Jiu-Jitsu feminino rompe barreira com Queen of Mats no Rio; Kyra apoia e pede por ‘mais igualdade’

Publicado em 30/10/2019 por: Yago Redua
Jiu-Jitsu feminino rompe barreira com Queen of Mats no Rio; Kyra apoia e pede por ‘mais igualdade’ Mayssa Bastos (de quimono preto) é uma das seis lutadoras presentes no Queen of Mats (Foto Ane Nunes / AJP)

publicidade

* Em meio a luta por igualdade das mulheres, em especial dentro do esporte, a AJP Tour (Abu Dhabi Jiu-Jitsu Professional) vai promover a estreia do Queen of Mats (ADQOM) na edição do Grand Slam do Rio de Janeiro, que será realizado entre sexta-feira (1) e domingo (3), na Arena Carioca 1. O torneio é similar ao King of Mats, para homens, que vem se tornando cada vez mais popular nos eventos da organização internacional. O evento ainda terá as tradicionais disputas por peso na faixa-preta, tudo com ENTRADA GRATUITA durante os três dias.

Serão seis atletas divididas em dois grupos, com as duas melhores indo para a decisão. O torneio será realizado na divisão dos leves (até 62kg) com nomes importantes do cenário mundial do esporte como Ana Talita Alencar, Mayssa Bastos, Bianca Basílio, Amal Amjahid, Luiza Monteiro e Anna Rodrigues. O Queen of Mats, vale lembrar, será disputado na sexta-feira (1) – primeiro dia do evento.

Em entrevista à TATAME, Rodrigo Valerio, executivo da AJP, explicou que o valor pago por atleta no Queen of Mats é o mesmo do King of Mats: US$ 1 mil por competidor(a). Sendo assim, a premiação final pode variar de acordo com a quantidade de participantes em ação.

“São mil dólares de prêmio para cada atleta na chave. Se a competição tiver 12 participantes, a premiação será de US$ 12 mil. Se tiver 10 atletas, será de US$ 10 mil e assim por diante. Com isso, incentivamos mais e mais atletas a participarem e premiamos os atletas de acordo com o tamanho do evento”, explicou Valerio.

A primeira edição do ADQOM terá apenas seis competidoras, e no caso, a premiação final será de US$ 6 mil (cerca de 24 mil reais, segundo a cotação de quarta-feira (30) do Banco Central brasileiro). O dirigente da AJP comentou que a tendência é aumentar o número de lutadoras nas próximas edições do Queen of Mats.

“Para a primeira edição do ADQOM, por questões de calendário e contusões, dos convites que enviamos para as atletas, conseguimos confirmar seis (lutadoras) com tempo suficiente para preparação das atletas e promoção do evento. A nossa experiência mostra que à medida que a popularidade do evento cresce, mais atletas querem participar, causando o crescimento da premiação também”, projetou o brasileiro.

Uma das maiores referências do Jiu-Jitsu feminino, Kyra Gracie comemorou a realização do Queen of Mats e destacou a importância de federações pagarem premiações iguais para mulheres e homens. A faixa-preta ainda salientou que é necessário esquecer o lucro e pensar mais na fomentação do esporte.

“Eu passei por muitas dificuldades durante a minha carreira e não quero que essa geração passe. Quero que elas tenham mais incentivo. Isso vai depender de como as revistas tratam as mulheres e, principalmente, as federações. É inadmissível, no mundo em que vivemos, que uma federação não pague para as mulheres, o que paga para os homens. A federação internacional (IBJJF) tem um Grand Prix que paga US$ 40 mil para os homens e não existe um torneio similar para as mulheres. Isso mostra que não existe um incentivo para o Jiu-Jitsu feminino de forma geral dentro do esporte”, disse a ex-lutadora à TATAME.

A faixa-preta de Jiu-Jitsu, que vem desenvolvendo uma petição para buscar mais espaço para as mulheres dentro do Jiu-Jitsu (saiba mais, aqui), afirmou que pretende comparecer ao evento para prestigiar as atletas: “Eu fico muito feliz por ver que tem pessoas e federações que estão pensando nas mulheres. Eu fiz um evento (Gracie Pro) e coloquei a mesma premiação. Entendo que evento privado pode querer pagar mais para homens ou algumas mulheres. Quando o evento é privado, o dono(a) faz o que quer. Mas as federações não podem fazer isso e tratar as mulheres com alguma desigualdade”, frisou Kyra Gracie.

Kyra busca atrair cada vez mais atenção para o Jiu-Jitsu feminino (Foto Heartz Oliveira)

Queen of Mats 2 marcado para janeiro

A expectativa da AJP para o Queen of Mats é alta. Seguir reunindo as maiores atletas da atualidade é um dos objetivos da organização para os próximos anos. Com exclusividade à TATAME, Rodrigo Valerio revelou que em janeiro de 2020, durante o Grand Slam de Abu Dhabi, será realizado o Queen of Mats no peso pesado.

“O Jiu-Jitsu ainda apresenta uma proporção de 75% homens e 25% mulheres, em média, na relação de praticantes e competidores. A AJP trabalha diariamente para que esses percentuais se aproximem cada vez mais. A segunda edição do ADQOM já está marcada para o Abu Dhabi Grand Slam Tour em Abu Dhabi, em janeiro de 2020. No peso pesado, teremos as melhores atletas do mundo até 95kg”, revelou Valerio.

Com a institucionalização do Jiu-Jitsu nos Emirados Árabes Unidos feita pelo Xeique Muhammad bin Zayed Al Nahyan, local de origem da AJP, a modalidade vem sendo fomentada para meninos e meninas nas escolas do país na mesma medida. Além disso, foram contratadas professoras para ministrar aulas para mulheres.

*Por Yago Rédua

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade