Recém-graduado faixa-preta, Thiago Vicente conta o que muda em sua trajetória no Jiu-Jitsu daqui pra frente

por: TATAME | @tatameofficial
Publicado em 17/09/2019
Recém-graduado faixa-preta, Thiago Vicente conta o que muda em sua trajetória no Jiu-Jitsu daqui pra frente Thiago Vicente mira um futuro de sucesso como faixa-preta de Jiu-Jitsu (Foto arquivo pessoal)

publicidade

* A faixa preta é uma graduação muito esperada e encarada por diversos lutadores como um recomeço no Jiu-Jitsu. Thiago Vicente, atleta da Brazil-021 School of Jiu-Jitsu do Rio de Janeiro, conquistou recentemente a tão sonhada faixa-preta e faz planos tanto como professor, quanto para as competições.

Vicente começou a treinar em 2012 e já bem cedo decidiu que o Jiu-Jitsu seria sua profissão. “Assim que eu senti a primeira adrenalina de um campeonato, decidi que não iria fazer outra coisa. Eu via as fotos da Hannette Staack no pódio do Mundial, a felicidade no rosto dela, eu sabia que ela estava sentindo algo incrível”.

Apesar de muito esperada, uma faixa por si só não pode ser o único objetivo na trajetória dos praticantes de Jiu-Jitsu, e Vicente percebeu isso: “Até a faixa azul eu pensava muito nela (faixa preta), mas depois deixei esses pensamentos de lado. Eu passei a me preocupar mais com o meu Jiu-Jitsu do que com a faixa. Eu sabia que se continuasse trabalhando com dedicação as coisas aconteceriam naturalmente”, disse o casca-grossa, que promete não se acomodar.

“Ser faixa-preta pra mim é ser exemplo para os outros. É usar os conhecimentos técnicos e experiências de vida para ajudar o próximo. Saber que você serve de espelho para o próximo, saber que o trabalho não acabou e que eu vou trabalhar mais para estar lutando contra os melhores”.

Carreira como atleta

Desde a faixa branca competindo, Thiago Vicente adquiriu uma boa bagagem de competições nas faixas coloridas. Passou por pódios da IBJJF, UAEJJF e federações do Rio de Janeiro. O momento mais marcante de sua carreira, entretanto, foi na seletiva do ADCC em 2019, ainda como faixa-marrom.

Ele não conseguiu garantir uma vaga para o ADCC, mas fez lutas muito duras, inclusive finalizando o multicampeão Isaque Bahiense. “Lutar e conseguir finalizar um dos melhores do meu esporte, sem dúvidas me deu bastante confiança para essa nova fase”, afirmou o lutador, que apesar do nervosismo, destacou: “Treine até que seus ídolos se tornem seus adversários”.

Com pouco mais de um mês na faixa preta, o atleta ainda não estreou na nova categoria, mas segue se preparando. Questionado sobre o que espera dos campeonatos daqui para frente, projetou: “Um Vicente mais profissional. Meu objetivo é melhorar em todos os aspectos, fisicamente, tecnicamente, mentalmente, me policiar mais com minha alimentação e descanso. Tenho certeza que a disciplina é o sucesso”.

Vicente está nos Emirados Árabes Unidos, onde vai ficar treinando por um mês, experiência que com certeza vai agregar muito em sua trajetória. O atleta ainda tem muito chão pela frente na faixa preta. Sua principal meta? O Mundial IBJJF. “Eu quero lutar contra os melhores e vencê-los”.

* Por Carolina Lopes

Veja também

publicidade

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade