* Tricampeão mundial de Jiu-Jitsu, finalista do TUF Brasil 1 e ex-UFC, Serginho Moraes saiu de Itaquera, em São Paulo, para conquistar o mundo como lutador. Porém, o que muitos fãs não sabem é como foi o início de caminhada do paulista nas artes marciais.

Em entrevista à TATAME através de uma live no Instagram, Serginho relembrou seu começo na arte suave, inspirado após assistir algumas fitas em VHS com lutas de membros da família Gracie no UFC: “Eu comecei no Jiu-Jitsu. Antes eu jogava Futebol, mas sempre gostei de luta. Na época eu assistia às fitas em VHS do UFC, o Royce e o Rickson Gracie, e fiquei com aquilo na cabeça: Jiu-Jitsu brasileiro. Um dia eu estava jogando bola, olhei do campo e vi uma academia escrito Jiu-Jitsu. Fiz minha primeira aula e nunca mais parei (risos)”.

Durante sua trajetória no Jiu-Jitsu, o hoje faixa-preta da Alliance ficou marcado por uma vitória por finalização contra o casca-grossa Kron Gracie – favorito na época -, no Mundial da IBJJF em 2008, ano em quem acabou campeão pela primeira vez na elite do esporte. Nos Mundiais seguintes, Serginho ainda conquistou o título novamente em 2011 e, em 2009, fechou com a lenda Marcelinho Garcia.

A estreia no MMA profissional aconteceu em 2006, com uma vitória pelo evento Real Fight. Seis anos depois ele chegou ao UFC após participar do primeiro TUF Brasil. O reality show, inclusive, foi lembrado com carinho pelo lutador, que depois permaneceu por sete anos no Ultimate, até o fim de 2019.

“Eu não ia nem me inscrever no TUF, não acreditava. Mas aí o pessoal botou pilha, eu enviei (a inscrição) e deu certo. Eu era engraçado, campeão mundial de Jiu-Jitsu, morador da periferia e negro. Por cota eu já estava 90% dentro (risos). Fiz a seletiva, um nervosismo total, mas deu tudo certo. É muito diferente o TUF. Você sai de lá pronto pra tudo, para lutar quantas vezes for necessário. Em dois meses você bate o peso três vezes, sai na porrada com o cara que está dormindo do seu lado, trocando ideia com você, era irado, uma energia incrível. Fora que o evento tinha o Wanderlei Silva e o Vitor Belfort como treinadores”, contou.

Morando atualmente em Curitiba, onde integra a equipe Evolução Thai, liderada por André Dida, Serginho hoje está em São Paulo, cuidando dos pais durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Ainda durante o bate-papo, o lutador comentou como tem enfrentado esse momento, lembrou sua parceria com Fernando Tererê, vitórias marcantes no Jiu-Jitsu e MMA, e projetou o futuro da carreira após deixar o UFC.

Confira abaixo o vídeo da entrevista completa com Serginho Moraes:

* Por Diogo Santarém