Da linhagem de Rickson Gracie, brasileiro celebra boa fase nos Emirados Árabes: ‘Hoje somos 700 faixas preta’; confira

Publicado em 16/10/2019 por: Mateus Machado
Da linhagem de Rickson Gracie, brasileiro celebra boa fase nos Emirados Árabes: ‘Hoje somos 700 faixas preta’; confira Raphael Barbosa é responsável por grande trabalho relacionado ao Jiu-Jitsu (Foto: Divulgação)

publicidade

Com o Jiu-Jitsu como parte principal de sua biografia de vida, Raphael Barbosa tem largo histórico de contribuição à sociedade com o esporte. Faixa-preta desde 2007, graduado pelo seu professor Luís Cláudio, o estudioso Raphael passou anos ensinando a modalidade na Tailândia e Estados Unidos até ter sua metodologia propagada em Dubai, nos Emirados Árabes.

Praticante de Jiu-Jitsu desde os 15 anos de idade, ele sempre foi dedicado aos estudos e sua faixa-preta chegou na mesma proporção que sua graduação em Educação Física pela Universidade da Cidade. Hoje, com cinco anos de trabalho na UFC Gym Middle East, empresa que contratou seus serviços, Raphael relembra primeiros passos como head coach e analisa o nível técnico do Jiu-Jitsu.

“Lembro que cheguei aqui para começar um projeto na base militar do exército e hoje sou líder do Jiu-Jitsu na UFC Gym. Sou um verdadeiro amante do esporte e estou sempre disposto a passar o melhor conteúdo para nossos alunos. Venho da linhagem do Rickson Gracie, meu professor Luís é faixa-preta dele. Por conta disso, nunca esqueço da defessa pessoal nos meus treinos. Acredito que a competição faz parte do Jiu-Jitsu, mas tem outras partes a serem apresentadas e estudadas cada vez mais. Nossa base vem dessa linhagem Gracie. O Jiu-Jitsu aqui nos Emirados Árabes será uma grande potência num curto espaço de tempo, o nível está bem alto. Hoje somos mais de 700 faixas-preta desenvolvendo o esporte aqui”, comenta Raphael.

Aos 38 anos, sendo 12 deles como faixa-preta de Jiu-Jitsu, ele comemora os frutos do seu trabalho, também, nas competições. No último fim de semana, por exemplo, no Fujairah International Pro, Raphael levou 22 atletas e voltou com cinco medalhas de ouro, uma prata e três medalhas de bronze.

“Meus alunos mostraram um nível técnico muito bom e muita vontade de vencer. Tenho certeza que eu e o meu time de coaches estamos no caminho certo. Foi muito bom ver todo mundo trabalhando duro, tendo vontade de vencer. Mal posso esperar para ver todo mundo na próxima competição, na próxima sexta. Vamos com 25 atletas, desta vez”, ressalta o professor.

Raphael ainda reservou um tempo para destacar os principais benefícios do Jiu-Jitsu, seja você competidor ou não.

“Nosso esporte é benéfico para nossa vida. Podemos melhorar a nossa auto-estima, criar mais confiança e, principalmente, a lidar sob pressão. O Jiu-Jitsu muda a vida de todo praticante, seja ele homem, mulher ou criança”, finaliza.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade