Organizador do BJJ Stars enxerga Jiu-Jitsu ainda longe do profissionalismo e diz: ‘Falta conscientização dos envolvidos’; confira

Publicado em 18/10/2019 por: Yago Redua
Organizador do BJJ Stars enxerga Jiu-Jitsu ainda longe do profissionalismo e diz: ‘Falta conscientização dos envolvidos’; confira Fepa Lopes, um dos organizadores do BJJ Stars, comentou sobre o profissionalismo do Jiu-Jitsu (Foto: Camila Nobre)

publicidade

* O BJJ Stars promete mais um grande espetáculo no próximo sábado (19), em São Paulo, com o GP Super 8 – sem limite de peso -, que vai premiar o campeão com R$ 100 mil. Além disso, cinco superlutas ainda vão marcar a noite paulistana no Clube Hebraica. O evento nacional vem se consolidando como um dos principais do mundo na arte suave e a tarefa não é fácil, principalmente pela forte concorrência do mercado dos Estados Unidos.

Idealizador do BJJ Stars, Fepa Lopes bateu um papo com a TATAME e comentou sobre as dificuldades de realizar um evento tão grande aqui no Brasil. “É muito difícil. Estamos na contramão, os atletas recebem em dólar, o público tenta burlar a transmissão do pay-per-view… O brasileiro tem que parar de atirar no próprio pé. Temos esperança que isso está melhorando”, comentou Fepa.

O primeiro evento, no começo deste ano, reuniu uma constelação do Jiu-Jitsu. Fepa, por questões contratuais, não pode revelar o montante pago aos atletas. No entanto, o empresário disse que ainda não teve retorno com o evento e que isso está dentro do planejamento de plantar para depois colher.

Já em relação ao trabalho do BJJ Stars na profissionalização da arte suave, Fepa acredita que esse seja o caminho, mas que ainda está muito distante de uma realidade ideal dentro do esporte.

“Eu vejo o BJJ Stars como um grande evento que trata o atleta de forma profissional, mas acho que ainda estamos longe de profissionalizar o Jiu-Jitsu. Para que isso aconteça, todos os lados devem pensar e agir de forma profissional, digo isso pela organização, atletas, público, federações, mídias e patrocinadores. Não acho que o Jiu-Jitsu seja profissional. Falta conscientização dos envolvidos para que isso ocorra. Nós, do BJJ Stars, estamos em busca disso. Tratamos e fazemos tudo de forma profissional”, destacou Fepa, revelando que o investimento para colocar o evento de pé é bem alto.

Grande expectativa para sábado

Na primeira edição do BJJ Stars, o evento contou com um GP master e as superlutas foram o prato principal da noite. Desta vez, se inverteu. O Grand Prix sem limite de peso será a grande atração e vai reunir nomes de peso do Jiu-Jitsu atual como Dimitrius Souza, Gustavo Batista, Jackson Sousa, Leandro Lo, Lucas Hulk, Nicholas Meregali, Rudson Mateus e Victor Hugo, que vão em busca do sonhado prêmio.

Fepa explicou o motivo de optar pelo formato GP como destaque desta segunda edição: “Eu quero que a cada edição tenhamos uma particularidade diferente, acho que nessa o GP foi uma boa escolha. Fazer com que o público interaja mais, escolhendo e sendo conquistado pelo atleta que irá torcer, claro que também tem os que estarão lá para ver o atleta da sua academia”, disse o organizador, que completou.

“A premiação de R$ 100 mil sem dúvidas é algo jamais visto no Brasil. Isso possibilitou a montagem desse card fantástico. Será uma noite deliciosa, com boa música, excelentes atletas, homenagens e glamour com uma mega produção”, concluiu Fepa.

Vale lembrar que, na sexta-feira (18), a partir das 15h, a TATAME acompanha a pesagem com coletiva de imprensa ao vivo e em tempo real nas redes sociais. O evento acontece sábado, às 20h (saiba mais).

* Por Yago Rédua

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade