Cléber Souza tem cinturão peso-médio retirado pelo SFT após ‘recusar’ combate

Publicado em 21/08/2019 por: Nilmon
Cléber Souza tem cinturão peso-médio retirado pelo SFT após ‘recusar’ combate

publicidade

Por Mateus Machado

Campeão duplo do SFT, onde ostenta os títulos nas divisões meio-médio e médio, respectivamente, o atleta Cléber Souza teve seu cinturão tornando-se “vago” na categoria até 84kg. Segundo comunicado enviado pela organização, o lutador se recusou a defender o título dos médios no SFT 15, marcado para acontecer no dia 31 de agosto, na Arena Corinthians, em São Paulo.

Desta forma, o SFT optou por deixar vago o cinturão dos médios até que um novo combate seja marcado pela franquia. Com 34 anos e um cartel de 18 vitórias e oito derrotas no MMA profissional, “Clebinho” lutou pela última vez em março desse ano, quando derrotou Marcus “Jon Jones” Vinícius por nocaute técnico no segundo round, em combate válido pelo SFT 10.

“O SFT recebeu no último dia 7 de agosto a recusa de Cléber Souza em defender seu título na categoria peso médio, em evento a ser realizado no dia 31 deste mês, na Arena Corinthians, na edição de número 15 da organização. Em razão dessa atitude do atleta e atendendo às normas esportivas, o título de campeão do peso médio do SFT se encontra vago até novo combate”, diz o comunicado emitido pela organização.

A TATAME entrou em contato com Magno Wilson, matchmaker do SFT, que deu mais detalhes sobre o ocorrido envolvendo o experiente lutador que, a princípio, segue na organização tendo o cinturão meio-médio em sua posse, apesar de ter o título dos médios retirado por conta da recusa.

“O Cléber Souza adquiriu o primeiro cinturão, no meio-médio, em cima do atleta Quemuel Ottoni em uma outra administração, sem nunca ter lutado na organização e com a promessa de disputar o cinturão do peso médio, que foi o que aconteceu. Nessa ocasião, ele assinou um contrato para fazer as duas próximas defesas de título ainda este ano e antes de defender contra o Marcus Jon Jones firmamos um contrato de exclusividade com o SFT. Quando soubemos que poderíamos fazer a próxima edição na Arena Corinthians, pensamos no Renê Soldado, por ser um bom nome e ser na Zona Leste Paulista, aonde ele mora e treina.

Foi uma negociação lenta, porque o Soldado tinha contrato com o RCC. O Cléber foi notificado dia 11/06 que uma luta já estava em negociação para ele, menos o adversário, pois o Soldado ainda não poderia responder se lutaria ou não. Quando comunicamos ele que a luta estava fechada com o Soldado, ele revelou que tinha fechado uma outra luta com outra organização. Mesmo assim, ele se sentou com a administração e pediu um outro adversário, que seria o Nayib ‘Cachorro Louco’, que não deu certo e voltamos ao plano ‘A’, que seria a melhor opção para o público brasileiro, a luta entre ele e o Renê Soldado, que vem de vitória na organização e é um dos melhores prospectos na categoria. Como o Cléber se negou, o notificamos que o destituiríamos do título do peso médio (83,9kg) de sua posse, e assim fizemos.

Mesmo com a quebra do contrato de exclusividade, a administração do SFT achou melhor mantê-lo na organização com o seu título dos meio-médios. O campeão da organização tem vínculo com ela, ele o representa e é o símbolo do nosso melhor atleta naquela categoria. Queremos respeitá-lo assim e esperamos esse respeito dele. Nossos ‘contenders’ são aqueles que se destacam em suas categorias. Leonardo Buakaw, com duas vitórias consecutivas, vai enfrentar João Samurai, que tem duas vitórias e uma derrota, para ver quem disputa o título com Wanderley Mexicano, que tem duas vitórias consecutivas. André ‘Deh Loco’, que vem de três vitórias consecutivas, vai disputar o cinturão com Jean Matsumoto, enquanto Diego Bianchini é o próximo desafiante do peso meio-médio, por exemplo. Ou seja, como falamos, queremos que nossos campeões tenham um vínculo de identidade com o publico do SFT e com a organização. Não pode ser qualquer atleta que vem, faz uma luta, ganha o cinturão e vai embora. Não queremos produzir atletas para outras organizações, queremos produzir ídolos”, afirmou Magno.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade