Sob nova direção no Jiu-Jitsu, matriz da Gracie Barra mantém legado e faz planos de expansão para 2020; confira

Publicado em 05/12/2019 por: Mateus Machado
Sob nova direção no Jiu-Jitsu, matriz da Gracie Barra mantém legado e faz planos de expansão para 2020; confira Com Samoa e Tutuba à frente, matriz da Gracie Barra mantém legado com metas de expansão (Foto divulgação)

publicidade

A primeira academia Gracie Barra foi fundada em 1986 por Carlinhos Gracie na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Por lá, passaram alguns dos maiores nomes da história do Jiu-Jitsu. A academia se tornou referência mundial e foi o pontapé inicial de um plano ousado de expansão.

Com o crescimento da equipe, a missão de manter o legado da matriz da Gracie Barra foi passada para os alunos de Carlinhos. Atualmente, a equipe está sob nova direção. Depois da ida do campeão mundial de Jiu-Jitsu Jefferson Moura para os Estados Unidos, os faixas-preta Paulo Samoa e Diogo Almeida “Tutuba” foram convidados por Carlinhos Gracie para dar continuidade ao projeto na pioneira Gracie Barra.

“Eu e o Diogo já éramos sócios e trabalhamos em outras escolas no Vale do Paraíba, em São Paulo, com o programa de desenvolvimento territorial da GB. Sempre fomos leais ao Mestre Carlinhos e seguimos os seus ensinamentos e diretrizes. Acredito que por isso tenhamos recebido esse convite e o desafio de assumirmos a primeira escola Gracie Barra do mundo. É uma honra e uma grande responsabilidade. Eu sempre competi bastante, conquistei alguns Brasileiros, Mundiais e Estaduais, agora, como professor, a minha missão e a do Diogo é manter e aumentar ainda mais o legado da GB. Tenho orgulho em ser um dos responsáveis pela primeira escola GB do mundo, dentre as mais de 900 oficiais”, disse Paulo Samoa, que começou a treinar na equipe em 1995 e recebeu a faixa preta em 2003 das mãos do mestre Carlinhos.

A dupla assumiu a academia há apenas cinco meses e, nesse tempo, já conseguiu praticamente dobrar o número de alunos. Para 2020, eles esperam triplicar o número de alunos. Para isso, oferecem como diferencial uma metodologia que é aplicada em todas as filiais da Gracie Barra espalhadas pelo mundo.

“Nossa meta é, com um ano de trabalho, termos o triplo de alunos que temos hoje. E para atrair novos alunos, oferecemos uma metodologia de ensino completa, incluindo filosofia, defesa pessoal, sistemas de aulas, disciplina, estrutura, controle de frequência, além de instrutores e professores certificados pela Gracie Barra, sempre visando o melhor para os nossos alunos”, explicou Diogo Almeida.

Enquanto muitos professores da arte suave deixaram o Rio de Janeiro para viver em São Paulo ou nos Estados Unidos, alegando que na cidade é difícil ganhar dinheiro dando aulas de Jiu-Jitsu, a dupla da Gracie Barra vai na contramão e comemora o sucesso em suas empreitadas pelo Rio.

“O Rio sempre foi a vitrine do Jiu-Jitsu. Foi onde o esporte explodiu. Temos muitas escolas consolidadas na cidade, o que obviamente divide o número de praticantes. Como nos EUA e em São Paulo ainda tem muitos territórios a serem explorados, vejo com bons olhos a mudança dos professores para esses lugares. Mas nós acreditamos no nosso trabalho, e posso dar o exemplo da GB Reserva, localizada no Recreio dos Bandeirantes. Ela é liderada pelo Tutuba, e atingiu a marca expressiva de 200 alunos aplicando 100% as diretrizes do Mestre Carlos Gracie Júnior. Por isso, nós temos certeza que vamos replicar esse sucesso também na Gracie Barra Matriz e nos demais projetos”, concluiu o casca-grossa Paulo Samoa.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade