Coluna da Arte Suave: as particularidades de ser guardeiro ou passador e a importância de cada movimento; saiba

Publicado em 10/10/2019 por: Mateus Machado
Coluna da Arte Suave: as particularidades de ser guardeiro ou passador e a importância de cada movimento; saiba Luiz Dias analisou as particularidades do guardeiro e do passador (Foto: Ilan Pellenberg)

publicidade

* Guardeiro ou passador? Para mim, não tem diferença, além de rotular como você prefere lutar. Mas fora isso, no meu ponto de vista, não distingue quem é melhor ou mais agressivo. Para mim, a vontade de vencer ou finalizar está em cada perfil do lutador. No meu ponto de vista, é a vontade de vencer, disposição de lutar e resistência são fatores preponderantes. Em alguns treinos ou até na praia, os assuntos acabam sempre indo para o Jiu-Jitsu.

Escuto opiniões como se o passador fosse mais agressivo, mais lutador. Eu não concordo. Creio que ambos são. Apenas é a vontade de vencer, preparo físico e técnica que tornará um vencedor. Podemos citar excelentes lutadores que lutam em ambas as posições. O importante, ao meu ver, é o lutador perceber o seu caminho, seu estilo e suas estratégias. Estar treinando, estudando posições, evoluindo em suas posições.

Cada lutador conhece seus pontos fortes e fracos, suas preferências, suas zonas de conforto. Mas um fator acho de vital importância: você deve saber lutar nas duas situações, passando a guarda ou fazendo a guarda. Existem lutadores que têm resistência em lutar fora da sua zona de conforto e não vejo isso como uma coisa certa. Se você é guardeiro e o seu oponente puxa para guarda primeiro, independentemente se é um treino ou uma luta de campeonato, ou o oposto, você é passador e se vê na situação de ter de fazer guarda? Não faz? Perde a luta? Por isso, aqui na academia, falo para os meus alunos lutarem em ambas as situações, independentemente de sua opção pessoal em treinos específicos.

Essa formação deve começar desde a faixa branca, saber lutar de ambas as maneiras, mas lutar para finalizar e vencer. E não apenas saber as técnicas, posições e movimentações. Creio ser fundamental, principalmente para quem quer ser um competidor com aspirações maiores. Quanto mais preparado e mais técnico, menos chance de entrar numa zona de desconforto. Claro que todos nós temos nossas preferências de luta, posições, mas não pode ser impeditivo de lutar em outra situação.

Aqui, com meus alunos, gosto de inverter as preferências nos treinos específicos para que possam praticar e, assim, se sentirem mais preparados, como também treinar sem quimono, o No-Gi. Quanto mais habilidades você desenvolver, mais seu jogo irá fluir e certamente mais vitórias nós iremos conquistar. O Jiu-Jitsu tem um grande espectro e não podemos minimizar seu alcance, pelo contrário. Sempre devemos ampliar nosso horizonte e nossas habilidades.

Para mais informações, veja https://www.instagram.com/luizdiasbjj/ ou entre em contato pelo e-mail geracao.artesuave@yahoo.com.br. Também conheça o http://www.geracaoartesuave.com.br/. Oss!

* Por Luiz Dias

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade