Michelle Nicolini relembra carreira no Jiu-Jitsu e cita título do ADCC em 2013 como grande feito: ‘Foi uma realização pessoal’

Publicado em 22/05/2020 por: Yago Redua
Michelle Nicolini relembra carreira no Jiu-Jitsu e cita título do ADCC em 2013 como grande feito: ‘Foi uma realização pessoal’ Michelle Nicolini passou a limpo sua vitoriosa trajetória no Jiu-Jitsu (Foto reprodução Instagram)

publicidade

* Como uma carreira vitoriosa dentro do Jiu-Jitsu, Michelle Nicolini coleciona oito títulos mundiais da IBJJF, além de outras importantes conquistas. Mas, em bate-papo com a TATAME através de uma live no Instagram, a lutadora afirmou que o momento mais especial de sua trajetória foi o título do ADCC em 2013, na China. O evento é principal torneio de grappling do mundo.

Após o vice para Kyra Gracie em 2011, Nicolini afirmou que foi extremamente focada para a edição de 2013, quando superou a compatriota Luanna Alzuguir na final. A faixa-preta relembrou que não saia nem do hotel.

“Desde que eu comecei a lutar, o meu maior sonho era ganhar o ADCC. Toda seletiva que tinha, eu lutava, mas não passava. Até que eu consegui conquistar a vaga em uma seletiva em São Paulo. Fui para o ADCC e no primeiro ano eu perdi a final pra Kyra (Gracie). Depois, fui convidada para a outra edição. Eu estava tão determinada, que fiz tudinho que a minha cabeça estava mandando. Eu não ia para nenhum lugar, o pessoal me chamava para ver a Muralha da China, eu falava ‘não’. Só ficava no hotel, esperando e concentrada. Eu ter ganho o ADCC foi incrível pra mim. Me marcou bastante. Foi uma realização”, contou Nicolini, completando que hoje não sente mais “motivação” para lutar a competição de luta agarrada.

Sobre o MMA, Nicolini segue em busca do título no ONE Championship. Desde 2016 na organização, a brasileira soma quatro vitórias e uma derrota, e estava com luta marcada para o dia 29 dia maio, mas foi adiada por causa da pandemia do novo coronavírus. Michelle aproveitou para falar a respeito da estrutura.

“O evento do ONE é incrível. Tem festa, show… Eles são fanáticos, mas é um fanatismo bom. É muito legal ver pessoas de países mais simples como campeões. Fica bem distribuído. As pessoas me perguntam se eu não tenho vontade de lutar o UFC. Lá atrás, eu tive, é claro, era o sonho de todo mundo. Mas hoje, pra falar a verdade, não tenho mais vontade de lutar (no UFC). Já estou super bem realizada no ONE. Estarei ainda mais quando eles me derem a chance de lutar pelo cinturão. A remuneração é muito boa e na Ásia é muito grande. Acho que é o segundo maior evento do mundo mesmo, até maior que o Bellator”, concluiu.

Confira abaixo o vídeo da entrevista completa com Michelle Nicolini:

* Por Yago Rédua

Veja também

publicidade

Mais lidas

publicidade

Newsletter

Assine nossa Newsletter e receba notícias e novidades em primeira mão

publicidade