Ex-TUF Brasil, Cleiton Foguete faz duelo principal do Future MMA 8 de olho em oportunidades para ‘alavancar carreira’

Publicado em 23/08/2019 por: Diogo Santarém
Ex-TUF Brasil, Cleiton Foguete faz duelo principal do Future MMA 8 de olho em oportunidades para ‘alavancar carreira’ Sem lutar há dois anos, gaúcho encara o experiente Marcos Babuíno nesta sexta-feira (23) em São Paulo (Foto divulgação UFC)

publicidade

Após dois anos de inatividade, Cleiton Foguete está de volta ao MMA. O gaúcho, que foi um dos participantes da segunda temporada do TUF Brasil, reality show do UFC, fará a luta principal do Future MMA 8, que acontece esta sexta-feira (23), em São Paulo. Foguete terá pela frente o experiente Marcos Babuíno, que possuiu quase 50 lutas no cartel e vem lutando com frequência. Mesmo sem pisar em um cage deste 2017 – e com apenas quatro lutas realizadas em seis anos -, Foguete garante que a falta de ritmo não será um problema para este confronto.

“Eu tenho lutado pouco por conta de alguns contratempos como problemas de contrato com eventos e lutas desmarcadas, mas isso não significa que eu estou parado. Estou treinando constantemente e sempre evoluindo. Espero poder mostrar toda a minha versatilidade de combate no Future. Meus treinos foram bem dinâmicos na Astra Fight Team. Tenho certeza que o duelo contra o Marcos Babuíno será uma guerra, pois nós já temos um histórico de lutas e sabemos explorar os pontos fortes e fracos de nossos oponentes”, disse.

Com 20 lutas no cartel, sendo 18 vitórias e apenas duas derrotas, Foguete está encarando a luta no Future MMA como uma retomada na carreira. Sua participação no TUF Brasil aconteceu em 2013, quando ele chegou até as quartas de final do programa e foi superado pelo argentino Santiago Ponzinibbio. Após deixar o reality show, Foguete acreditou que teria mais oportunidades, o que acabou não acontecendo.

“Quando eu participei do TUF Brasil 2, eu esperava uma oportunidade imensa! Mas foi tudo muito rápido. Na época, eu trabalhava de vigilante numa escala de 12h por 36h e não vivia 100% para a luta. Foi quando o mestre Marcelo Brigadeiro me fez o convite para integrar a sua equipe. Só a partir daí fui viver como um atleta. Me mudei do Rio Grande do Sul para Santa Catarina, fiz uma boa preparação para o TUF, mas, infelizmente, sofri uma lesão e não consegui mostrar do que eu era realmente capaz”, explicou o casca-grossa, que espera que novas portas se abram após este combate diante do experiente Marcos Babuíno.

“Pelo fato da luta ser a principal, acredito que terei mais visibilidade. E espero que apareçam boas propostas depois desta luta. Espero ter mais oportunidades para alavancar a minha carreira, por isso o foco é fazer o melhor em cada luta e evoluir com elas”, concluiu Foguete, representante da equipe Astra Fight Team.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade