Líder da PRVT, Gilliard Paraná vê cenário ‘catastrófico’ com pandemia e teme por academias menores: ‘Muitas vão quebrar’

Publicado em 17/04/2020 por: Diogo Santarém
Líder da PRVT, Gilliard Paraná vê cenário ‘catastrófico’ com pandemia e teme por academias menores: ‘Muitas vão quebrar’ Líder da PRVT, Paraná comentou sobre esse momento de pandemia do novo coronavírus (Foto reprodução Instagram)

publicidade

* A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) vem causando um impacto sem precedentes dentro do esporte. Nas artes marciais, diversos atletas sofrem com o cancelamento dos eventos e as academias correm risco de “quebrar” durante este período de isolamento social. Gillard Paraná, líder da PRVT, comentou à TATAME sobre este momento que o mundo atravessa.

LEIA A TATAME #260 ONLINE, AQUI

O treinador e gestor contou que assim que foi iniciado o período de quarentena no Rio de Janeiro, optou por mandar todos para casa. Jéssica Bate-Estaca e Karol Rosa, que tinham lutas marcadas pelo UFC, passaram a realizar os treinamentos em casa e através de chamadas de vídeo. A situação mais complicada foi dos atletas que lutariam eventos nacionais, de acordo com Paraná.

“Eu tive muita luta cancelada na minha equipe. Alguns bons eventos nacionais que iam passar na TV, atletas que iam receber pela luta e o patrocínio por passar na televisão. Está sendo uma catástrofe tudo isso. Os atletas reagiram com muita decepção, mas temos que tentar entender”, apontou o professor, que tem tentado trabalhar a parte psicológica desses atletas mais jovens da equipe.

“Na verdade, nós temos um coaching lá na academia, alguns outros atletas têm coaching por fora. Os atletas mais experientes e eu tentamos ajudar os mais novos com conselhos e orientações. É realmente uma situação atípica. É até difícil aconselhar, porque não sabemos o que vai acontecer”, comentou Gilliard.

O impacto econômico com a pandemia recai também sobre a equipe e os futuros investimento de Paraná. Resguardado financeiramente, o treinador disse que vai controlar mais os gastos e revelou até que precisou adiar a abertura de uma nova academia em Niterói, no Rio, onde já lidera uma filial da PRVT.

“Estamos esperando como todo mundo (o fim da pandemia). Todos têm que mexer com suas economias, desprogramar algumas coisas e ir se apertando. A ideia é todos ficarem dentro de casa, mas quem precisa ir trabalhar, não pode ser julgado por isso também. O impacto vai ser gigantesco pra mim, para os meus atletas, o esporte em si. Tinha uma programação de fazer uns investimentos aqui, mas paralisei tudo. Queria abrir uma academia nova, em um lugar bom aqui em Niterói, mas dei uma parada em tudo”, admitiu.

Impacto na PRVT e preocupação com outras equipes

Através das redes sociais, diversas personalidades das artes marciais estão fazendo campanha para que os alunos sigam pagando as mensalidades neste período. O intuito é manter a renda dos professores e pagar as despesas da academia. Gilliard disse vai seguir pagando o aluguel do espaço da PRVT em Niterói – com o dinheiro que tem guardado – e que entende quem não puder ajudar neste momento delicado.

“Eu mesmo não estou pedindo para ninguém pagar mensalidade, não. A Jéssica Delbony, que é a minha gerente, andou fazendo um texto lá nos grupos e tal, pedindo para quem puder pagar. Acredito que alguns pagaram, mas eu ainda não tenho ciência disso. Eu mesmo não vou ficar triste se ninguém pagar, porque eu entendo a situação. Eu paguei o aluguel do local que fica a academia, vou pagar mês que vem. Mas quem não tiver como pagar, não vou julgar. A situação está muito complicada”, disse o casca-grossa.

Com o equilíbrio estrutural, Gilliard acredita que a PRVT vai sobreviver após o fim da pandemia, mas que a realidade de equipes menores não seja a mesma: “Muitas equipes com certeza vão quebrar. Professores que vivem de dar aula, vão ter que parar, precisarão arrumar outro emprego. Alguns professores estão sendo demitido das academias. Nós criamos uma estrutura na PRVT que vamos passar por cima dessa crise. Lógico que não vamos voltar 100%, porque isso vai abalar o número de alunos. Mas temos um resguardo financeiro para voltarmos normalmente, mas não iremos chegar perto de quebrar, não”, concluiu.

* Por Diogo Santarém

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Instagram
Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade