Brunos Bastos abre própria academia nos Estados Unidos e projeta Mundial Master: ‘Não vou parar tão cedo’

Publicado em 06/08/2019 por: Nilmon

publicidade

Bruno Bastos, 39 anos, está vivendo uma nova fase em sua vida pessoal. Faixa-preta há 18 anos, o carioca vai abrir sua primeira academia em Midland, no Texas (EUA). Depois de dez anos nos Estados Unidos, o casca-grossa vai colocar toda sua filosofia e didática no negócio. A decisão foi tomada junto a sua esposa, Petya, atual campeã do Pan-Americano. 

Em paralelo ao seu trabalho como professor e agora empresário, Bruno mantém em alta o desejo de continuar lutando. Sua próxima meta é o Mundial Master da IBJJF, marcado para o fim de agosto, entre os dias 21 e 24, em Las Vegas (EUA). Nessa entrevista, o “Highlander” falou sobre a felicidade de abrir sua própria academia, como vai funcionar a filosofia da equipe e projetou seu sonho para 2019: ser bicampeão mundial master.

Confira a entrevista com Bruno Bastos:

-Como é, agora, ser dono da própria academia de Jiu-Jitsu?

Abrir minha própria academia é a realização de um sonho, meu e da minha esposa, que também pratica artes marciais desde nova. São 30 anos que já estou no Jiu-Jitsu, comecei com 10 anos de idade. Aprendi muito com o esporte e tenho a possibilidade de ajudar muitas pessoas da modalidade, seja criança ou adulto.  A academia terá dois tatames com aulas simultâneas, de crianças e adultos, e uma aula reservada só para mulheres. Teremos um programa bem completo, tanto para o Jiu-Jitsu quanto para a defesa pessoal. Vou reservar um horário para o treino de competição também. Eu cheguei até aqui por conta dos meus resultados e não vou negligenciar isso. Temos bons resultados aqui e isso tudo é o início de uma grande história que ainda tem muito pela frente, sem dúvidas. 

-Hoje, como funciona a sua parte de coach, visto o sucesso?

As minhas conquistas como treinador são quando meu alunos atingem os objetivos deles, independente do que seja. Pode ser perder peso, pode ser ganhar confiança, seja objetivo básico ou complexo. Eu tento sempre deixar meus alunos fora da zona de conforto para que eles tenham um crescimento pessoal, dentro e fora dos tatames. Eu trabalho com isso desde as crianças de 3 anos de idade até os alunos com mais de 60 anos, que nós temos aqui. O crescimento pessoal seria a melhor versão deles mesmos e alcançando os objetivos que eles têm dentro do Jiu-Jitsu. Quero que meus alunos sejam melhor do que eu.

-Em três anos, como você imagina o patamar da sua academia?

Acredito que em três anos, se conseguirmos atingir todas as nossas metas, nós vamos estar com uma média de 250/300 alunos. Nós temos um programa muito forte para o infanto e as crianças subindo para o juvenil e adulto, eu acredito que a gente possa começar a chegar cada vez mais próximo de títulos na faixa-preta, entende? Eu vejo em três anos a gente crescendo em todos os sentidos e tendo um programa muito forte aqui de pessoas, mesmo nossa academia sendo em Midland, que é uma cidade no interior do Texas. Tenho estudado parte de negócios e acredito no nosso futuro bem estruturado para estar entre as maiores potências dos EUA. Nosso trabalho aqui já está estabelecido. 

-Por fim, você ainda pretende continuar competindo, certo?

Fui campeão mundial master em 2013 e vou buscar mais um título esse ano. Tenho duas medalhas de prata e uma de bronze. Eu sei como vencer, porque já cheguei lá, e sinto que estou mais perto do ouro, por conta das minhas recentes atuações. Se for meu dia, eu pego o ouro novamente, com certeza. Não penso em parar de competir tão cedo.  

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade