Revelada em projeto social, lutadora de Judô é aprovada em teste na Umbra/Vasco da Gama e comemora oportunidade

Publicado em 21/01/2020 por: Mateus Machado
Revelada em projeto social, lutadora de Judô é aprovada em teste na Umbra/Vasco da Gama e comemora oportunidade A jovem Yonara agora passará a treinar Judô no Vasco da Gama em parceria com a Umbra (Foto divulgação)

publicidade

Promessa brasileira do Judô formada nos tatames do projeto social Geração UPP na comunidade do Batan, em Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro, a faixa-roxa Yonara da Silva Lopes Angelim, de 18 anos, foi aprovada na peneira da Umbra/Vasco da Gama, que em 2019 foi apontado como o melhor clube do Brasil na modalidade. No novo time, a atleta usufruirá de um estrutura de ponta, com direito a fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo e bons parceiros de treino.

“O projeto foi muito importante pra mim, pois foi me fez descobrir o que realmente quero para a minha vida profissional. Foi onde fiz novos amigos e ganhei uma nova família e, mesmo sem condições de pagar os campeonatos e até mesmo pagar uma faixa, o professor Yponã Carlo nunca deixou que isso me desanimasse. Foi assim que viajei para a Bahia para lutar o Brasileiro Regional. Hoje reconheço e agradeço todo o esforço que ele fez por mim e, se cheguei onde estou, devo primeiramente a Deus e depois ao projeto social de Judô Geração UPP Batan”, exaltou a lutadora, que sonha em integrar a seleção brasileira e conquistar uma medalha de ouro olímpica.

O projeto social que revelou a jovem Yonara faz parte do trabalho realizado pela parceria entre Legião da Boa Vontade (LBV), Super Rádio Brasil, Prime Esportes, Boomboxe e Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. O faixa-preta responsável por liderar a equipe é o policial Yponã Carlo, que atende a cerca de 50 alunos ativos nos treinamentos. Feliz pela conquista de Yonara, o professor não mediu elogios à atleta.

“Ela é uma atleta extremamente dedicada ao esporte. Desde o primeiro dia em que pisou no tatame percebi um olhar diferenciado nela. Durante os treinamentos mais duros e nas competições o semblante dela era sempre de muita concentração e foco, nunca teve medo de treinar ou competir com atletas maiores e mais fortes que ela, sempre muito determinada. Me sinto muito honrado por ter plantado essa semente que está começando a florescer. Ela é a prova de que o trabalho da prevenção à violência através do Judô feito está fazendo a diferença dentro da comunidade do Jardim Batan, em Realengo, e vamos continuar”, concluiu.

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade