que cada vez mais ele fique profissional, assim como já está acontecendo. É meu grande sonho que possamos ganhar dinheiro com o nosso esporte, que é a nossa grande paixão. Ser campeã mundial na faixa-preta também é um dos meus grandes sonhos. Em 2021, se Deus quiser, estarei competindo de faixa preta adulto. Se tudo ocorrer bem, esses são os planos do meu mestre Sebastian Lalli e eu vou dar o meu melhor.

-Começo tardio no Jiu-Jitsu

Eu comecei muito tarde no Jiu-Jitsu, aos 27 anos. Antes disso, eu era promotora de merchandising em uma multinacional. Dei início no esporte apenas para cobrir um horário vago na minha agenda, assim que terminei a faculdade. Meu irmão mais novo praticava Jiu-Jitsu e ele quem me levou. Meu professor na época viu meu potencial para competir e me incentivou. Com o tempo, fui pegando gosto e cada vez me dedicando mais, até se tornar um sonho viver do Jiu-Jitsu. É uma grande paixão e me dedico inteiramente a isso, a ponto de eu ter que sair da minha cidade para evoluir cada vez mais.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade